Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/09/2018

Queridos filhos,

As Minhas palavras são simples, mas repletas de amor materno e de preocupação. Filhos MEUS, sobre vocês se alargam sempre mais as sombras das trevas e do engano, Eu os chamo em direção a luz e a verdade, Eu os chamo na direção de Meu Filho. Somente Ele pode converter o desespero e a dor em paz e serenidade, somente ELE pode dar esperança nas dores mais profundas. O MEU FILHO é a VIDA do mundo, e quanto mais O conhecerem, mais se aproximarão DELE e mais O amarão porque o MEU FILHO é AMOR e o AMOR muda tudo.

ELE torna maravilhoso também aquilo que sem amor pareça para vocês insignificante. Por isso novamente os digo que vocês devem amar muito se desejarem crescer espiritualmente. EU sei, apóstolos do MEU AMOR, que não sempre fácil, porém, filhos MEUS, também as estradas dolorosas são caminhos que levam ao crescimento espiritual, à fé e ao MEU FILHO.

Filhos MEUS, rezem, pensem em MEU FILHO durante todos os momentos do dia, elevem as suas almas até ELE e EU recolherei as suas orações como flores do jardim mais belo e as darei de presente ao MEU FILHO.

Sejam realmente apóstolos do MEU AMOR, deem a todos o AMOR de MEU FILHO, sejam jardins com as flores mais belas.

Com a oração ajudem os seu sacerdotes para que possam ser pais espirituais cheios de amor para todos os homens.

Obrigada.

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Pe. Zezinho e o “púlpito que dói”: a palavra de Deus não está presa a ideologias

"Popularidade não deve ser o projeto número um de um padre. Coerência, coragem, verdade, sim!"

pe. Zezinho compartilhou neste fim de semana, via página no Facebook, a seguinte reflexão sobre a cruz da incompreensão a que estão expostos os sacerdotes, religiosos, religiosas, catequistas e os católicos em geral ao falarem dos aspectos mais exigentes da doutrina de Cristo, que muitos prefeririam não ouvir:

O púlpito que dói!

JESUS E PAULO nem sempre agradaram no que disseram. Os evangelistas escrevem sobre debates e agressões contra Jesus por conta do que ele disse. Nem por isso eles se calaram.
SIGO os evangelhos e sei que qualquer pregador que quiser pregar a Doutrina de Jesus e dos apóstolos será contestado e até ofendido. Jesus morreu porque disse o que deveria ter dito!
Não fui ordenado para subir a um púlpito, apenas a ensinar a louvar e orar e passar pomada quando a vida dói para os nossos ouvintes.
Anunciar, denunciar, concordar, discordar, corrigir, orientar,falar de famílias, país e filhos, política, apoiar os pobres e trabalhadores, defender o pequeno empresário e colono e o homem do campo, semear convivência, refletir sobre nossos problemas sociais, dialogar com outras igrejas e com ateus também fazem parte da pregação de um padre católico.
Quando estudei para ser padre meus professores, bispos, os livros e as aulas diziam isto. Não queira ser odiado ou amado por todos. Isso jamais acontecerá porque os ouvintes já vêm com ideias prontas e convicções já formadas. Mas é preciso dialogar com todos. Jesus fez isso!
Não quero ser pregador popular aceito por todos. Não é possível. Quero repercutir a Doutrina da Igreja Católica. E se os bispos acharem que sou fiel a estas doutrinas é isto o que pregarei.
Se na internet alguém me censurar e me tentar calar e me disser nomes feios, opinarei e defenderei meus escritos e minhas falas. E, se for o caso, indicarei padres e páginas onde acharão quem lhes pregue do jeito que tais fiéis esperam ler ou ouvir…
Mas, como disse São Paulo do jeito dele: a palavra de Deus não está presa a grupos ou ideologias. O padre deve ser gentil, mas se for preciso, deve pregar: quer agrade, quer desagrade. Mas deve ensinar o que a Igreja manda que ele pregue.
Popularidade não deve ser o projeto número um de um padre. Coerência, coragem, verdade, sim!

Pe. Zezinho, em sua página no Facebook

Segunda, 27/08/2018 - Redação da Aleteia
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...