Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/04/2018

“Queridos filhos,

Através do Grande Amor do PAI CELESTIAL, EU estou com vocês como sua MÃE e vocês estão comigo como MEUS filhos, como Apóstolos do Meu Amor que sem cessar, reúnem-se em torno de MIM.

Filhos MEUS, vocês são aqueles que, como a oração, devem abandonar-se totalmente ao MEU FILHO, a fim de que não sejam mais vocês a viverem, mas o MEU FILHO em vocês; de modo que todos aqueles que não O conheçam, O vejam em vocês e desejem conhecê-lo.

Rezem para que eles vejam em vocês uma humildade decidida e bondade, disponibilidade a servir os outros; que vejam que vocês vivem a sua vocação no mundo com o coração, em comunhão com o MEU FILHO. Que eles vejam em vocês mansidão, ternura e amor ao MEU FILHO, como também aos seus irmãos e irmãs. Apóstolos do MEU AMOR, vocês devem rezar muito e purificar os seus corações de odo que sejam vocês os primeiros a caminhar no caminho do MEU FILHO de modo que sejam vocês os justos unidos pela JUSTIÇA do MEU FILHO.

Filhos MEUS, como MEUS Apóstolos vocês devem estar unidos na comunhão que flui do MEU FILHO, a fim de que os MEUS filhos que não conhecem o MEU FILHO reconheçam uma comunhão de amor e desejem caminhar no caminho da vida, no caminho da unidade com o MEU FILHO.

Obrigada.”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Por que precisamos da religião em um mundo globalizado?

Quem responde é um pesquisador da Universidade de Yale

Yale é uma universidade encantadora! Neste prestigioso centro universitário dos Estados Unidos não se estudam somente carreiras tradicionais, como Direito, por exemplo. Mas também há cursos de Teologia e são investidos dólares e mais dólares em pesquisas que têm a missão de investigar o papel da religião no mundo globalizado.

Miroslav Volf, ganhador do Prêmio de Religião Louisville Grawemeyer e diretor-fundador do Yale Center for Faith and Culture nos recebe em seu escritório para falar do papel da fé na vida pública. Volf, que é de origem croata, está convencido de que a globalização é uma enorme oportunidade para as religiões e, em especial, para a visão cristã da vida.

Em seu livro “Flourishing. Why we need religion in a Globalized World” (“Florescendo. Por que precisamos da religião em um mundo globalizado”), editado pela Yale University Press, o professor e teólogo explica que as religiões desempenham um papel determinante na vida.

Para ele, longe de ser uma “praga para a humanidade”, a religião é portadora de visões de florescimento. Volf diz que as religiões não estão separadas do processo de globalização. Embora para muita gente a religião pareça algo fora do mundo, ele argumenta que as religiões são parte da dinâmica da globalização e a globalização é parte das dinâmicas das religiões, de sua articulação moral e doutrinária, de sua formação política e cultural e de sua disseminação missionária e entre gerações.

“A globalização passa através das religiões e as religiões estão dentro da globalização”, defende.

As religiões não são um problema

Miroslav Volf é professor de Religião e Globalização e, frequentemente, se encontra com estudantes, que lhe perguntam sobre suas convicções religiosas. Ele se concentra no papel da religião, que define como um problema global que requer atenção, mas não somente como um problema. As religiões são parte “indispensável” da solução, argumenta ele.

A globalização é boa?

“Como cristão, minha visão da globalização é a seguinte: é boa se ajudar a mim e aos outros a seguirmos o caráter e a missão de Jesus; e é deficiente se não ajudar nisso”.

Volf diz que viver somente para as “realidades mundanas” pode nos levar a “um mundo de competitividade, injustiça social e destruição”. Ele sintetiza seu pensamento em várias teses:

– Se somente de “pão vive o homem”, não existem valores transcendentais e a globalização, seja na forma descartada comunista ou na forma capitalista atual, se ocupa principalmente do “pão”;

– as religiões do mundo articulam visões que geram uma nova vida (florescimento), e, no centro, está o divino. Mas elas não são meros lubrificantes para as engrenagens da globalização, como muitos acreditam;

– as religiões, por vezes, legitimaram a violência e impediram o progresso da ciência e tecnologia. Mas não são areia nas engrenagens dos processos de globalização, como muita gente teme;

– a globalização poderá contribuir para melhorar o estado do mundo somente se as visões do crescimento humano e visões morais se articularem;

– O homem não vive somente de pão. Embora a globalização viva disso, não se pode subestimar a vida espiritual de milhões de pessoas;

– a globalização pode ajudar as religiões a não se aliarem a algumas particularidades perigosas e pode fazer com que elas descubram sua genuína universalidade.


O professor Volf é o pesquisador principal de um projeto da Yale financiado pela Fundação Templeton que estuda a teologia da alegria e a busca pela boa vida.


Terça, 06/04/2018 - Miriam Diez Bosch / Aleteia
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...