Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/07/2017

“Queridos filhos, os agradeço porque responderam ao Meu chamado e porque se reuniram em torno de Mim, em torno da Sua Mãe Celestial. Eu sei que pensam em Mim com amor e esperança. Eu sinto o amor de cada um de vocês, como também a sede do Meu Amadíssimo Filho, que por meio do Seu Amor Misericordioso, sempre e novamente Me envia até vocês. Ele que era homem e Deus Uno e Trino. Ele que por causa de vocês sofreu com o corpo e com a alma. Ele que se fez pão para dar pão às suas almas, para poder salvá-las.

Meus filhos, os ensino como serem dignos do Seu Amor, para poderem dirigir os seus pensamentos a Ele, para poderem viver o Meu Filho. Apóstolos do Meu Amor, os envolvo com o Meu Manto porque como Mãe desejo salvá-los.

Os peço: rezem pelo mundo inteiro. O Meu Coração sofre. Os pecados se multiplicam, são muitos. Mas com a ajuda de vocês, vocês que são humildes, cheios de amor, escondidos e santos, o Meu Coração triunfará. Amem o Meu Filho acima de tudo, e o mundo inteiro por meio Dele.

Não esqueçam nunca que cada irmão seu leva em si algo de precioso: a alma. Por isso, Meus filhos, amem a todos aqueles que não conhecem o Meu Filho, para que por meio da oração e do amor que vem da oração, eles possam tornarem-se melhores, a fim de que a bondade neles possa vencer, para poder salvarem as almas e terem a Vida Eterna.

Meus Apóstolos, Meus filhos, o Meu Filho pediu que amassem uns aos outros; que isto esteja escrito em seus corações e com a oração comecem a viver este amor.

Obrigada.

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Evangelho do dia 06/08/2017 - São Mateus 17, 1-9

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus

Naquele tempo, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João seu irmão e levou-os, em particular, a um alto monte e transfigurou-Se diante deles: o seu rosto ficou resplandecente como o sol e as suas vestes tornaram-se brancas como a luz. E apareceram Moisés e Elias a falar com Ele. Pedro disse a Jesus: «Senhor, como é bom estarmos aqui! Se quiseres, farei aqui três tendas: uma para Ti, outra para Moisés e outra para Elias». Ainda ele falava, quando uma nuvem luminosa os cobriu com a sua sombra e da nuvem uma voz dizia: «Este é o meu Filho muito amado, no qual pus toda a minha complacência. Escutai-O». Ao ouvirem estas palavras, os discípulos caíram de rosto por terra e assustaram-se muito. Então Jesus aproximou-se e, tocando-os, disse: «Levantai-vos e não temais». Erguendo os olhos, eles não viram mais ninguém, senão Jesus. Ao descerem do monte, Jesus deu-lhes esta ordem: «Não conteis a ninguém esta visão, até o Filho do homem ressuscitar dos mortos».


Palavra da Salvação.
Gloria a vós Senhor!


COMENTÁRIO DO EVANGELHO

Celebramos hoje o mistério da Transfiguração de Jesus Cristo que a tradição localiza do monte Tabor.
Nele confirma Jesus na fé da Ressurreição gloriosa os três Apóstolos – Pedro Tiago e João – que serão chamados a um papel especial na Igreja nascente. Está simbolicamente representado o Antigo Testamento – Moisés, pelos Patriarcas e Elias, pelos Profetas – e o Pai proclama solenemente a divindade de Jesus, como fizera já no Jordão, depois do Baptismo.

De olhar no Alto
O julgamento divino. O texto profético de Daniel descreve em três quadros, num estilo apocalíptico, o julgamento divino:
– a apresentação do Juiz, Deus (vv 9-10): «foram colocados os tronos e um Ancião sentou-Se. As Suas vestes eram brancas como a neve e os cabelos como a lã pura». São formas literárias de aludir à eternidade de Deus.
– A destruição do reino inimigo (vv. 11-12), propositadamente omitidos nesta leitura.
– O estabelecimento do reino de Deus (vv.) 13-14).
Uma grande multidão de Anjos – «miríades e mais miríades» – dão ainda mais solenidade a esta visão profética.

Jesus, Rei e Senhor do universo Finalmente surge a figura do Messias, Rei do universo, designado pelo título muitas vezes usado no Novo Testamento de Filho do Homem (cf Lc 1, 32-33; Mt 8, 20; 24, 30; 26, 64; Apc 1, 7; 14, 14), num total de oitenta e duas vezes, e sempre pronunciada por Jesus. «Foi-lhe entregue o poder, a honra e a realeza, e todos os povos e nações O serviram.»
Facilmente sonhamos com uma vida triunfalista, sem dificuldades, apenas com êxitos retumbantes.

A realidade, porém, é bastante diferente. A nossa vida está marcada pela cruz de cada dia.

A solenidade da Transfiguração do Senhor ajuda-nos a olhar mais além, contemplando, depois da Paixão e Morte de Jesus, a Sua Ressurreição gloriosa, aqui antecipada.
O nosso optimismo fundamenta-se na confiança em Deus
No acontecimento da Transfiguração, Jesus procura confirmar Pedro, Tiago e João – Apóstolos que terão um papel de relevo nos primeiros passos da Igreja –, na fé em Sua divindade.

São precisamente estes três que vão testemunhar mais de perto a agonia de Jesus e é preciso que não desanimem, à vista da suprema humilhação e aparente fraqueza de Jesus.

As consolações que o Senhor nos envia são excepcionais. Pedro emociona-se e quer fazer desta situação a vida ordinária, propondo-se construir ali três tendas, sem se lembrar de si mesmo e dos outros dois companheiros.

O Pai, tal como já fizera nas margens do Jordão, depois do Baptismo, proclama a divindade de Jesus e recomenda-nos que O escutemos com atenção. Ele é a Palavra do Pai.

Jesus mostra-lhes que a transfiguração é uma ajuda para a sua fé; uma «dedada de mel» para aguentar melhor as horas difíceis que se aproximam.

Mais uma vez, como sempre acontece na Sua pregação, Jesus não separa estas três verdades: Paixão, Morte e Ressurreição. Enquanto desciam o monte, ao encontro dos nove que ficaram mais abaixo, Jesus fala da Sua Paixão e Morte e acrescenta que ao terceiro dia ressuscitará.

A Paixão, Morte e Ressurreição são inseparáveis. Não será que o nosso anúncio de Cristo é mal acolhido, porque ficamos apenas nas duas primeiras partes, ou apontamos para uma felicidade longínqua que talvez chegue um dia?

É preciso fazer um esforço para olhar por sobre as dificuldades da vida, para saborearmos as «dedadas de mel» que o Senhor nos vai dando na vida, para suavizar o caminho: uma palavra do evangelho que se tornou mais luminosa, uma consolação espiritual, etc.

A Santa Missa é a renovação do Mistério Pascal de Cristo, em que Ele Se nos manifesta. Sabemos aproveitar estes momentos privilegiados em que estamos com Ele, para nos fortalecermos na Fé e na Esperança?


Se assim não fosse, como poderia Nossa Senhora ter conseguido transportar a sua cruz de cada dia?


Sábado, 05/06/2017 - Fonte: Internet
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...