Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/11/2017

“Queridos filhos, olhando vocês em torno de Mim, em torno da sua Mãe, Eu estou vendo muitas almas puras, vejo muitos dos Meus filhos que estão procurando amor e consolação, mas ninguém está oferecendo isso a eles.

Também vejo aqueles que fazem o mal, porque não têm bons exemplos, não conheceram Meu Filho, aquele bem que é silencioso, que se difunde através das almas puras, que é a força que reforça o mundo.

Existem muitos pecados, mas também muito amor. o Meu Filho Me envia, como Mãe, a mesma igual para todos, para que Eu vos ensine o Amor, para que vocês compreendam que são irmãos.

Ele deseja vos ajudar. Apóstolos do Meu Amor, é suficiente o desejo vivo da fé e do Amor, o Meu Filho o aceitará.

Mas vocês têm que ser dignos, ter boa vontade e um coração aberto. O Meu Filho entra nos corações abertos. Eu, como Mãe, desejo que vocês conheçam o melhor possível o Meu Filho, Deus, nascido de Deus, para que vocês conheçam a grandeza do Seu Amor, o qual vocês tanto precisam.

Ele aceitou os seus pecados, conseguiu a Redenção para vocês, mas em troca procura que vocês amem-se uns aos outros. O Meu Filho é Amor. Ele ama todo ser humano, sem diferença, todas as pessoas de todos os povos e nações.

Se vocês, Meus Filhos, vivessem o Amor do Meu Filho, o Seu Reinado já estaria na Terra. Por isso, Apóstolos do Meu Amor, rezem, rezem para que o Meu Filho e Seu Amor estejam mais próximos de vocês, para que vocês sejam exemplos de Amor e possam ajudar àqueles que ainda não conhecem o Meu Filho.

Nunca esqueçam que o Meu Filho, Uno e Trino, Ama. Amem e rezem pelos seus sacerdotes. Obrigada.”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

A oração escondida no fim da Ave-Maria

 Se permitirmos, Nossa Senhora nos acompanhará

“…rogai por nós pecadores, agora e na hora de nossa morte.”

Eu aprendi essas palavras no início da minha infância. Eu aprendi os sons, a colocação das pausas; eu até dominei a arte de misturar minha voz com outras vozes para formar uma única onda de súplica. 

Mas depois de anos de Ave-Marias, um dia me ocorreu que havia um pedido escondido nas palavras finais da oração.

“Na hora de nossa morte”. Nós estamos pedindo que Maria reze por nós no momento mais importante de nossa vida, quando a alma deixa o corpo e se coloca diante de Nosso Senhor, quando a eternidade – para o bem ou para o mal – estende-se diante de nós.

Mas, parece-me que a expressão “na hora de nossa morte” pode significar algo a mais. Um ano ou dois atrás eu estava orando na esteira da academia. Em algum momento, eu tive um pensamento: há dois tipos de morte! Não há somente a morte corporal, mas também a morte do eu, a morte do “velho homem” a que São Paulo se refere (a parte de mim voltada a Deus e a parte ligada a mim mesmo e ao pecado).

E não precisamos do apoio de Nossa Senhora no momento dessa “morte” também?

Agora, eu entendo este pedido da Ave Maria, que engloba tudo isso: rogai por mim agora; rogai por mim na hora da minha morte física e rogai por mim no momento das minhas pequenas mortes diárias – naquelas vezes em que sou chamado a enterrar o “velho eu” para que, morto para o pecado, eu possa elevar-me à plenitude da vida em Cristo.

“Retirai a vossa antiga natureza que pertence ao vosso modo de vida anterior …”, diz São Paulo, escrevendo aos Efésios, “e revestiram-se da nova natureza, criada segundo a semelhança de Deus”.

“Desconsiderar nossa velha natureza” não é uma espécie de morte? Uma morte que também tememos e da qual fugimos diariamente? Às vezes sinto-me tentada a pensar que um martírio corporal de uma só vez soa relativamente simples, em comparação com a perspectiva de sacrificar minha vontade dia após dia.

É aqui que entra Nossa Senhora. Posso correr até ela com meus medos, com minhas imagens terríveis sobre o que o futuro me reserva e com minha fraqueza absoluta. Rogai por mim AGORA – em todos os meus problemas atuais, medos e lutas. E na hora da morte – nessas horas de pequenas mortes de si mesmo e na hora do fim, em que eu vou ser levado diante do tribunal.

Assim como ela ficou com Cristo até o último momento, ela nos acompanhará, se a deixarmos. Ela deseja nos sustentar em nossas mortes diárias para que ela possa nos ver chegar vitoriosos diante de Cristo em nossa derradeira hora .

Nossas batalhas são reais! Nossas pequenas lutas contam! Mas não podemos conquistá-las sozinhos. Rezemos fervorosamente, então, com sinceridade e confiança à nossa Mãe fiel:


Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós pecadores, agora e na hora de nossa morte. Amém.


Segunda, 03/04/2017 - Elizabeth Zuranski / Aleteia
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...