Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/09/2017

Queridos filhos !

Quem melhor do que EU poderia falar para vocês do Amor e da existência do MEU FILHO ?

Vivi com ELE, EU sofri com ele, vivendo a vida terrena, EU provei da dor porque era MÃE.

MEU FILHO amou com pensamentos e obras o PAI CELESTIAL, o DEUS VERDADEIRO, e como ME dizia veio para redimi-los. EU escondi a minha dor com o amor. Vocês, filhos MEUS, tem numerosas perguntas, não compreendem a dor, não compreendem que através do Amor de Deus devem aceitar a dor e suportá-la. Todas as pessoas provam-na em maior ou menor medida, mas com a paz na alma e em estado de graça a esperança existe.

Este é o MEU FILHO, DEUS, nascido de DEUS. As SUAS PALAVRAS são sementes de Vida Eterna e semeadas nas boas almas produzem muitos frutos.

MEU FILHO suportou a dor porque tomou para si os pecados de vocês.

Por isso vocês, filhos MEUS, Apóstolos do MEU Amor, vocês que sofrem, saibam que as suas dores se tornarão luz e glória.

Filhos MEUS, enquanto vocês suportam a dor o CÉU entra em vocês, e em todos em torno de vocês é dado um pouco de Céu e muita esperança !

Obrigada !

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Antes de ser padre, ele teve um grande amor

Ele se tornou padre graças a ela - e a história deles é linda!


Eu já me apaixonei. Foi há muito tempo, antes de tornar-me sacerdote. Na verdade, eu ainda nem era seminarista. Ela se chamava Valentina, tinha cabelos pretos na altura do ombro, sempre enfeitados com lenços, tiaras ou chapéus. Seus olhos esverdeados e grandes eram, de fato, as janelas de sua alma, revelando seus segredos mais bonitos: se ela era linda e graciosa por fora, também o era proporcionalmente por dentro. Talvez por isso eu tenha me apaixonado.

Ainda me lembro da primeira vez que a vi. Eu era coroinha na paróquia São José. Bem, éramos uma igrejinha pequena, todos se conheciam. Era de se esperar que notássemos a presença de alguém diferente. Lá estava Valentina com seu pai e sua irmãzinha mais nova. O Sr. Bernini acabara de se mudar com as duas filhas, após ficar viúvo. Ainda hoje eu não consigo descrever a sensação que o simpático e arrebatador sorriso de Valentina me causou. Só sei que foi o suficiente para tirar minha concentração durante a Missa, o que obviamente me rendeu uma piedosa confissão. Nós tínhamos 15 anos.

Apesar de ser desengonçado, eu era um bom rapaz. Acho que ela percebeu isso e também se apaixonou por mim. A beleza de Valentina era um reflexo da beleza divina, fazendo com que eu me sentisse no Céu ao lado dela. Se você já encontrou alguém que te faz viver o Céu na Terra, valorize-a.

Valentina foi o grande amor jamais vivido da minha vida. Vou explicar. Bem, eu tinha certeza que a moça mais linda do mundo inteiro estava ao meu lado. Ela vivia sorrindo! Digo, eu tinha o sorriso dela. Eu sentia que, acima de tudo, estávamos nos tornando companheiros. As missas todas as manhãs, os rosários nos fins de tarde, os beijos na bochecha, a bênção do padre George e até mesmo do Sr. Bernini. Tudo conspirava a nosso favor! Uma coisa eu tinha certeza: eu era o garoto de 15 anos mais feliz do mundo.

Ainda assim, eu me sentia incompleto e não entendia como isso era possível. Se Valentina não era o suficiente para me preencher, o que seria? Deus. O poderoso e irresistível chamado de Deus ecoava em meus ouvidos e, na mesma hora, eu compreendi tudo: Ele era o ideal ao qual doar-me inteiramente, a única coisa capaz de saciar a minha sede.

Sou eternamente grato a Valentina. Deus se serviu dela para me mostrar que nem mesmo a maior beleza terrena se compara à sua beleza. Entre dor e lágrimas, nos despedimos. Eu estava ingressando no seminário menor. Confesso que, ao longo do tempo, me peguei pensando em como teria sido meu futuro ao lado dela: quantos filhos teríamos, quais seriam os nomes, como seria a decoração da nossa casa, se ela ainda sorriria com minhas piadas sem graça ou se eu a faria chorar algum dia. Não importa. Esses pensamentos rapidamente se esvaem quando penso que sou feliz por ser padre. São 19 anos de ministério sacerdotal. Ela também foi feliz. Casou-se, teve 4 filhos – sendo uma carmelita e um seminarista -, era uma excelente mãe e tinha um marido piedoso e íntegro.

Nesse exato momento, são 7:42 da manhã. Estou pronto para sair da casa paroquial. Fui acordado às 6:30 por um telefonema desagradável: Valentina havia falecido. A guerreira Valentina – que há 1 ano lutava contra um câncer mama – resolveu descansar. Na mesma hora um filme passou pela minha cabeça. Resolvi escrever pelo medo de que, com sua partida, ela levasse junto todas as minhas memórias da nossa santa amizade. Sou padre graças a Valentina e tenho a certeza de que estarei fortalecido no ministério com a intercessão dela lá no Céu.

(Sacerdote anônimo)


Segunda, 26/12/2016 - Aleteia
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...