Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/09/2017

Queridos filhos !

Quem melhor do que EU poderia falar para vocês do Amor e da existência do MEU FILHO ?

Vivi com ELE, EU sofri com ele, vivendo a vida terrena, EU provei da dor porque era MÃE.

MEU FILHO amou com pensamentos e obras o PAI CELESTIAL, o DEUS VERDADEIRO, e como ME dizia veio para redimi-los. EU escondi a minha dor com o amor. Vocês, filhos MEUS, tem numerosas perguntas, não compreendem a dor, não compreendem que através do Amor de Deus devem aceitar a dor e suportá-la. Todas as pessoas provam-na em maior ou menor medida, mas com a paz na alma e em estado de graça a esperança existe.

Este é o MEU FILHO, DEUS, nascido de DEUS. As SUAS PALAVRAS são sementes de Vida Eterna e semeadas nas boas almas produzem muitos frutos.

MEU FILHO suportou a dor porque tomou para si os pecados de vocês.

Por isso vocês, filhos MEUS, Apóstolos do MEU Amor, vocês que sofrem, saibam que as suas dores se tornarão luz e glória.

Filhos MEUS, enquanto vocês suportam a dor o CÉU entra em vocês, e em todos em torno de vocês é dado um pouco de Céu e muita esperança !

Obrigada !

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

7 conselhos práticos para recuperar a paz do coração

Com estas dicas simples, você poderá reconquistar a paz sem obsessões, com um realismo saudável e confiando na oração.


  1. Programar e planejar o futuro sem transformá-lo em obsessão.
  Uma das coisas que mais nos afeta é a angústia ou a preocupação com o futuro que nos “rouba” o momento presente. O que vai acontecer amanhã? É preciso ocupar-se, mas não se preocupar. É preciso planejar, mas sem nos tornarmos obcecados pelo futuro. Dyer escreveu: “Todas as nossas neuroses são o resultado de não viver o presente.” E Jesus Cristo disse: “Não se preocupem com o amanhã, pois o amanhã trará suas próprias preocupações. Basta a cada dia o seu cuidado.” (Matheus 6,34)
  1. Trabalhar por um ideal com a aceitação serena da realidade
Temos que trabalhar por um objetivo, pela excelência, pelo melhor, mas sem que a realidade nos decepcione. Recordemos a oração da serenidade: “Senhor, concedei-me a serenidade necessária para aceitar as coisas que não posso mudar; Coragem para mudar aquelas que posso e Sabedoria para reconhecer a diferença entre elas”. Também podemos nos valer destas palavras: “Se não houver frutosvaleu a beleza das floresse não houver floresvaleu a sombra das folhas; se não houver folhas, valeu a intenção da semente.”
  1. Desistir de sempre ter razão
Uma das coisas que mais nos divide são as intermináveis discussões político-ideológicas. Chegamos a perder valiosas relações familiares e de amizade por discussões em que queremos impor “nossa razão”, nossa verdade. É preferível ter paz e dormir tranquilo a ter razão sempre ou impor nosso ponto de vista.
  1. Aprender a dizer Não
“Dizei somente: Sim, se é sim; não, se é não. Tudo o que passa além disto vem do Maligno” (Matheus 5,37). Dizer sim, não porque você quer e pode fazer o que lhe pedem, mas por satisfazer a vontade de alguém por medo de perder a sua amizade e o seu amor é não só um atentado contra si mesmo, como também um gerador de estresse e incômodo que desgasta qualquer um. Conheça seus limites, aja dentro deles e respeite-os. O que muito abraça pouco aperta.
  1. Não transformar nada nem ninguém em uma obsessão
Nem para o bem, nem para o mal. A obsessão tira a paz e faz perder o prazer de tudo. Outro sinônimo de obsessão pode ser codependência, adição, vício. Por trás de todo o sofrimento, há um vício. Quando você solta os vícios surgem a liberdade e a paz.  
  1. Dar menos espaço para a “informação” e mais espaço para a formação, diversão e as relações interpessoais
“Os olhos não se cansam de ver, nem os ouvidos se cansam de ouvir” (Eclesiastes, 1,8). Estamos sobrecarregados de informação, disparou-se uma espécie de vontade extrema de estarmos informados de tudo através do jornal, do rádio, da televisão, dos celulares, da internet (Twitter, Facebook).  E esse excesso de informação tirou tempo e espaço destinados à formação, à diversão saudável, à espiritualidade, aos momentos com os amigos e a família. E isso tem-nos roubado a paz. É preciso retomar espaços para as artes, para a cultura em geral e, sobretudo, para os encontros. Uma pessoa virtual jamais substituirá o olhar e o abraço de uma pessoa real.
  1. Orar
“Alegrai-vos sempre no Senhor. Repito: alegrai-vos! Seja conhecida de todos os homens a vossa bondade. O Senhor está próximo. Não vos inquieteis com nada! Em todas as circunstâncias apresentai a Deus as vossas preocupações, mediante a oração, as súplicas e a ação de graças.  E a paz de Deus, que excede toda a inteligência, haverá de guardar vossos corações e vossos pensamentos, em Cristo Jesus.” (Filipenses 4, 4-7)

Fazei me mim um instrumento de Vossa Paz
(Oração associada a São Francisco de Assis)


Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor;
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
Onde houver discórdia, que eu leve a união;
Onde houver dúvida, que eu leve a fé;
Onde houver erro, que eu leve a verdade;
Onde houver desespero, que eu leve a esperança;
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;
Onde houver trevas, que eu leve a luz.

Ó Mestre, Fazei que eu procure mais
Consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois é dando que se recebe,
é perdoando que se é perdoado,
e é morrendo que se vive para a vida eterna.



Padre Jesús Genaro Pérez
Originalmente publicado por pildorasdefe.net


Terça, 27/12/2016 - aleteia
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...