Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/09/2017

Queridos filhos !

Quem melhor do que EU poderia falar para vocês do Amor e da existência do MEU FILHO ?

Vivi com ELE, EU sofri com ele, vivendo a vida terrena, EU provei da dor porque era MÃE.

MEU FILHO amou com pensamentos e obras o PAI CELESTIAL, o DEUS VERDADEIRO, e como ME dizia veio para redimi-los. EU escondi a minha dor com o amor. Vocês, filhos MEUS, tem numerosas perguntas, não compreendem a dor, não compreendem que através do Amor de Deus devem aceitar a dor e suportá-la. Todas as pessoas provam-na em maior ou menor medida, mas com a paz na alma e em estado de graça a esperança existe.

Este é o MEU FILHO, DEUS, nascido de DEUS. As SUAS PALAVRAS são sementes de Vida Eterna e semeadas nas boas almas produzem muitos frutos.

MEU FILHO suportou a dor porque tomou para si os pecados de vocês.

Por isso vocês, filhos MEUS, Apóstolos do MEU Amor, vocês que sofrem, saibam que as suas dores se tornarão luz e glória.

Filhos MEUS, enquanto vocês suportam a dor o CÉU entra em vocês, e em todos em torno de vocês é dado um pouco de Céu e muita esperança !

Obrigada !

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Você sabia que Bento XVI ia se chamar João Paulo III, mas desistiu?

Ele mesmo explica, com muita simplicidade, o motivo.


Na última sexta-feira, 9 de setembro, foi publicado o livro-entrevista “Bento XVI: últimas conversações“, que apresenta uma longa conversa entre o Papa Emérito e o jornalista alemão Peter Seewald.

Entre os vários assuntos do livro, Bento XVI conta, com humildade, por que desistiu de se chamar João Paulo III:

“Eu teria visto como excessivo, porque era uma comparação que não poderia sustentar”.

Além da amizade com João Paulo II, a quem conheceu durante o Concílio Vaticano II, Bento XVI também fala da sua ligação com o Papa Francisco. Bento o considerava, quando cardeal de Buenos Aires, “um homem muito decidido, que dizia com muita resolução na Argentina: ‘Isto se faz ou não se faz’. [Por isso] a sua cordialidade, a sua atenção aos outros, eram aspectos dele que eu não notava. Foi uma surpresa [conhecê-lo melhor]”.

A vaticanista italiana Angela Ambrogetti, da ACI Stampa, comenta que, neste livro, Bento XVI “fala de si mesmo com doçura e humildade, mas também com a clara consciência daquilo que realizou em sua vida e no pontificado. Reforma, esforços, escolhas certas e erradas, ele não foge de nada dos anos do pontificado e deste tempo que está vivendo, de um jeito novo para a Igreja. E fala com o sereno olhar de quem usa o coração antes da razão, com plena confiança em Deus”.


Terça, 13/09/2016 - Aleteia
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...