Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/12/2017

“Queridos filhos, Me dirijo a vocês como sua Mãe, a Mãe dos justos, a Mãe daqueles que amam e sofrem, a Mãe dos santos.

Filhos Meus, também vocês podem ser santos: depende de vocês. Santos são aqueles que amam imensamente o Pai Celestial, aqueles que O amam acima de tudo.

Por isso, filhos Meus, procurem ser sempre melhores. Se procuraram ser bons, podem ser santos, também se não pensam isto de vocês. Se vocês pensam ser bons, não são humildes e a soberba os distancia da santidade.

Neste mundo inquieto, cheio de ameaças, as suas mãos, apóstolos do Meu amor, devem estar estendidas em oração e em misericórdia. Para mim, filhos Meus, presenteiem o Rosário, as rosas que tanto amo!

As Minhas rosas são as suas orações feitas com o coração e não somente recitadas com os lábios. As minhas rosas são as suas obras de oração, de fé e de amor.

Quando era pequeno, Meu Filho me dizia que os Meus filhos seriam numerosos e que me trariam muitas rosas.

Eu não compreendia, agora sei que vocês são aqueles filhos, que trazem rosas quando amam o Meu Filho acima de tudo, quando rezam com o coração, que ajudam os mais pobres. Estas são as Minhas rosas!

Esta é a fé, que faz que tudo na vida se faça por amor; que não conhece a soberba; que perdoa sempre prontamente, sem nunca julgar e procurando sempre compreender o próprio irmão.

Por isso, apóstolos do Meu amor, rezem por aqueles que não sabem amar, por aqueles que não os amam, por aqueles que os fizeram mal, por aqueles que não conheceram o Amor de Meu Filho. Filhos Meus, os peço isto para que lembrem que rezar significa amar e perdoar. Obrigada !”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

“Emparedados vivos” num anexo lacrado de uma igreja em Roma

Salvos pelos Céus: sete meses confinados na abóbada de uma igreja escondidos dos nazistas.


“Emparedados vivos”, diz a inscrição sobre uma das paredes da igreja, com uma data: 3 de novembro de 1943. Neste dia iniciava-se a aventura de um grupo de homens – judeus, desertores e outros procurados pelo regime nazista – em fuga das forças alemãs que então ocupavam Roma. Uma história que permaneceu esquecida por mais de 40 anos até ser revelada por pr. Ezio Marcelli, sacerdote da comunidade redentorista e testemunha ocular dos acontecimentos que se seguiriam. Após o armistício firmado em 8 de setembro, Roma vivia um momento muito difícil: sequer as igrejas e conventos eram poupados das incursões nazistas. A situação tornara-se demasiado arriscada mesmo para os padres redentoristas, que vinham abrigando secretamente judeus e outros refugiados nos anexos da igreja de São Joaquim em Prati. No livro de registros da comunidade pode-se ler, numa anotação datada de 24 de outubro de 1943: “toda a comunidade está hoje reunida para decidir acerca de assuntos muito delicados”. Tratava-se de definir o destino dos “hóspedes”. Após a deliberação, decidem oficialmente por “dispensá-los”, mas a história tomaria um rumo diferente. 

Nos conta o padre Ezio: “Pietro Lastini, engenheiro assistente da comunidade, tomou a dianteira e disse ao grupo: aqueles que desejam permanecer conosco devem seguir-me até o cômodo que vou indicar”. Todos concordaram de imediato. Mas o tal “cômodo” era, na verdade, nada mais que uma área interna ao forro da abóboda da igreja, transformada em esconderijo improvisado; ali, aqueles jovens – o mais velho do grupo tinha 35 anos – concordavam em aceitar o isolamento, confinados pela espessa parede de tijolos então erguida para escondê-los; e ao assentar-se o último tijolo, o mais jovem do grupo, e que não passava de um adolescente, desmaiou ao entender que estaria separado do mundo por um tempo que ninguém poderia prever. Apenas três sacerdotes foram informados da operação, recebendo a incumbência de dar toda a assistência necessária aos foragidos e manter o mais absoluto sigilo; entre estes estava seu superior, padre Antonio Dressino. Outra protagonista a desempenhar um papel de indiscutível importância seria a irmã Margherita Bérnes, das Filhas da Caridade, cujo convento situava-se de fronte à igreja, e que ficou responsável por cozinhar diariamente para os refugiados – cujo número chegaria à casa dos trinta, e entre os quais ao menos três pessoas de ascendência judaica constam nos registros: os irmãos Finzi e Leopoldo Moscati.



E assim se passaram sete meses, até o dia 7 de junho de 1944. Neste período, a única via de comunicação com o mundo exterior era pela janela da abóboda, pela qual passava-se a comida e, quando necessário, uma ou outra pessoa – alguém com problemas de saúde ou outra emergência qualquer. “Na noite de Natal de 1943” – conta o padre Ezio – “por ali subiu ao sótão um sacerdote, para celebrar a missa entre os refugiados. Foi uma noite inesquecível”. No sótão se vivia em silêncio, principalmente durante a noite, quando a igreja estava fechada, de modo a não levantar suspeitas. O trânsito pela janela da abóboda era especialmente difícil nas noites enluaradas, quando os cuidados para que ninguém fosse visto tinham que ser redobrados.

Naquele sótão, a vida estava confinada ao tablado de madeira que margeava o forro – uma faixa com menos de dois metros de largura – porque não se podia pisar na área central – o forro não suportaria o peso. Mas mesmo assim, os refugiados não se deixavam abater; tratavam de ocupar o tempo conforme era possível. E assim, em 4 de novembro deram início a um campeonato de baralho, e no dia seguinte implementavam um serviço postal. Logo passaram a receber alguns jornais, jogos de tabuleiro, palavras cruzadas. A companhia era muito variada; gente de diferentes idades, origens e convicções políticas. Alguns de seus rostos foram imortalizados nos desenhos feitos nas paredes feitos por Luigi De Simoni, um dos abrigados. Num desses desenhos, o sub-tenente Franco Papini é retratado contando sua história à luz de velas. Era Papini quem mantinha um diário pessoal no qual narrava as dificuldades daqueles dias, e onde hoje podemos encontrar algumas informações preciosas. O “Coronel” – na verdade sub-tenente de infantaria – Clemente Gonfalone, parecia ser o mais assustado. Seguia recitando o rosário e fazendo orações todo o tempo, prometendo tornar-se padre caso conseguisse escapar com vida – promessa que mais tarde viria a honrar. Carlo Prosperi, apelidado de “Porchetta”, foi o protagonista de uma cena memorável no dia de Natal, em que fez o papel de uma enfermeira numa peça encenada pelo grupo. “Mas o mais importante de tudo” – lembra o padre Ezio – “foi a profunda comunhão que se estabeleceu entre aquelas pessoas. Naquele sótão constitui-se uma comunidade de afeto e ação”.

A paróquia de São Joaquim em Prati foi recentemente reconhecida pela Fundação Internacional Raoul Wallenberg (http://www.raoulwallenberg.net) como “Casa de Vida”. A cerimônia de entrega da condecoração deve ocorrer em breve.

VEJA O VÍDEO:



Segunda, 04/07/2016 - Marinella Bandini / Aleteia Team
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...