Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/12/2017

“Queridos filhos, Me dirijo a vocês como sua Mãe, a Mãe dos justos, a Mãe daqueles que amam e sofrem, a Mãe dos santos.

Filhos Meus, também vocês podem ser santos: depende de vocês. Santos são aqueles que amam imensamente o Pai Celestial, aqueles que O amam acima de tudo.

Por isso, filhos Meus, procurem ser sempre melhores. Se procuraram ser bons, podem ser santos, também se não pensam isto de vocês. Se vocês pensam ser bons, não são humildes e a soberba os distancia da santidade.

Neste mundo inquieto, cheio de ameaças, as suas mãos, apóstolos do Meu amor, devem estar estendidas em oração e em misericórdia. Para mim, filhos Meus, presenteiem o Rosário, as rosas que tanto amo!

As Minhas rosas são as suas orações feitas com o coração e não somente recitadas com os lábios. As minhas rosas são as suas obras de oração, de fé e de amor.

Quando era pequeno, Meu Filho me dizia que os Meus filhos seriam numerosos e que me trariam muitas rosas.

Eu não compreendia, agora sei que vocês são aqueles filhos, que trazem rosas quando amam o Meu Filho acima de tudo, quando rezam com o coração, que ajudam os mais pobres. Estas são as Minhas rosas!

Esta é a fé, que faz que tudo na vida se faça por amor; que não conhece a soberba; que perdoa sempre prontamente, sem nunca julgar e procurando sempre compreender o próprio irmão.

Por isso, apóstolos do Meu amor, rezem por aqueles que não sabem amar, por aqueles que não os amam, por aqueles que os fizeram mal, por aqueles que não conheceram o Amor de Meu Filho. Filhos Meus, os peço isto para que lembrem que rezar significa amar e perdoar. Obrigada !”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

O pai, o filho e o jeito de Deus de atender os nossos pedidos

O famoso caso da flor e da borboleta.


Um dos nossos leitores compartilhou conosco o seguinte conto, sobre um pai e um filho que souberam ensinar um ao outro como é o jeito de Deus de atender os nossos pedidos:

Certa vez, em sua oração antes de dormir, o pequeno Joãozinho pediu a Deus uma flor e uma borboleta. Ele as queria para dar de presente à mãe, que era apaixonada por jardins.

O pai do menino ouviu-o rezando e resolveu dar uma mãozinha a Deus. No dia seguinte, ele disse ao filho que Deus tinha atendido a sua prece e que o pedido tinha sido entregue nos fundos do quintal.

Joãozinho correu entusiasmado, mas ficou frustrado ao encontrar um cacto e uma lagarta.

Triste, ele achou que o pedido tinha sido trocado, devido a algum engano dos anjos entregadores.

O pai conversou com o filho para não o deixar desanimar-se: “Bom, filho, Ele deve ter tanta gente para atender… Mas vamos esperar, porque Ele sempre sabe a hora certa de atender os nossos pedidos!”.

Passados alguns dias, o pai lembrou Joãozinho do assunto. O menino, com a curiosidade despertada, foi verificar como estavam aqueles dois estranhos presentes, que tinham ficado esquecidos num canto do quintal.

E qual não foi a sua surpresa ao ver que, daquele cacto espinhoso e feio, havia nascido a mais bela de todas as flores que ele já tinha visto na vida! E a lagarta, antes repugnante, agora estava transformada em uma linda borboleta azul!

Foi só depois de vários anos que, num almoço em família, o pai de João lhe contou que tinha sido ele o realizador do pedido.

E o jovem João respondeu: “Eu sei, papai. Eu vi você me ouvindo rezar e percebi que foi você quem comprou o cacto e a lagarta. Eu só não entendi o motivo naquela época. Só mais tarde é que percebi o que você pretendia que eu aprendesse”.

O pai completou: “Pois é, meu filho… Eu queria que você aprendesse que é assim que Deus atende os nossos pedidos: de um jeito que nem sempre entendemos logo de cara. Mas que, por trás de coisas e acontecimentos tantas vezes estranhos, Ele está nos dando exatamente aquilo de que precisamos”.

João foi além: “Sim, essa foi a primeira parte da lição”.

O pai arregalou os olhos: “E tem outra parte?”.

“É claro que tem, papai! E é a parte mais importante: Deus não apenas atende os nossos pedidos de um jeito que nem sempre entendemos logo de cara, mas também os atende sempre por intermédio de outras pessoas! Ele só precisa que as pessoas saibam e queiram prestar-se a ajudá-lo, do jeito que você fez. Obrigado, meu velho!”.


Domingo, 19/06/2016 - Aleteia Team
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...