Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/12/2017

“Queridos filhos, Me dirijo a vocês como sua Mãe, a Mãe dos justos, a Mãe daqueles que amam e sofrem, a Mãe dos santos.

Filhos Meus, também vocês podem ser santos: depende de vocês. Santos são aqueles que amam imensamente o Pai Celestial, aqueles que O amam acima de tudo.

Por isso, filhos Meus, procurem ser sempre melhores. Se procuraram ser bons, podem ser santos, também se não pensam isto de vocês. Se vocês pensam ser bons, não são humildes e a soberba os distancia da santidade.

Neste mundo inquieto, cheio de ameaças, as suas mãos, apóstolos do Meu amor, devem estar estendidas em oração e em misericórdia. Para mim, filhos Meus, presenteiem o Rosário, as rosas que tanto amo!

As Minhas rosas são as suas orações feitas com o coração e não somente recitadas com os lábios. As minhas rosas são as suas obras de oração, de fé e de amor.

Quando era pequeno, Meu Filho me dizia que os Meus filhos seriam numerosos e que me trariam muitas rosas.

Eu não compreendia, agora sei que vocês são aqueles filhos, que trazem rosas quando amam o Meu Filho acima de tudo, quando rezam com o coração, que ajudam os mais pobres. Estas são as Minhas rosas!

Esta é a fé, que faz que tudo na vida se faça por amor; que não conhece a soberba; que perdoa sempre prontamente, sem nunca julgar e procurando sempre compreender o próprio irmão.

Por isso, apóstolos do Meu amor, rezem por aqueles que não sabem amar, por aqueles que não os amam, por aqueles que os fizeram mal, por aqueles que não conheceram o Amor de Meu Filho. Filhos Meus, os peço isto para que lembrem que rezar significa amar e perdoar. Obrigada !”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Como posso amar um pai que nunca me amou?

Anote isso no seu coração: "Nunca é tarde!"


Estávamos no enterro do meu avô. Meu pai olhava com tristeza e carinho para o caixão. E foi nesse momento que ele começou a me contar, com voz baixa, sua história:

Durante minha infância, juventude e boa parte da vida adulta, nunca conheci meu pai suficientemente nem confiei nele. Ele era um homem duro que não manifestava carinho aos seus filhos nem à minha mãe. Ainda muito jovem, fui embora de casa; evitei meu pai durante anos, pois ele me remetia a ressentimentos que eu desejava verdadeiramente superar.

Meu pai era para mim uma referência de medo, temperamento irracional e autoridade tirânica, que sempre exigiu de mim obediência forçada como a de um escravo, e não a obediência livre que nasce do amor de um filho. Demorei muitos anos para superar isso, contando especialmente com a ajuda da sua mãe.

Finalmente, decidi perdoá-lo, como um importante degrau em minha superação espiritual e psicológica. E foi a partir desta decisão que eu me surpreendi recordando vivências através das quais pude ver os traços de bondade que existiam nele. Senti muita paz quando percebi que honrar é uma forma de amar.

O tempo passou, minha mãe faleceu, meu pai foi se debilitando e eu decidi levá-lo para minha casa e cuidar dele. Saíamos para passear todas as tardes, conversávamos sobre temas cotidianos, sem nenhuma referência à nossa complicada relação do passado. Certa vez, ele encontrou um dos seus amigos e me apresentou sem disfarçar com seu orgulho.

Em um ambiente de amor, seu avô foi mudando pouco a pouco, e esta é a parte da história que você viveu, vendo-o como avô nobre e bondoso. Ele aprendeu que “amor com amor se paga”, e percebi que ele se esforçou bastante nesta tarefa. Isso curou minhas antigas feridas.

Um dia, com muita dificuldade, com voz quebrantada e frases curtas, ele me contou da sua vida, da dureza na qual havia crescido, de como havia repetido comportamentos errôneos e de qual arrependido estava. Compreendi que esse era o seu jeito de pedir perdão. Pouco tempo depois, ele faleceu.

Meu pai ficou em silêncio enquanto seu olhar percorria o caixão, até fixar-se no crucifixo que estava na parede, e se recolheu em oração.

Meu pai foi capaz de dar o que não havia recebido.

Abracei-o com amor e gratidão.


Domingo, 26/06/2016 - Orfa Astorga / Aleteia
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...