Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/09/2017

Queridos filhos !

Quem melhor do que EU poderia falar para vocês do Amor e da existência do MEU FILHO ?

Vivi com ELE, EU sofri com ele, vivendo a vida terrena, EU provei da dor porque era MÃE.

MEU FILHO amou com pensamentos e obras o PAI CELESTIAL, o DEUS VERDADEIRO, e como ME dizia veio para redimi-los. EU escondi a minha dor com o amor. Vocês, filhos MEUS, tem numerosas perguntas, não compreendem a dor, não compreendem que através do Amor de Deus devem aceitar a dor e suportá-la. Todas as pessoas provam-na em maior ou menor medida, mas com a paz na alma e em estado de graça a esperança existe.

Este é o MEU FILHO, DEUS, nascido de DEUS. As SUAS PALAVRAS são sementes de Vida Eterna e semeadas nas boas almas produzem muitos frutos.

MEU FILHO suportou a dor porque tomou para si os pecados de vocês.

Por isso vocês, filhos MEUS, Apóstolos do MEU Amor, vocês que sofrem, saibam que as suas dores se tornarão luz e glória.

Filhos MEUS, enquanto vocês suportam a dor o CÉU entra em vocês, e em todos em torno de vocês é dado um pouco de Céu e muita esperança !

Obrigada !

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

NOTA DE REPUDIO

A diretoria do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do DF divulgou nesta segunda-feira, 25/1, nota de repúdio à atuação das polícias Civil e Militar em caso envolvendo uma jornalista em um bloco de carnaval nesse domingo, 24/1.

A diretoria do SJPDF oficiou os órgãos de segurança do Governo do Distrito Federal cobrando esclarecimentos, providências, responsabilização no caso das ilegalidades e abusos e reunião para tratar da abordagem das forças de repressão em situações envolvendo jornalistas.

Veja a íntegra da nota:

Sindicato repudia atitude arbitrária da polícia contra jornalista nesse domingo

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do DF vem por meio desta repudiar a ação das polícias militar e civil do Distrito Federal nesse domingo no caso da jornalista Caroline Leal, que acompanhava um bloco de carnaval na 201 Norte. A profissional registrou uma abordagem e foi constrangida a ir para a delegacia como testemunha e a entregar seu celular "para perícia" em razão dos vídeos feitos.

Na delegacia, os policiais que fizeram a interlocução com a jornalista mantiveram-na de forma obrigatória no local, não se identificaram, fizeram ameaças de prendê-la por desacato, impediram que fizesse uso do celular para solicitar assistência, pressionaram-na pela sua condição profissional, mentiram para órgãos de imprensa negando que houvesse repórter no local, constrangeram-na em diversos momentos e só a liberaram após o início de questionamentos de veículos de mídia. Na saída, ela foi constrangida mais uma vez enquanto esperava transporte para ir embora, sendo expulsa da delegacia.

O SJPDF repudia a ação dos policiais envolvidos e cobra providências da corporação e da Secretaria de Segurança Pública. Em primeiro lugar, a atitude configura um atentando ao direito do cidadão de registrar o que se passa em espaço público, e, especialmente no caso da imprensa, configura um atentado ao exercício profissional, mesmo que não em momento formal de trabalho. Em segundo lugar, o tratamento arbitrário pelo fato da moça ser jornalista é um absurdo pois revela uma postura de criminalizar o trabalho daquelas pessoas que têm como dever levar informação à sociedade sobre qualquer situação de interesse público, seja quem for.

Em terceiro lugar, os diversos constrangimentos sofridos evidenciam total despreparo para respeitar a legislação e os procedimentos básicos de tratamento de cidadãos. Por último, o ato de mentir a órgãos de imprensa é gravíssimo.

Todas essas situações ensejam resposta imediata e enérgica da corporação e da Secretaria responsável pela segurança. O SJPDF já vem cobrando há anos que a Polícia e a SSP dêem resposta a casos de abuso de policiais no tratamento, sem qualquer resposta concreta até o presente momento. A Secretaria deve dar resposta a esse caso e realizar iniciativas concretas para impedir novos casos como este a partir de um diálogo com a categoria e com a sua entidade representativa.

Dias depois da divulgação do relatório de violência contra jornalistas no Brasil que revelou aumento dos casos, o Governo do Distrito Federal não pode ser um violador de direitos do cidadão nem de jornalistas.

Brasília, 25 de janeiro de 2016



Fonte: Diretoria do Sindicato dos Jornalistas do DF


Rogério França


Segunda, 25/01/2016 - Postado por: Paulo Alves
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...