Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/09/2017

Queridos filhos !

Quem melhor do que EU poderia falar para vocês do Amor e da existência do MEU FILHO ?

Vivi com ELE, EU sofri com ele, vivendo a vida terrena, EU provei da dor porque era MÃE.

MEU FILHO amou com pensamentos e obras o PAI CELESTIAL, o DEUS VERDADEIRO, e como ME dizia veio para redimi-los. EU escondi a minha dor com o amor. Vocês, filhos MEUS, tem numerosas perguntas, não compreendem a dor, não compreendem que através do Amor de Deus devem aceitar a dor e suportá-la. Todas as pessoas provam-na em maior ou menor medida, mas com a paz na alma e em estado de graça a esperança existe.

Este é o MEU FILHO, DEUS, nascido de DEUS. As SUAS PALAVRAS são sementes de Vida Eterna e semeadas nas boas almas produzem muitos frutos.

MEU FILHO suportou a dor porque tomou para si os pecados de vocês.

Por isso vocês, filhos MEUS, Apóstolos do MEU Amor, vocês que sofrem, saibam que as suas dores se tornarão luz e glória.

Filhos MEUS, enquanto vocês suportam a dor o CÉU entra em vocês, e em todos em torno de vocês é dado um pouco de Céu e muita esperança !

Obrigada !

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Que tal um pouco mais de humor na oração?

Santa Teresa de Ávila um dia declarou a Deus: "Do jeito que tratas os teus amigos, Senhor, eu bem entendo que não tenhas muitos".


É bom não levar-se muito a sério quando você se recolhe durante longos minutos em silêncio, em atenção amorosa a Deus. Ele está aí, você está aí, mesmo que não sinta nada. Deus vê mais a nossa intenção do que a nossa atenção, que costuma ser bem deficiente… O básico da oração é isso: estar. 

É a presença. É estar com Deus. Mesmo distraído. A atenção vai sendo conquistada aos poucos, à medida que vamos deixando o contato com Ele ficar mais natural, espontâneo, autêntico. Não é preciso muita formalidade. Afinal, Ele é nosso Pai!

Estar

Certo dia, o Cura d’Ars tinha terminado a sua hora de oração na igreja com a sensação de que Deus estava longe. Ele sentiu uma grande secura interior, como acontece muitas vezes com quem persevera nesse coração a coração com Jesus. O bom padre se levantou, olhou para o crucifixo e disse com bom humor: “Bom, Senhor, eu estava aqui”.

Certamente o Senhor está sempre aqui, mas pode nos parecer distante, silencioso… Nós podemos gentilmente repreendê-lo como o salmista, que pergunta ao Senhor se Ele o esqueceu e quanto tempo vai lhe esconder Seu rosto (cf. Sl 12). Aliás, isso levou Santa Teresa de Ávila a declarar a Deus: “Do jeito que tratas os teus amigos, Senhor, eu bem entendo que não tenhas muitos”.

A Madre Teresa de Calcutá viveu durante 50 anos o sentimento angustiante da ausência de Deus. Por trás do seu sorriso maravilhoso, escondia-se uma noite da fé bem conhecida pela sua padroeira, Santa Teresa de Lisieux. A Madre Teresa se agarrou à pura fé, lutando contra o tormento de que Deus não era Deus, de que Deus não existia. Isso não lhe tirou o humor e a alegria, frutos das suas horas de adoração que lhe saciavam a sede de Jesus.

Humildade e humor

Os santos vivem um relacionamento com Deus que envolve o humor. “Um santo triste é um triste santo”, diz um provérbio. O santo tem a arte de não se levar demasiado a sério, porque ele se desamarra de si mesmo. Pense na alegria de São Francisco de Assis, de Santa Bernadette Soubirous, de São João XXIII. Será que o bom humor não é uma forma de santidade semelhante à humildade de deixar-se levar por Cristo?


Quarta, 16/12/2015 - Aleteia / Postado por: Paulo Alves
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...