Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/11/2017

“Queridos filhos, olhando vocês em torno de Mim, em torno da sua Mãe, Eu estou vendo muitas almas puras, vejo muitos dos Meus filhos que estão procurando amor e consolação, mas ninguém está oferecendo isso a eles.

Também vejo aqueles que fazem o mal, porque não têm bons exemplos, não conheceram Meu Filho, aquele bem que é silencioso, que se difunde através das almas puras, que é a força que reforça o mundo.

Existem muitos pecados, mas também muito amor. o Meu Filho Me envia, como Mãe, a mesma igual para todos, para que Eu vos ensine o Amor, para que vocês compreendam que são irmãos.

Ele deseja vos ajudar. Apóstolos do Meu Amor, é suficiente o desejo vivo da fé e do Amor, o Meu Filho o aceitará.

Mas vocês têm que ser dignos, ter boa vontade e um coração aberto. O Meu Filho entra nos corações abertos. Eu, como Mãe, desejo que vocês conheçam o melhor possível o Meu Filho, Deus, nascido de Deus, para que vocês conheçam a grandeza do Seu Amor, o qual vocês tanto precisam.

Ele aceitou os seus pecados, conseguiu a Redenção para vocês, mas em troca procura que vocês amem-se uns aos outros. O Meu Filho é Amor. Ele ama todo ser humano, sem diferença, todas as pessoas de todos os povos e nações.

Se vocês, Meus Filhos, vivessem o Amor do Meu Filho, o Seu Reinado já estaria na Terra. Por isso, Apóstolos do Meu Amor, rezem, rezem para que o Meu Filho e Seu Amor estejam mais próximos de vocês, para que vocês sejam exemplos de Amor e possam ajudar àqueles que ainda não conhecem o Meu Filho.

Nunca esqueçam que o Meu Filho, Uno e Trino, Ama. Amem e rezem pelos seus sacerdotes. Obrigada.”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Maria e as alegrias cotidianas

De onde Maria tirava as suas alegrias, nessa sequência de dias quase sempre iguais ao longo de quase trinta anos? Descubra seu segredo e confira dicas práticas para imitá-la.


Quando São Lucas começa a narrar a vida pública de Cristo diz que, ao iniciar o seu ministério Jesus tinha cerca de trinta anos (Lc 3, 23).

Trinta anos! Quando Jesus começou a atrair as multidões com a sua palavra e os seus sinais milagrosos , os que o haviam conhecido antes ficavam assombrados: Não é ele o carpinteiro, o filho de Maria? (Mc 6, 3); não é ele o filho do carpinteiro? (Mt 13, 55).

Você percebe o que isso significa? Durante pelo menos trinta anos, a vida de Jesus teve – com exceção de uns meses de exílio no Egito – a normalidade da vida diária de relacionamento familiar e de trabalho própria de um lar modesto. Vê-se que José, ao iniciar-se a vida pública, já tinha falecido, porque só é mencionado indiretamente, ao passo que a mãe é designada como pessoa conhecida, Maria.

Dirijamos agora o nosso olhar para a Virgem Mãe. Passados os acontecimentos extraordinários dos primeiros dois anos depois da Anunciação (cf. Lc,1, 39 a 2, 52), a vida dela entra na “rotina” de mãe de uma pequena família em Nazaré (Mt 2, 23). Maria, juntamente com Jesus e José, vê transcorrer os dias com a aparente monotonia de um calendário e um relógio que nunca marcam eventos extraordinários (se excetuarmos apenas dois dias e pouco de agonia, quando Jesus, aos doze anos de idade, ficou no Templo).

De onde tirava Maria as suas alegrias, nessa sequência de dias quase sempre iguais ao longo de quase trinta anos? Da mesma fonte de onde tirava todas as outras alegrias: do amor!

Vale a pena meditar nisto, porque é frequentíssimo que hoje as pessoas, alucinadas atrás de alegrias de fantasia, fora do comum, percam pelo ralo do tempo as verdadeiras alegrias do dia a dia.

A “rotina” dos dias

A rotina dos dias pode ser, para qualquer um, uma colheita de cinzas ou de ouro. Depende de nós. Para Maria, cada dia era uma arrecadação do ouro fino, um tesouro de gozo que, ao adormecer, lhe deixava um sorriso estampado nos lábios.

Não custa nada pensar nas pequenas alegrias cotidianas de Nossa Senhora: o convívio amável com Jesus e José, o cuidado do seu Menino, o encantamento com o filho que crescia em sabedoria, estatura e graça diante de Deus e dos homens  (Lc 2, 52); as conversas íntimas no final do dia, o riso cristalino das brincadeiras puras; e as canções que animavam o trabalho: e a procura da água no poço, o fabrico doméstico do pão, o preparo de alimentos no fogão de chão, a tarefa de fiar, de tecer e costurar … Com que carinho Maria deve ter tecido a túnica sem costura, que os soldados sortearam ao pé do filho crucificado! (Jo 19, 23-24).

A rotina dos dias era para ela, como para nós, é «um tecido de pequenas insignificâncias que, conforme a intenção com que se fazem, podem formar uma tapeçaria esplêndida de heroísmo ou de baixeza, de virtudes ou de pecados» (Caminho, n. 826).

A “rotina” de Maria só tinha uma intenção: o amor. Era, assim, uma tapeçaria de virtudes. Como dizia O Card. Luciani, poucos dias antes de se tornar o Papa João Paulo I, num artigo sobre os ensinamentos de Mons. Escrivá, a “tragédia cotidiana” (quase diária nas rusgas, brigas e discussões de tantos lares) pode ser transformada pelo amor no “sorriso cotidiano”.

Com seu exemplo, Maria nos diz: «Na simplicidade do teu trabalho habitual, nos detalhes monótonos de cada dia, tens que descobrir o segredo – para tantos escondido – da grandeza e da novidade: o Amor» (Sulco, n. 489).

Aprender com a Virgem as alegrias cotidianas

O amor ao dever

Um adolescente imaturo dizia: “O dever… são todas aquelas obrigações chatas que a gente detesta fazer”.

Maria nos diria exatamente o contrário: “O dever é a Vontade de Deus, que eu escuto em cada momento, e que me pede responder-lhe de novo: Eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra. Cada detalhe do dever é como um anjo Gabriel, que diz que Deus me espera ali, e isso me enche de alegria”.

São Josemaria fazia sobre isso um belo comentário: «É isso o que explica a vida de Maria: o seu amor. Um amor levado até ao extremo, até ao esquecimento completo de si mesma, feliz de estar onde Deus a quer, cumprindo com esmero a Vontade divina. Isso é o que faz com que o menor de seus gestos não seja nunca banal, mas cheio de conteúdo» (É Cristo que passa, n. 148).

Assim, o dever, em vez de ser uma obrigação enfadonha, é um cântico da alma que vive de amor.

Alegria de caprichar no dever

O poeta francês Charles Péguy dizia: «A minha mãe (uma camponesa simples)
empalhava o vime das cadeiras com o mesmo amor e o mesmo entusiasmo com que os nossos antepassados construíam as catedrais – “du même amour e du même coeur”».

Lembrávamos antes o capricho com que Maria teceu, de uma só peça, a túnica inconsútil de Jesus. É o exemplo de uma atitude constante nela, pois ela tudo fazia – por amor a Deus, a Jesus e a José – com o mesmo carinho e idêntico capricho, cuidando dos mínimos pormenores.

Penso que a Madre Teresa de Calcutá era como um eco do coração de Nossa Senhora, quando escreveu ao arcebispo vietnamita F. Xavier Van Thuân, assim que ele foi libertado do cárcere, após 13 anos de cativeiro: «O que conta não é a quantidade das nossas ações, mas a intensidade do amor que colocamos em cada uma delas».

D. Van Thuân, citou essas palavras no retiro que pregou ao Papa João Paulo II em março de 2000,  e comentou: «Cada palavra, cada gesto, cada decisão, tem que ser o momento mais belo da nossa vida. É preciso amar… sem perder um único segundo».

A alegria de contemplar

Já imaginou a felicidade com que Maria deve ter contemplado seu filho Jesus nas palhas do presépio, adormecido em seu colo, e depois, no lar de Nazaré, enquanto engatinhava, dava passos incertos e se atirava aos braços protetores dela? E ao observá-lo se esmerando como aprendiz de José, trabalhando com arte a madeira…; em todos os momentos.

Ela vivia de olhos e coração postos, com inefável felicidade, naquele que os profetas chamaram o mais belo dos filhos dos homens (Sl 45,3).

Como nos faz falta pedir-lhe: “Mãe, ensina-nos a contemplar! Porque hoje o mundo parece ter perdido essa capacidade: pouco meditamos na intimidade, no silêncio orante do coração (cf. Lc 2, 19)… Parece que perdemos a capacidade de nos concentrarmos na contemplação agradecida das coisas belas, das palavras de Deus e dos dons que ele nos dá…

Até a religiosidade, para alguns, tende a manifestar-se apenas como agitação, barulho, algazarra, balbúrdia teatral…  Como precisaríamos aprender a contemplar, na paz de uma igreja, nuns dias de retiro em silêncio, ou sozinhos em casa (Mt 6, 6) – com os olhos e a imaginação cheios de fé –, as cenas da vida de Jesus (o Evangelho, a Via Sacra…); e as passagens da vida de Maria (os mistérios do Rosário), com o coração aberto à intimidade divina, para ver, escutar, orar, amar…

A alegria do “sacrifício escondido e silencioso”

Essa expressão de São Josemaria – «sacrifício escondido e silencioso» – define bem uma atitude fundamental da vida de Maria Santíssima.

Comentava esse santo a cena evangélica da mulher do povo que louvou a mãe de Jesus, e a resposta esclarecedora que Jesus lhe deu: Felizes, na verdade, os que escutam a palavra de Deus e a põem em prática (Lc 11, 27-28).

Essa frase – escrevia São Josemaria – «era o elogio de sua Mãe, do seu fiat…, que não se manifestou em ações aparatosas, mas no sacrifício escondido e silencioso de cada dia». E acrescentava que, ao meditarmos nisso, «compreendemos que o valor sobrenatural da nossa vida não depende de que se tornem realidade as grandes façanhas que às vezes forjamos com a imaginação, mas da aceitação fiel da vontade divina, de uma disposição generosa em face dos pequenos sacrifícios diários» (É Cristo que passa, n. 172).

Você poderia imaginar Nossa Senhora reclamando dos pequenos sacrifícios diários? Das renúncias, dos imprevistos, das contrariedades, das canseiras? Ou cobrando dos outros agradecimento e retorno? É claro que não. Seu sacrifício era puro. Ela bem sabia o que Jesus nos ensinou: que as alegrias mais belas crescem sobre a “boa terra” da mortificação – da cruz –, sobre a doação praticada sem interesse, sobre a renúncia voluntária movida pelo amor.

E nós? Numa sociedade como a nossa, dominada pelos tentáculos do consumismo e do prazer, vai se perdendo a capacidade de saborear as pequenas alegrias cotidianas. Cada vez há menos pessoas que experimentem o que dizia Santo Agostinho: «Quando há amor, ou o sacrifício não custa, ou amamos o próprio sacrifício que custa». Neste mesmo sentido, São Josemaria observava: «Não reparaste que as almas mortificadas, pela sua simplicidade, até neste mundo saboreiam mais as coisas boas?» (Sulco, n. 982).

Maria nos ensina a maravilha das pequenas alegrias cotidianas, dessas que estão ao alcance de todos, mas que a nossa vida agitada torna invisíveis. Talvez já as tenhamos vivido na infância, talvez já sentimos certa nostalgia das que não experimentamos, ao “vê-las” nos bons romances de tempos passados ou nas lembranças que os avós nos contam… São tesouros que o ritmo frenético da vida atual quer nos roubar, e que é preciso resgatar.

A alegria de dar alegrias

Vamos fazer agora uma reflexão simples sobre o episódio das Bodas de Caná (Jo2, 1-11).
Era um casamento rural. Muita festa e muita gente. Muitos parentes, amigos e vizinhos convidados.  A mãe de Jesus estava lá. Também Jesus e seus discípulos foram convidados.

Avançada a celebração, Nossa Senhora sussurra ao ouvido de Jesus: Eles não têm vinho.  Só ela, entre a multidão, tinha percebido que a família dos noivos calculara mal as bebidas, e podiam ter um vexame. Jesus respondeu-lhe: Mulher, que temos nós com isso? A minha hora ainda não chegou. Ela não insiste, mas não desanima. Conhece o filho! Por isso avisa os que serviam: Fazei tudo o que ele vos disser.

Pouco depois Jesus chama esses serventes: “Enchei as talhas de água” (eram seis recipientes de pedra, muito grandes). Eles as encheram até a borda. Então disse: “Agora tirai e levai ao encarregado da festa”. Assombro! O mestre-sala fica pasmado com a qualidade daquele vinho e censura o noivo: “Todo o mundo serve primeiro o vinho bom… Tu guardaste o vinho bom até agora!”

Este foi o primeiro milagre de Jesus, frisa o Evangelho. Não parece um pouco estranho? Nós acharíamos lógico que o primeiro milagre tivesse sido a cura de uma cegueira, a ressurreição de um morto, uma tempestade acalmada… Não. Por solicitação da Mãe, Deus feito Homem inicia os milagres com um detalhe “doméstico”: dar alegria a uns noivos, não permitir que um descuido prejudique a festa.

Penso que nessa atitude de Cristo há três ensinamentos:

─ Primeiro: as pequenas alegrias da vida simples têm muita importância aos olhos de Deus. Tomara que a tenham aos nossos olhos.

─ Segundo: Jesus quer ajudar-nos a compreender que as almas que, como Maria,  sabem “garimpar” alegria dos deveres cotidianos vivem contentes, e sentem o impulso de transmitir alegria aos demais.

─ Terceiro: com esse milagre Cristo quer deixar patente o poder de intercessão de Nossa Senhora junto de seu Filho Jesus. Ele a escuta sempre.

Agora, você, leitor, medite nisso tudo e tire as suas consequências.


Sexta, 04/12/2015 - Aleteia, Pe. Faus / Postado por: Paulo Alves
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...