Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/09/2017

Queridos filhos !

Quem melhor do que EU poderia falar para vocês do Amor e da existência do MEU FILHO ?

Vivi com ELE, EU sofri com ele, vivendo a vida terrena, EU provei da dor porque era MÃE.

MEU FILHO amou com pensamentos e obras o PAI CELESTIAL, o DEUS VERDADEIRO, e como ME dizia veio para redimi-los. EU escondi a minha dor com o amor. Vocês, filhos MEUS, tem numerosas perguntas, não compreendem a dor, não compreendem que através do Amor de Deus devem aceitar a dor e suportá-la. Todas as pessoas provam-na em maior ou menor medida, mas com a paz na alma e em estado de graça a esperança existe.

Este é o MEU FILHO, DEUS, nascido de DEUS. As SUAS PALAVRAS são sementes de Vida Eterna e semeadas nas boas almas produzem muitos frutos.

MEU FILHO suportou a dor porque tomou para si os pecados de vocês.

Por isso vocês, filhos MEUS, Apóstolos do MEU Amor, vocês que sofrem, saibam que as suas dores se tornarão luz e glória.

Filhos MEUS, enquanto vocês suportam a dor o CÉU entra em vocês, e em todos em torno de vocês é dado um pouco de Céu e muita esperança !

Obrigada !

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

É recomendável (ou lícito) fazer promessas a Deus?

Conheça o que a Igreja Católica realmente ensina sobre este tema.


“Sou católico praticante (…). Tenho uma dúvida: é correto fazer promessas? Não consigo ver sentido nessa prática, prometer algo a Deus ou a um santo em troca de uma bênção, de um milagre isso não é querer comprar Deus? Gostaria que vocês me esclarecessem esta dúvida. Desde já obrigado!”

Em primeiro lugar, agradecemos pela confiança em nosso apostolado. Quanto à sua pergunta, sim, a Igreja aprova a prática das promessas ou votos feitos perante Deus, – mas, sem dúvida, existe muita confusão e muita dificuldade para se compreender o assunto. – O problema é que há muita ignorância quanto a esta matéria, e o fato de vivermos em um país de maioria ainda inculta piora muito a situação. Reproduzo abaixo o que diz o Catecismo da Igreja Católica sobre o assunto:

“2101. Em várias circunstâncias, o cristão é convidado a fazer promessas a Deus. O Batismo e a Confirmação, o Matrimônio e a Ordenação sempre as contêm. Por devoção pessoal, o cristão pode também prometer a Deus este ou aquele ato, oração, esmola, peregrinação etc. A fidelidade às promessas feitas a Deus é uma manifestação do respeito devido à Majestade divina e do amor para com o Deus fiel.

2102. “O voto, isto é, a promessa deliberada e livre de um bem possível e melhor feita a Deus, deve ser cumprido a título da virtude de religião.” O voto é um ato de devoção no qual o cristão se consagra a Deus ou lhe promete uma obra boa. Pelo cumprimento de seus votos, o homem dá a Deus o que lhe prometeu e consagrou. Os Atos dos Apóstolos nos mostram S. Paulo preocupado em cumprir os votos que fizera.

2103. A Igreja atribui um valor exemplar aos votos de praticar os conselhos evangélicos: A Mãe Igreja alegra-se ao encontrar em seu seio muitos homens e mulheres que seguem mais estreitamente o despojamento do Salvador e mais claramente o demonstram, aceitando a pobreza na liberdade dos filhos de Deus e renunciando às próprias vontades; submetem-se eles aos homens por causa de Deus, em matéria de perfeição, além da medida do preceito, para que mais plenamente se conformem a Cristo obediente. Em certos casos a Igreja pode, por motivos adequados, dispensar dos votos e das promessas.”

Desde os tempos do Antigo Testamento há o costume de se fazer votos a Deus, mas sempre houveram também sérias recomendações a esse respeito: “Mais vale não fazer voto, que prometer a não ser fiel à promessa” (Ecl 5,4), adverte-nos o Livro Sagrado, que mostra também como São Paulo Apóstolo quis se submeter às obrigações do voto do nazireato: “”Paulo permaneceu ali (em Corinto) ainda algum tempo. Depois se despediu dos irmãos e navegou para a Síria e com ele Priscila e Áquila. Antes, porém, cortara o cabelo em Cêncris, porque terminara um voto” (At 18,18).

“Oferece a Deus um sacrifício de louvor e cumpre teus votos para com o Altíssimo.”
(Sl 50,14)


É fundamental lembrar que as promessas não obrigam Deus a nos dar o que Ele não quer dar, pois sabe o que é melhor para cada um de nós (mesmo que não pareça e não possamos compreendê-lo em certos momentos), mas estas podem obter do Senhor, muitas vezes através da intercessão dos santos, graças de que necessitamos. Lembremo-nos de que Nosso Senhor Jesus Cristo nos mandou pedir, e pedir e com insistência. Mas não nos esqueçamos de que estes pedidos, segundo as exortações do Senhor, devem ter sempre como foco principal os bens espirituais e a salvação de nossas almas

Outro ponto essencial é saber muito bem que as promessas nada têm de “mágico” ou de mecânico, nem podem ser encaradas como uma espécie de barganha com Deus, pois não se destinam a “dobrar a Vontade do Senhor. Às vezes alguns fiéis prometem coisas que não podem cumprir, – seja por falta de condições físicas, psíquicas ou financeiras, – e depois amedrontam-se pelo castigo divino. Pior ainda é quando alguém faz uma promessa para que outro a cumpra, sem o seu consentimento. Os pais, por exemplo, não devem fazer promessas para os filhos cumprirem.

No fim, as melhores promessas que podemos fazer diante de Deus, – e que já fazemos em todas as Santas Missas e sempre que recebemos os Sacramentos, – são aquelas que o próprio Cristo nos ordena: a oração, o auxílio aos necessitados e o jejum (cf. Mt 6,1-18), que são reflexo das Virtudes teologais, que são as mais perfeitas virtudes que podemos ter e cultivar: fé, esperança e amor/caridade. Assim, a Santa Missa é o centro e o alimento por excelência da vida cristã. A esmola “encobre uma multidão de pecados” (cf. 1Pd 4,8; Tg 5,20; Pr 10,12); o jejum e a mortificação purificam e libertam das paixões o ser humano. O Salvador disse ainda que certos males só podem ser eliminados pelo jejum e pela oração (Mt 17,21).

Se a prática das promessas levar o cristão católico ao exercício dessas boas obras, então é salutar. Se de algum modo visarem o egoísmo e a vaidade, envolverem a crença de manipulação de energias espirituais ou ainda camuflarem sentimentos incompatíveis com a autêntica fé cristã, então são condenáveis. Aqui vale lembrar que as promessas ou votos católicos nada têm a ver com as “as ditas obrigações” de certos cultos afro-brasileiros, que visam o comércio e a manipulação de realidades invisíveis, mas são expressões do mais puro amor filial ao Deus Uno e Trino.

Esperando ter ajudado, rezamos a Deus por sua vida.


Sexta, 11/12/2015 - Aleteia, O fiel católico / Postado por: Paulo Alves
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...