Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/08/2018

“Queridos filhos,

Com amor materno os convido a abrirem os seus corações à paz, a abrirem os seus corações ao MEU FILHO, a cantar em seus corações o amor ao MEU FILHO, porque somente através deste amor chega a paz da alma.

Filhos MEUS, EU sei que vocês tem a bondade, sei que vocês tem o amor, o amor misericordioso. Mas, muitos dos MEUS filhos ainda tem os corações fechados, pensam que podem agir sem colocar os seus pensamentos ao PAI CELESTIAL que ilumina, diante do MEU FILHO que está sempre e novamente com vocês na EUCARISTIA e que deseja ouvi-los.

Filhos Meus, porque não falam para eles ? A vida de cada um de vocês é importante e preciosa porque é um dom do PAI CELESTIAL para a ETERNIDADE, por isso nunca se esqueçam de agradecê-LO e falar com ELE.

Eu sei, filhos MEUS, que para vocês é desconhecido aquilo que virá depois, porém quando chegar o “depois” de vocês, terão todas as respostas. O MEU amor materno deseja que vocês estejam prontos.

Filhos MEUS, com a vida de vocês coloquem sentimentos bons nos corações das pessoas que vocês encontrarem, sentimentos de paz, de bondade, de amor e de perdão. Através da oração escutem o que lhes diz o MEU FILHO e assim o façam.

Novamente os convido a rezarem pelos seus sacerdotes, por aqueles a quem o MEU FILHO chamou; lembrem-se que eles tem necessidade de orações e de amor.

Obrigada.”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Existe um fundamentalismo católico?

O professor italiano Massimo Introvigne, sociólogo, presidente do Centro de Estudos sobre Novas Religiões e delegado da OSCE para o combate à discriminação religiosa, publicou recentemente o ensaio “Fundamentalismo: das origens ao Estado Islâmico”. Ele aborda inicialmente, porém, o fundamentalismo em geral, o que abrange inclusive as manifestações fundamentalistas do cristianismo. Se nas igrejas regidas pelo dogma da “sola scriptura” (ou seja, as protestantes) há uma interpretação estrita e literal da Bíblia, no catolicismo há o risco de uma interpretação “fixista” da Tradição.

O blog conversou com Massimo a este respeito.

- O senhor pode explicar melhor esta questão?

Introvigne: Como o papa Francisco reiterou na missa de abertura do sínodo, a Tradição na Igreja é concebida como “viva”. Ela não é um código normativo fixo, um manual para confrontar comportamentos – incluindo os do próprio papa – e ver se eles são ortodoxos ou não. Não existe em nenhuma livraria um livro chamado “A Tradição” e que contenha toda a Tradição. Existe o “Catecismo da Igreja Católica”, é claro, mas o de São João Paulo II não é igual ao do Concílio de Trento. A Tradição é um depósito vivo e, para saber o que é a Tradição hoje, é preciso se voltar ao Magistério. O fundamentalismo católico, no entanto, pensa que a Tradição é um conjunto fechado de teses, com base nas quais se pode julgar também o papa de hoje e até declará-lo heterodoxo. 

Precisamente porque não existe nenhum livro chamado “A Tradição”, o fundamentalista constrói a tradição que ele mesmo prefere e se coloca no lugar do papa como a última instância para definir o que é a Tradição.

- Em geral, como o senhor definiria o fenômeno do fundamentalismo?

Introvigne: Eu acho que a metáfora do voo, usada por São João Paulo II no início da “Fides et Ratio”, é aceitável também para os sociólogos. Para voar, precisamos de duas asas, a fé e a razão. Se a asa da fé se hipertrofia e a fé engole a razão, o avião cai. É o fundamentalismo. Se a asa da razão se hipertrofia e engole a fé, temos o laicismo, e o avião cai do mesmo jeito.


- Hoje, também por causa da difusão das mídias sociais, acontecem ataques pesados contra ​ao Santo Padre, com tons que ultrapassam a mera discordância e chegam a acusá-lo até de compromisso com o mundo, de antipapa e não ser nem mesmo católico. São minorias barulhentas, são uma retaguarda “fixista”?

Introvigne: Eu diria que assistimos à manifestação aberta do fundamentalismo católico. Ele já existia antes e também criticava São João Paulo II (pensemos no encontro ecumênico de Assis) e Bento XVI. Mas avança mascarado, enquanto agora, com o papa Francisco, se manifesta abertamente. O Magistério nos diz tudo o que precisamos saber sobre o fundamentalismo: ele é uma perversão da religião e da fé. Ele também é tecnicamente subversivo, porque subverte a dinâmica, divinamente instituída, da autoridade da Igreja: tira a autoridade do papa com o pretexto de dar toda a autoridade à Tradição, representada no cabeça de turno desta ou daquela facção fundamentalista.

- Uma das características do fundamentalismo é o uso de violência física, muitas vezes impune, como infelizmente vemos em muitos países, a maioria na Ásia, mas não somente, e de maioria muçulmana (Paquistão, áreas dominadas pelo Estado Islâmico, Arábia Saudita, Irã), mas também nos lugares da preponderância hinduísta ou budista. Em princípio, essa violência é hoje muito menos forte no cristianismo e quase completamente ausente no catolicismo. Isto é uma simplificação ou corresponde a um valor real?

Introvigne: É um dado real. O catolicismo contém em si os anticorpos contra a violência. Você pode pensar em todos os males dos católicos fundamentalistas, mas não pode acusá-los ​​de violentos. Eles não são.

- Como sair do fundamentalismo? Há um modo em comum ou cada fé tem -"ou deveria ter" - a sua própria maneira de superá-lo?

Introvigne: O modo em comum foi indicado por São João Paulo II e foi dominante no Magistério de Bento XVI: nem separação, nem confusão, mas colaboração – na distinção – entre a fé e a razão. Cada religião, no entanto, tem a sua especificidade e precisa encontrar as formas de autocrítica e de superação do fundamentalismo.


Quinta, 15/10/2015 - Aleteia, Lucandrea Massaro / Postado por: Paulo Alves
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...