Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/09/2017

Queridos filhos !

Quem melhor do que EU poderia falar para vocês do Amor e da existência do MEU FILHO ?

Vivi com ELE, EU sofri com ele, vivendo a vida terrena, EU provei da dor porque era MÃE.

MEU FILHO amou com pensamentos e obras o PAI CELESTIAL, o DEUS VERDADEIRO, e como ME dizia veio para redimi-los. EU escondi a minha dor com o amor. Vocês, filhos MEUS, tem numerosas perguntas, não compreendem a dor, não compreendem que através do Amor de Deus devem aceitar a dor e suportá-la. Todas as pessoas provam-na em maior ou menor medida, mas com a paz na alma e em estado de graça a esperança existe.

Este é o MEU FILHO, DEUS, nascido de DEUS. As SUAS PALAVRAS são sementes de Vida Eterna e semeadas nas boas almas produzem muitos frutos.

MEU FILHO suportou a dor porque tomou para si os pecados de vocês.

Por isso vocês, filhos MEUS, Apóstolos do MEU Amor, vocês que sofrem, saibam que as suas dores se tornarão luz e glória.

Filhos MEUS, enquanto vocês suportam a dor o CÉU entra em vocês, e em todos em torno de vocês é dado um pouco de Céu e muita esperança !

Obrigada !

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Aprenda a rezar

Uma explicação clara, baseada na tradição da Igreja e na experiência dos santos. Vai perder?

Como fazer para rezar? Trata-se de uma dúvida comum. Os próprios discípulos de Nosso Senhor pediram que Ele lhes ensinasse como fazê-lo [1].

Importa, antes, ter em mente que crescer na vida de oração é crescer no amor. As pessoas, às vezes, acham que a oração consiste em não se sabe que espécie de elucubrações mentais ou intelectuais e acabam perdendo de foco o seu crescimento espiritual. Santa Teresa de Ávila diz, em seu livro Castelo Interior, que o que faz subir às moradas superiores é o amor: “Para aproveitar muito neste caminho e subir às moradas que desejamos, não está a coisa em pensar muito, senão em amar muito” [2].

A oração quer dizer, de acordo com a definição de São João Damasceno, a elevação da alma a Deus[3]. Para proceder à oração mental, também chamada de meditação, é possível cumprir o seguinte método, tradicionalmente recomendado pelos santos e místicos da Igreja.

Primeiro, é preciso preparar-se. A oração é um encontro entre o homem e Deus. Antes, porém, o próprio orante deve se encontrar consigo mesmo, apaziguando e acalmando os seus sentidos e as potências de sua alma. Para tanto, não são necessárias técnicas indianas ou transcedentais, mas tão somente alguns segundos, a fim de sair da agitação da rotina e tranquilizar-se. Depois, é importante colocar-se diante de Deus. Quando vão rezar, muitas pessoas começam a referir-se a Ele como a um terceiro e, ao invés de se encontrarem com Deus, acabam simplesmente por pensarem a Seu respeito

Ora, sem a presença sobrenatural, não há oração. Ao iniciar, pois, este encontro, o orante deve fazer um ato de fé na presença de Deus. Também se pode pedir à Virgem Maria ou ao anjo da guarda que o ajude neste momento de oração. O Opus Dei tem uma oração específica para antes das meditações:
“Meu Senhor e Meu Deus, creio firmemente que estás aqui, que me vês, que me ouves. Adoro-Te com profunda reverência. Peço-Te perdão dos meus pecados e graça para fazer com fruto este tempo de oração. Minha Mãe Imaculada, São José, meu Pai e Senhor, meu Anjo da Guarda, intercedei por mim.” [4]
Depois disso, o homem, primeiro com a sua faculdade cognitiva – a inteligência –, depois com o seu apetite racional – a vontade –, eleva a sua alma a Deus, propriamente. Iluminado pela luz da merarazão natural, o ser humano enxerga mal as coisas, como que tendo a sua visão limitada pela escuridão da noite; assistido pela luz sobrenatural, ao contrário, ele pode ver as coisas como em pleno dia. Por isso, é preciso começar pedindo a Cristo que ilumine a própria inteligência para compreender o mistério do Seu amor e da Sua bondade. Então, o orante deve escolher um mistério da vida de Cristo para contemplar – a Sua paixão, por exemplo –, até que, “ruminando”, por assim dizer, aquela verdade, o seu entendimento se ilumine e ele fique “alimentado” interiormente.

Depois de elevado o intelecto, importa elevar a Deus a própria vontade, da qual nascem, por exemplo, as paixões do amor e do ódio. Sim, na oração, é preciso amar e, ao mesmo tempo, odiar. Por exemplo, ao contemplar a paixão de Cristo, o orante deve tanto amar – com um ato de vontade, dizer: Senhor, Vós me amastes tanto, eu quero Vos amar de volta, entregar a minha vida – quanto odiar os seus pecados, que são a causa do sofrimento de Cristo – com um ato de contrição fervoroso, dizer: Eu detesto os meus pecados, que Vos mataram na Cruz, a minha miséria e ingratidão que Vos fez tanto mal. Estou cansado de não Vos amar. Eu quero Vos amar. Por isso, sento-me como um mendigo na soleira de Vossa porta: dai-me a graça de amar-Vos. A partir disso, então, ele pede a Deus as graças necessárias para amá-Lo, crescer nas virtudes etc.

Por fim, conclui-se a meditação com uma ação de graças e também alguns propósitos.

Quanto tempo se deve gastar nesta oração? O tempo que o orante dispuser para tanto. Santo Afonso Maria de Ligório recomenda aos iniciantes que não passem de meia hora neste exercício, para que não corram o risco de se enfadarem. É possível, no entanto, aumentar este tempo de meditação, à medida que a alma progride no amor. O melhor momento para fazê-la é depois da Sagrada Comunhão, quando Cristo, em Sua humanidade gloriosa, habita em si.

Quanto aos sentimentos, eles são apenas consequências corporais do que acontece na alma durante a oração. Não constituem, pois, a sua essência. Pode acontecer que, na meditação, a pessoa se emocione, sinta arrepios e queira chorar; essas coisas, todavia, nem sempre acontecem e não se deve ficar forçando a sua ocorrência, como se uma boa oração dependesse disso. Os dons carismáticos também não são necessários à oração; tratam-se de graças gratis datae, isto é, dadas de graça. Vêm, portanto, quando Deus quer.

Atente-se, por último, que o caminho e as recomendações aqui indicados não são específicos para determinado grupo ou determinado movimento; são para todos os católicos. À margem os sentimentos, a oração consiste essencialmente na elevação do coração humano a Deus, com a sua faculdade cognitiva e apetitiva, intelecto e vontade. Acolhamos, pois, o imperativo da divina liturgia: “Sursum corda – Corações ao alto!”



Referências:

  1. Cf. Lc 11, 1
  2. Moradas, IV, 1
  3. Cf. Catecismo da Igreja Católica, 2559
  4. Seleta de Orações. São Paulo: Cultor de Livros, 2011. p. 18

Por: Pe. Paulo Ricardo


Quinta, 17/09/2015 - Fonte: Aleteia / Postado por: Paulo Alves.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...