Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/11/2017

“Queridos filhos, olhando vocês em torno de Mim, em torno da sua Mãe, Eu estou vendo muitas almas puras, vejo muitos dos Meus filhos que estão procurando amor e consolação, mas ninguém está oferecendo isso a eles.

Também vejo aqueles que fazem o mal, porque não têm bons exemplos, não conheceram Meu Filho, aquele bem que é silencioso, que se difunde através das almas puras, que é a força que reforça o mundo.

Existem muitos pecados, mas também muito amor. o Meu Filho Me envia, como Mãe, a mesma igual para todos, para que Eu vos ensine o Amor, para que vocês compreendam que são irmãos.

Ele deseja vos ajudar. Apóstolos do Meu Amor, é suficiente o desejo vivo da fé e do Amor, o Meu Filho o aceitará.

Mas vocês têm que ser dignos, ter boa vontade e um coração aberto. O Meu Filho entra nos corações abertos. Eu, como Mãe, desejo que vocês conheçam o melhor possível o Meu Filho, Deus, nascido de Deus, para que vocês conheçam a grandeza do Seu Amor, o qual vocês tanto precisam.

Ele aceitou os seus pecados, conseguiu a Redenção para vocês, mas em troca procura que vocês amem-se uns aos outros. O Meu Filho é Amor. Ele ama todo ser humano, sem diferença, todas as pessoas de todos os povos e nações.

Se vocês, Meus Filhos, vivessem o Amor do Meu Filho, o Seu Reinado já estaria na Terra. Por isso, Apóstolos do Meu Amor, rezem, rezem para que o Meu Filho e Seu Amor estejam mais próximos de vocês, para que vocês sejam exemplos de Amor e possam ajudar àqueles que ainda não conhecem o Meu Filho.

Nunca esqueçam que o Meu Filho, Uno e Trino, Ama. Amem e rezem pelos seus sacerdotes. Obrigada.”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Brasil precisa de uma reconstrução política, alerta Arcebispo de Belo Horizonte


Diante do atual contexto de crise econômica e política, pelo qual passa o Brasil, o Arcebispo de Belo Horizonte (MG), Dom Walmor Oliveira de Azevedo, chamou a atenção para a necessidade de uma reconstrução que passa pelas instâncias governamentais, instituições políticas e os próprios cidadãos. “As pancadas nas panelas – como legítima manifestação de protesto cidadão – precisam ser martelos na consciência de todos”, alerta.

Em recente artigo, o Prelado classifica como “crítico” o atual momento vivido pelo país. De acordo com ele, a reconstrução política é prioridade e a necessidade de qualificação no âmbito dos partidos é “incontestável”.

“É lamentável quando o âmbito partidário torna-se um ‘quartel’ na defesa de interesses de poucos, na contramão da cidadania, para alimentar esquemas de corrupção e a depredação do erário”, afirma.

Dom Walmor observa, porém, que há “resistências de todo o tipo” às reconfigurações que se mostram necessárias e que certos políticos que deveriam exercer a missão de representar o povo não o fazem. “Hoje, por exemplo, no ‘olho do furacão’ da crise econômica, agravada pela crise política, alguns representantes da população, em causa própria, votam aumento de seus próprios salários”, constata.

Diante desse fato, aponta como “exemplar, cidadã e destemida” a mobilização “de uma comunidade que impediu a vereança do seu município de aumentar os próprios vencimentos”. O caso aconteceu em Santo Antônio da Platina, no interior do Paraná, onde após protesto de moradores, a Câmara de Vereadores da cidade – que estava prestes a aumentar os salários do prefeito e dos parlamentares – decidiu aprovar emenda que reduz os valores.

Segundo o Arcebispo, “há, na verdade, uma ‘ladainha’ de vícios no âmbito da política partidária que precisa de correções, retardadas pela falta de estatura dos que se oferecem à tarefa-missão de representar o povo, suas comunidades e seus interesses”.

Para fazer frente à esta situação, Dom Walmor recomenda uma reconstrução política que atinja as raízes da cidadania. “É hora de um pacto de reeducação cidadã”, expressa.

Neste sentido, convoca cada cidadão a refletir sobre o “peso próprio da crise” e, assim, pontua como necessárias atitudes que respondam ao consumismo, ao desperdício, à indiferença com os pobres, ao desrespeito ao bem comum e à busca desenfreada pelo lucro.

“Existem saídas para as crises. Porém, elas não são encontradas porque, de modo geral, não se quer abrir mão de privilégios, reconfigurar gastos, orçamentos e projetos”, constata o Arcebispo.

Ao ressaltar que das crises podem nascer consequências positivas, Dom Walmor finaliza o texto manifestando o desejo de “que o momento atual da sociedade brasileira torne-se oportunidade para as mudanças necessárias, particularmente em uma reconstrução política que ampare o exercício da cidadania”.


Segunda, 17/08/2015 - Fonte: ACI digital / Postado por: Paulo Alves
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...