Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/11/2017

“Queridos filhos, olhando vocês em torno de Mim, em torno da sua Mãe, Eu estou vendo muitas almas puras, vejo muitos dos Meus filhos que estão procurando amor e consolação, mas ninguém está oferecendo isso a eles.

Também vejo aqueles que fazem o mal, porque não têm bons exemplos, não conheceram Meu Filho, aquele bem que é silencioso, que se difunde através das almas puras, que é a força que reforça o mundo.

Existem muitos pecados, mas também muito amor. o Meu Filho Me envia, como Mãe, a mesma igual para todos, para que Eu vos ensine o Amor, para que vocês compreendam que são irmãos.

Ele deseja vos ajudar. Apóstolos do Meu Amor, é suficiente o desejo vivo da fé e do Amor, o Meu Filho o aceitará.

Mas vocês têm que ser dignos, ter boa vontade e um coração aberto. O Meu Filho entra nos corações abertos. Eu, como Mãe, desejo que vocês conheçam o melhor possível o Meu Filho, Deus, nascido de Deus, para que vocês conheçam a grandeza do Seu Amor, o qual vocês tanto precisam.

Ele aceitou os seus pecados, conseguiu a Redenção para vocês, mas em troca procura que vocês amem-se uns aos outros. O Meu Filho é Amor. Ele ama todo ser humano, sem diferença, todas as pessoas de todos os povos e nações.

Se vocês, Meus Filhos, vivessem o Amor do Meu Filho, o Seu Reinado já estaria na Terra. Por isso, Apóstolos do Meu Amor, rezem, rezem para que o Meu Filho e Seu Amor estejam mais próximos de vocês, para que vocês sejam exemplos de Amor e possam ajudar àqueles que ainda não conhecem o Meu Filho.

Nunca esqueçam que o Meu Filho, Uno e Trino, Ama. Amem e rezem pelos seus sacerdotes. Obrigada.”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Por que a Missa é tão chata?

Para entender a Eucaristia, é preciso conhecer Jesus, pois com Ele todas as coisas adquirem compreensão, sentido, valor e beleza.

Esta é uma pergunta que os paroquianos costumam fazer aos padres. A grande batalha interior daqueles que descobrem, de alguma maneira, a necessidade de manter com o Senhor uma relação de amor e de culto é precisamente tentar entender algo que, às vezes, por falta de formação, não compreendem, como é o caso da Missa.

Participar de algo que parece monótono e repetitivo com fidelidade, ou por "mandato divino", mas que costuma ser mais forte que sua própria rotina interior, não é fácil para estas pessoas – que acabam em geral aderindo a seitas evangélicas, onde fazem da pregação e do culto a Deus um espetáculo, quase circense.

Para entender a Eucaristia, é preciso conhecer Cristo. Nele, todas as coisas adquirem compreensão, sentido, valor e beleza. É muito difícil que alguém que não tenha uma relação pessoal com Jesus possa chegar a desfrutar do imenso valor da Eucaristia, que não é senão o sacrifício renovado de Cristo, quem se entrega com sua Palavra, seu Corpo e seu Sangue.

Para entender e viver a Eucaristia, é importante dar alguns passos. O primeiro deles é o contato permanente com a Bíblia: participe de algum grupo de oração, um grupo bíblico, de reuniões, buscando viver a fé comunitariamente, pois a Eucaristia é vivência de comunidade.

Assim, você começará a conhecer o Senhor e o que Ele espera de nós. Centre sua vida em Cristo, pois Ele ajuda a dar sentido a tudo. Nele, todas as coisas são compreendidas e vividas de maneira diferente. Ninguém pode fazer isso por ninguém, porque a relação com Deus é sempre personalizada, levada ao âmbito comunitário. Ou você faz isso com disciplina e perseverança, ou ninguém o fará por você.

Disciplina e perseverança: estas são as palavras-chaves da vida espiritual. Que nossa espiritualidade não dependa dos estados emocionais, da vontade, do humor. A vida espiritual seria muito pendular dessa maneira.

Muitas vezes, a oração, a leitura da Palavra e a celebração da Eucaristia são como comer sem vontade: nem sempre se come por fome, mas por necessidade. Quando chega o momento de desfrutar, desfrutemos; e quando for preciso fazê-lo pelo nosso bem-estar, façamos, ainda que não desfrutemos tanto.
                                                      
Precisamos orar assim como precisamos comer. Não podemos permitir que o desânimo, o tédio ou a incompreensão nos arrastem ao abismo da mediocridade ou da frieza espiritual. Estas são as armas do inimigo, que usa estes sentimentos negativos para nos afastar de Deus. Ele não precisa se apresentar, como muitos imaginam, com chifres e no meio de chamas para nos conquistar. Seu trabalho é mais sutil, imperceptível e calado.

Se não vou à Missa porque a considero chata, se não me confesso porque o padre é mais pecador que eu, se não oro porque não me concentro, se não leio a Palavra de Deus porque não a compreendo, se não me reúno com ninguém porque todos me parecem hipócritas... o inimigo ganha a batalha.

Em outras palavras, estamos perdendo a guerra sem nem ter lutado, porque nos declaramos derrotados antes de começar a combater. Sabemos que o inimigo contra quem lutamos é forte, mas ele começa a trabalhar em nosso interior, de maneira sutil, difícil de captar, fazendo-nos dizer: "não estou com vontade". Ele adora esta frase e ri quando a pronunciamos, e mais ainda quando dizemos "não posso", "não vou me confessar", "não preciso da Missa para acreditar em Deus": é aí que ele se sente vencedor.

Mas, assim como conhecemos a força poderosa do Maligno, devemos aprender que existe Alguém mais poderoso que ele, que o venceu na cruz, que é temido por ele, alguém de quem ele foge, diante de quem ele se ajoelha, não para adorá-lo, mas por medo covarde. Como afirma São Paulo, em Jesus somos mais que vencedores.

Toda essa rotina, monotonia e confusão são vencidas no amor e na adoração ao nosso Salvador. Só em Jesus se pode entender e dar sentido a tudo. Sem conhecer Jesus e sem amá-lo, a Eucaristia sempre será chata. 


Domingo,19/07/2015 - Fonte: Aleteia, Juan Ávila Estrada / Postado por: Paulo Alves
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...