Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/11/2017

“Queridos filhos, olhando vocês em torno de Mim, em torno da sua Mãe, Eu estou vendo muitas almas puras, vejo muitos dos Meus filhos que estão procurando amor e consolação, mas ninguém está oferecendo isso a eles.

Também vejo aqueles que fazem o mal, porque não têm bons exemplos, não conheceram Meu Filho, aquele bem que é silencioso, que se difunde através das almas puras, que é a força que reforça o mundo.

Existem muitos pecados, mas também muito amor. o Meu Filho Me envia, como Mãe, a mesma igual para todos, para que Eu vos ensine o Amor, para que vocês compreendam que são irmãos.

Ele deseja vos ajudar. Apóstolos do Meu Amor, é suficiente o desejo vivo da fé e do Amor, o Meu Filho o aceitará.

Mas vocês têm que ser dignos, ter boa vontade e um coração aberto. O Meu Filho entra nos corações abertos. Eu, como Mãe, desejo que vocês conheçam o melhor possível o Meu Filho, Deus, nascido de Deus, para que vocês conheçam a grandeza do Seu Amor, o qual vocês tanto precisam.

Ele aceitou os seus pecados, conseguiu a Redenção para vocês, mas em troca procura que vocês amem-se uns aos outros. O Meu Filho é Amor. Ele ama todo ser humano, sem diferença, todas as pessoas de todos os povos e nações.

Se vocês, Meus Filhos, vivessem o Amor do Meu Filho, o Seu Reinado já estaria na Terra. Por isso, Apóstolos do Meu Amor, rezem, rezem para que o Meu Filho e Seu Amor estejam mais próximos de vocês, para que vocês sejam exemplos de Amor e possam ajudar àqueles que ainda não conhecem o Meu Filho.

Nunca esqueçam que o Meu Filho, Uno e Trino, Ama. Amem e rezem pelos seus sacerdotes. Obrigada.”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

"Basta de descartes. Dai-lhes vós mesmos de comer" - Papa na Missa em Santa Cruz

Na manhã desta quinta-feira, às 10 horas locais, 16 horas em Roma, o Papa Francisco celebrou a Missa de abertura do V Congresso Eucarístico Nacional boliviano, na Praça de Cristo Redentor em Santa Cruz, segunda cidade do País.

Na homilia, o Papa reevocando a leitura do Evangelho em que os apóstolos pediam a Jesus para mandar embora a multidão porque não havia nada para lhes dar de comer, recordou que hoje vivemos em situações semelhantes no mundo de hoje. Perante a fome no mundo, podemos perder a memória de ser um povo amado por Deus, e dizer que os números não batem certo, que é impossível enfrentar essa situação e desesperar-nos pelo cansaço. E num coração desesperado é muito fácil que a lógica do mundo de hoje encontre espaço, aquela lógica que tende a “transformar tudo em objecto de troca, de consumo”, que vê tudo como “negociável”.

“Uma lógica que pretende deixar espaço para muito poucos, descartando todos aqueles que não produzem”.

Perante isto, Jesus retoma a palavra para nos dizer que devemos dar de comer a todos. Um convite que continua a dizer nesta praça – disse o Papa:  

“Sim, basta de descartes. Dai-lhes vós mesmos de comer”.

Jesus mostra, portanto o caminho e o Papa prosseguiu detendo-se sobre as três palavras que caracterizam o gesto de Jesus naquele momento de multiplicação do pão e dos peixes para matar a fome à multidão:

Ele toma um pouco de pão e alguns peixes, bendiz a Deus por eles, divide-os e entrega para os discípulos partilharem com os outros. Toma, bendiz, entrega. O ponto de partida é tomar muito a sério a vida dos outros, disse o Papa, considera-los, valorizá-los como pessoas. A riqueza maior de um povo mede-se na vida dos seus povo, na dignidade de cada um, mesmo que aparentemente não tenha nada a oferecer ou a partilhar.

Em seguida Jesus bendiz o pão e os peixes, dons recebidos de Deus, e neste gesto de bendizer, de louvar, pede ao Pai o dom do Espírito Santo. Esse acto de bendizer tem, portanto, uma dupla perspectiva: agradecer e transformar. Reconhecer que a vida é sempre um dom, um presente que, colocado nas mãos de Deus, adquire uma força de multiplicação.

Entrega: Tudo em Jesus é bênção e entrega. E bênção é missão de repartir, partilhar o que se recebeu, pois que só na entrega e no compartilhar é que as pessoas encontram a fonte da alegria e a experiencia de salvação. O Papa convidou a imaginar como os pães e os peixes iam passando de mãos em mãos até chegar aos mais afastados. “Jesus consegue gerar uma corrente entre os seus:

“Todos estavam compartilhando o seu, transformando-o em dom para os outros, e foi assim que comeram até ficarem saciados. E, incrivelmente, sobrou: recolheram sete cestos de sobras. Uma memória tomada, abençoada e entregue, sempre sacia um povo.”

Um tema, o da partilha do pão que se coaduna muito bem com o evento que essa Missa inaugurava: o Congresso nacional Eucarístico que se vai realizar em Tarija sob o lema “O Pão repartido para a Vida no Mundo”. E Eucaristia é “Pão repartido”, “É sacramento de comunhão que nos faz sair do individualismo para vivermos juntos o seguimento de Jesus e nos dá a certeza de que aquilo que temos e somos, se tomado, abençoado e entregue, pelo poder de Deus, pelo poder do seu amor, transforma-se em pão de vida para os outros”…

E nesta homilia em que o Papa começou por pôr no centro as mães que viu neste dias carregar os filhos às costas, o trabalho das pessoas, o cansaço que leva muitas vezes a desencorajamento e à perda de memória de que somos filhos de um Deus que nos quer salvar, Francisco frisou que uma vida memoriosa precisa dos outros:

“Uma vida memoriosa precisa dos outros, do intercâmbio, do encontro, duma solidariedade real que seja capaz de entrar na lógica do tomar, bendizer e entregar, na lógica do amor”.


E concluiu indicando Maria como exemplo de mulher que soube carregar sobre si a memória do seu povo, a vida do seu filho, proclamando com alegria que Deus “encheu de bens os famintos”.


Quinta, 09/07/2015 - Fonte: Radio Vaticano / Postado por: Paulo Alves
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...