Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/09/2018

Queridos filhos,

As Minhas palavras são simples, mas repletas de amor materno e de preocupação. Filhos MEUS, sobre vocês se alargam sempre mais as sombras das trevas e do engano, Eu os chamo em direção a luz e a verdade, Eu os chamo na direção de Meu Filho. Somente Ele pode converter o desespero e a dor em paz e serenidade, somente ELE pode dar esperança nas dores mais profundas. O MEU FILHO é a VIDA do mundo, e quanto mais O conhecerem, mais se aproximarão DELE e mais O amarão porque o MEU FILHO é AMOR e o AMOR muda tudo.

ELE torna maravilhoso também aquilo que sem amor pareça para vocês insignificante. Por isso novamente os digo que vocês devem amar muito se desejarem crescer espiritualmente. EU sei, apóstolos do MEU AMOR, que não sempre fácil, porém, filhos MEUS, também as estradas dolorosas são caminhos que levam ao crescimento espiritual, à fé e ao MEU FILHO.

Filhos MEUS, rezem, pensem em MEU FILHO durante todos os momentos do dia, elevem as suas almas até ELE e EU recolherei as suas orações como flores do jardim mais belo e as darei de presente ao MEU FILHO.

Sejam realmente apóstolos do MEU AMOR, deem a todos o AMOR de MEU FILHO, sejam jardins com as flores mais belas.

Com a oração ajudem os seu sacerdotes para que possam ser pais espirituais cheios de amor para todos os homens.

Obrigada.

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Quem é o autor do Apocalipse?

O João do último livro da Bíblia é o mesmo que o do Evangelho e das cartas? Uma resposta surpreendentemente esclarecedora.

Pergunta

Na Bíblia, além do Evangelho de João, encontramos 3 cartas escritas por São João Apóstolo e o último livro, que é o Apocalipse, ou seja, a visão que João teve sobre os que um dia serão “novos céus e novas terras”. Minha pergunta é: todos estes são escritos do apóstolo São João em pessoa?

Resposta

Na origem do Evangelho de João encontra-se o “discípulo amado”: isso é o que sabemos pela tradição da Igreja antiga, que identifica o discípulo amado convertido em testemunha (João 21, 24) com João, filho de Zebedeu. Esta tradição nunca foi discutida seriamente antes do começo do século XIX.

A análise literária dos textos levou os especialistas a pensarem que os escritos de João poderiam ter sido realizados por vários autores. Mas isso não significa que o testemunho do apóstolo João não seja a fonte original de todos eles.

É preciso compreender que o conceito de “autor” na Bíblia não se refere tanto ao escritor material dos livros, e sim ao autor no sentido amplo, ou seja, aquele que inspirou e cuja experiência e/ou ensinamento é a base desse texto.

Apesar das diversas teorias, podemos dizer, contudo, que, ainda que o autor material seja diferente, a base do Evangelho de João continua sendo o filho de Zebedeu e seu cuidado particular em anunciar a memória de Jesus, bem como o esforço por penetrar no mistério da sua pessoa e da sua vida terrena.

A data da redação do Evangelho de João é calculada entre os anos 85-95 d.C., quando o judaísmo excluiu os discípulos de Jesus da sinagoga (o Templo de Jerusalém havia sido construído quase 20 anos antes), e o começo do século II. A descoberta do célebre Papiro 52, encontrado no Egito e datado de 125 d.C., já fala da existência desse Evangelho.

O mesmo acontece com relação às Cartas: aceita-se hoje que elas foram escritas por um representante autorizado da “tradição joânica”: o autor se identifica nelas com o nome de “presbítero”. Ainda que a tradição antiga seja unânime ao atribuí-la ao apóstolo João, o bispo Papias de Gerápolis (70-130) fala de um “presbítero João, discípulo do Senhor”.

Justamente sobre o Apocalipse, a questão se torna muito complexa. O autor tem uma importante familiaridade com toda a tradição judaica, um conhecimento tão vasto e profundo das Escrituras, que inclusive supera o próprio apóstolo Paulo: no livro são contadas mais de 800 passagens do Antigo Testamento, tomadas diretamente do texto judaico, contra cerca de 200 utilizadas por Paulo, quem costumava utilizar a tradição grega.

Finalmente, é preciso acrescentar que, dada a natureza do escrito – um livro de revelação (é este o significado de “apocalipse”) – em tempos de perseguição declarada (como a ocorrida durante o reinado de Domiciano, 81-96) se caracteriza pelo anonimato do autor, quem, de qualquer maneira, remete à autoridade do próprio apóstolo. 


Quinta, 25/06/2015 - Fonte: Aleteia / Postado por: Paulo Alves
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...