Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/11/2017

“Queridos filhos, olhando vocês em torno de Mim, em torno da sua Mãe, Eu estou vendo muitas almas puras, vejo muitos dos Meus filhos que estão procurando amor e consolação, mas ninguém está oferecendo isso a eles.

Também vejo aqueles que fazem o mal, porque não têm bons exemplos, não conheceram Meu Filho, aquele bem que é silencioso, que se difunde através das almas puras, que é a força que reforça o mundo.

Existem muitos pecados, mas também muito amor. o Meu Filho Me envia, como Mãe, a mesma igual para todos, para que Eu vos ensine o Amor, para que vocês compreendam que são irmãos.

Ele deseja vos ajudar. Apóstolos do Meu Amor, é suficiente o desejo vivo da fé e do Amor, o Meu Filho o aceitará.

Mas vocês têm que ser dignos, ter boa vontade e um coração aberto. O Meu Filho entra nos corações abertos. Eu, como Mãe, desejo que vocês conheçam o melhor possível o Meu Filho, Deus, nascido de Deus, para que vocês conheçam a grandeza do Seu Amor, o qual vocês tanto precisam.

Ele aceitou os seus pecados, conseguiu a Redenção para vocês, mas em troca procura que vocês amem-se uns aos outros. O Meu Filho é Amor. Ele ama todo ser humano, sem diferença, todas as pessoas de todos os povos e nações.

Se vocês, Meus Filhos, vivessem o Amor do Meu Filho, o Seu Reinado já estaria na Terra. Por isso, Apóstolos do Meu Amor, rezem, rezem para que o Meu Filho e Seu Amor estejam mais próximos de vocês, para que vocês sejam exemplos de Amor e possam ajudar àqueles que ainda não conhecem o Meu Filho.

Nunca esqueçam que o Meu Filho, Uno e Trino, Ama. Amem e rezem pelos seus sacerdotes. Obrigada.”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos?

Evangelho do dia, 07/06/2015 - Marcos 3,20-35


- Naquele tempo, Jesus voltou para casa com os seus discípulos. E de novo se reuniu tanta gente que eles nem sequer podiam comer. Quando souberam disso, os parentes de Jesus saíram para agarrá-lo, porque diziam que estava fora de si. Os mestres da Lei, que tinham vindo de Jerusalém, diziam que ele estava possuído por Belzebu, e que pelo príncipe dos demônios ele expulsava os demônios. Então Jesus os chamou e falou-lhes em parábolas: “Como é que Satanás pode expulsar a Satanás? Se um reino se divide contra si mesmo, ele não poderá manter-se. Se uma família se divide contra si mesma, ela não poderá manter-se. Assim, se Satanás se levanta contra si mesmo e se divide, não poderá sobreviver, mas será destruído. Ninguém pode entrar na casa de um homem forte para roubar seus bens, sem antes o amarrar. Só depois poderá saquear sua casa. Em verdade vos digo: tudo será perdoado aos homens, tanto os pecados, como qualquer blasfêmia que tiverem dito. Mas quem blasfemar contra o Espírito Santo, nunca será perdoado, mas será culpado de um pecado eterno”. Jesus falou isso, porque diziam: “Ele está possuído por um espírito mau”. Nisso chegaram sua mãe e seus irmãos. Eles ficaram do lado de fora e mandaram chamá-lo. Havia uma multidão sentada ao redor dele. Então lhe disseram: “Tua mãe e teus irmãos estão lá fora à tua procura”. Ele respondeu: “Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos?” E olhando para os que estavam sentados ao seu redor, disse: “Aqui estão minha mãe e meus irmãos. Quem faz a vontade de Deus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”.
- Palavra da salvação.

- Glória a vós, Senhor!    


Comentário do Evangelho


Os generais romanos tinham um lema: “dividir para imperar”. Eles sabiam que um grupo social unido e coeso dificilmente seria vencido. Por isso, tratavam de provocar divisões no adversário para enfraquecê-lo.
Também Jesus de Nazaré conhecia essa realidade. Via seu povo dividido em grupos religiosos irreconciliáveis (fariseus e saduceus), partidos opostos (anti-romanos e colaboracionistas, como os publicanos). Ele sabia que a divisão mina a sociedade, racha as famílias, corrói as comunidades.
É bem claro o princípio lembrado neste Evangelho: uma casa dividida não tem futuro. Se os que moram na mesma casa não reúnem suas forças, acabarão arruinados. Qualquer grupo humano – famílias, equipes de trabalho, empresas, comunidades e Institutos religiosos – estão sujeitos a esta lei. As congregações possuem seu carisma como princípio unificador. As empresas adoram seus objetivos como traço de união. A família precisa viver o amor como a ponte que a todos aproxima, como argamassa que reúne as pedras da  construção.
Mesmo em assunto de menor importância, como o futebol, o senso coletivo deve prevalecer sobre as firulas e as vaidades individuais. Tanto que os norte-americanos chamam esse esporte de “soccer”, acentuando seu lado “social” de interação e cooperação. A equipe treina em conjunto, dorme na mesma concentração e, natural, disputa a partida ao mesmo tempo, vestindo a mesma camisa. Se vencem, todos comemoram; se perdem, todos se sentem humilhados.
Neste Evangelho, os adversários de Jesus apostam em um absurdo: Jesus estaria expulsando demônios não pelo poder de Deus, mas pela potência do próprio demônio. Jesus repele esta autêntica blasfêmia com a simples lembrança dos efeitos destrutivos da divisão interna. Chega ao extremo de lembrar que não existe perdão para aquele que atribui ao demônio as manifestações do Espírito divino.
Nós somos herdeiros da fé apostólica. Assim como os atletas de uma equipe de revezamento, recebemos das gerações anteriores um “bastão”, que é o depósito da fé, e não podemos deixar que ele caia no esquecimento. Os mistérios da fé apostólica, que repetimos no Símbolo – o “Creio” – em cada Eucaristia, são o eixo de nossa unidade. Todo desvio dessa herança acaba por gerar a fratura e a discórdia, gerando facções e partidos.
Que posso fazer para estreitar os laços de minha família?
Orai sem cessar: “Oh! Como é bom e agradável irmãos unidos viverem juntos!” (Sl 133,1)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...