Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/11/2017

“Queridos filhos, olhando vocês em torno de Mim, em torno da sua Mãe, Eu estou vendo muitas almas puras, vejo muitos dos Meus filhos que estão procurando amor e consolação, mas ninguém está oferecendo isso a eles.

Também vejo aqueles que fazem o mal, porque não têm bons exemplos, não conheceram Meu Filho, aquele bem que é silencioso, que se difunde através das almas puras, que é a força que reforça o mundo.

Existem muitos pecados, mas também muito amor. o Meu Filho Me envia, como Mãe, a mesma igual para todos, para que Eu vos ensine o Amor, para que vocês compreendam que são irmãos.

Ele deseja vos ajudar. Apóstolos do Meu Amor, é suficiente o desejo vivo da fé e do Amor, o Meu Filho o aceitará.

Mas vocês têm que ser dignos, ter boa vontade e um coração aberto. O Meu Filho entra nos corações abertos. Eu, como Mãe, desejo que vocês conheçam o melhor possível o Meu Filho, Deus, nascido de Deus, para que vocês conheçam a grandeza do Seu Amor, o qual vocês tanto precisam.

Ele aceitou os seus pecados, conseguiu a Redenção para vocês, mas em troca procura que vocês amem-se uns aos outros. O Meu Filho é Amor. Ele ama todo ser humano, sem diferença, todas as pessoas de todos os povos e nações.

Se vocês, Meus Filhos, vivessem o Amor do Meu Filho, o Seu Reinado já estaria na Terra. Por isso, Apóstolos do Meu Amor, rezem, rezem para que o Meu Filho e Seu Amor estejam mais próximos de vocês, para que vocês sejam exemplos de Amor e possam ajudar àqueles que ainda não conhecem o Meu Filho.

Nunca esqueçam que o Meu Filho, Uno e Trino, Ama. Amem e rezem pelos seus sacerdotes. Obrigada.”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

A menor de todas as sementes... (Mc 4,26-34)

Evangelho do dia 14/06/2015 - Marcos: 4,26-34

Naquele tempo, Jesus disse à multidão: “O Reino de Deus é como quando alguém espalha a semente na terra. Ele vai dormir e acorda, noite e dia, e a semente vai germinando e crescendo, mas ele não sabe como isso acontece. 

A terra, por si mesma, produz o fruto: primeiro aparecem as folhas, depois vem a espiga e, por fim, os grãos que enchem a espiga. Quando as espigas estão maduras, o homem mete logo a foice, porque o tempo da colheita chegou”. E Jesus continuou: “Com que mais poderemos comparar o Reino de Deus? Que parábola usaremos para representá-lo? O Reino de Deus é como um grão de mostarda que, ao ser semeado na terra, é a menor de todas as sementes da terra. Quando é semeado, cresce e se torna maior do que todas as hortaliças, e estende ramos tão grandes, que os pássaros do céu podem abrigar-se à sua sombra”. Jesus anunciava a Palavra usando muitas parábolas como estas, conforme eles podiam compreender. E só lhes falava por meio de parábolas, mas, quando estava sozinho com os discípulos, explicava tudo.
 
- Palavra da salvação.
- Glória a vós, Senhor!

Comentário do Evangelho

Deus é miniaturista. Trabalha no pequeno e rejeita o grandioso. A vida dos santos é a prova definitiva desse trabalho microscópico. Quando morreu a pequena Teresa no Carmelo de Lisieux, suas coirmãs se perguntavam que coisas poderiam dizer dela na comunicação aos demais mosteiros. O futuro santo João Maria Vianney, curto de inteligência, foi nomeado pároco de uma pequena aldeia, pois ali os eventuais estragos seriam menores. Damião de Veuster passou sua vida praticamente esquecido entre os leprosos de Molokai...
 
É assim que nós, enquanto sonhamos com grandes feitos, perdemos seguidamente as oportunidades de edificar o reino nas minúcias de cada dia. A parábola da semente de mostarda acentua o contraste entre nossas pequenas ações e os efeitos surpreendentes da divina Graça.
 
            São João Crisóstomo [344-407 d. C.] comenta: “Que há de maior que o Reino dos céus e de menor que um grãozinho de mostarda? Como pôde Jesus comparar esse Reino infinito a um minúsculo grão de mostarda, que ocupa tão ínfimo lugar? Entretanto, se examinamos atentamente o Reino dos céus e o grão de mostarda, descobrimos quanto a comparação é justa e natural!
 
            Evidentemente, o Reino dos céus não outra coisa a não ser o Cristo, pois ele disse de si mesmo: ‘Eis que o Reino de Deus está no meio de vós’ (Lc 17,21). [...] Como acontece que Cristo seja ao mesmo tempo o Reino e o grão, e que ele seja simultaneamente grande e pequeno em relação ao Reino? Vejam: sua misericórdia por aqueles que ele criou é tão grande, que ele se fez tudo para todos, para os ganhar a todos. Por sua própria natureza, ele era Deus, como ainda o é e será para sempre. E tornou-se homem em vista de nossa salvação. ‘Que profundidade na riqueza, na sabedoria e na ciência de Deus! Suas decisões são insondáveis, seus caminhos são impenetráveis!’ (Rm 11,33)
 
            Ó grão, pelo qual o mundo foi feito, as trevas dispersadas, a Igreja renovada! Como é grande a força desse grão suspenso na cruz! Enquanto estava ali cravado, por uma simples palavra ele arrancou do madeiro o ladrão para o mergulhar nas delicias do paraíso. De seu lado transpassado pela lança, esse grão fez correr para os sedentos uma bebida de imortalidade.
 
            Depois que o desceram da árvore e o plantaram no jardim, esse grão cobriu toda a terra com seus ramos. Semeado no jardim, esse grão mergulhou suas raízes até os infernos. Dali ele fez saírem as almas e, em três dias, conduziu-as ao céu.
 
            O Reino dos céus é comparável a um grão de mostarda que um homem semeou em seu campo. Semeia este grão no jardim de tua alma e valerá também para ti a palavra do profeta: ‘Tu serás como um jardim bem irrigado, como uma nascente onde as águas não faltam jamais’. (Is 58,11)
 
Orai sem cessar: “Senhor, não ando atrás de grandes coisas...” (Sl 131,1)


Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
santini@novaalianca.com.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...