Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/09/2017

Queridos filhos !

Quem melhor do que EU poderia falar para vocês do Amor e da existência do MEU FILHO ?

Vivi com ELE, EU sofri com ele, vivendo a vida terrena, EU provei da dor porque era MÃE.

MEU FILHO amou com pensamentos e obras o PAI CELESTIAL, o DEUS VERDADEIRO, e como ME dizia veio para redimi-los. EU escondi a minha dor com o amor. Vocês, filhos MEUS, tem numerosas perguntas, não compreendem a dor, não compreendem que através do Amor de Deus devem aceitar a dor e suportá-la. Todas as pessoas provam-na em maior ou menor medida, mas com a paz na alma e em estado de graça a esperança existe.

Este é o MEU FILHO, DEUS, nascido de DEUS. As SUAS PALAVRAS são sementes de Vida Eterna e semeadas nas boas almas produzem muitos frutos.

MEU FILHO suportou a dor porque tomou para si os pecados de vocês.

Por isso vocês, filhos MEUS, Apóstolos do MEU Amor, vocês que sofrem, saibam que as suas dores se tornarão luz e glória.

Filhos MEUS, enquanto vocês suportam a dor o CÉU entra em vocês, e em todos em torno de vocês é dado um pouco de Céu e muita esperança !

Obrigada !

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Se ter fé é confiar em alguém, então para que serve a doutrina?

Pergunta

Eu gostaria que me explicassem uma frase pronunciada há alguns dias pelo Papa Francisco, na qual ele dizia que "a alegria vem da , não da fria doutrina". Na infância, durante a catequese de preparação para a 1ª Comunhão, aprendi a "doutrina" sobre o que um cristão deve crer e viver. Não entendo por que o Papa separa a fé da doutrina, pois, se cremos, eu acho, cremos em algo, em uma doutrina, uma verdade...

Resposta

Entendemos por "fé" a doutrina assimilada e vivida, a doutrina fundamental, que não é outra coisa a não ser as palavras e ensinamentos de Jesus, cujas palavras são "espírito e vida". A fé e a doutrina da fé são inseparáveis. Em algum momento da vida, podem, de maneira provisória, estar separadas, mas sempre com a tendência a encontrar-se em uma mesma pessoa, o fiel cristão.

Explico: uma criança pequena, recém-batizada, recebe, de fato, o dom da fé como virtude teologal, ainda que não esteja ainda capacitada para professá-la, já que a Igreja faz isso em seu nome enquanto é criança; mas não há dúvida de que essa fé incipiente deva conformar-se com o conhecimento e adesão pessoal à doutrina da fé.

Você afirma que, "se cremos, cremos em algo, em uma doutrina". Isso é parcialmente verdadeiro. Nós cremos, em primeiro lugar, em Alguém cuja autoridade reconhecemos e em quem colocamos nossa confiança.

A fé é, em primeiro lugar, resposta a Deus, que vem ao nosso encontro e se dá a conhecer a nós. Lembre-se que o símbolo da fé começa dizendo "Creio em Deus...", e não simplesmente "Creio que Deus existe...".

É igualmente importante que esta adesão a Deus e à sua autoridade exija aceitar como verdade aquilo que Deus nos revela. A fé não pode se separar da verdade.

O Papa Francisco ensina na Lumen fidei: "O homem precisa de conhecimento, precisa de verdade, porque sem ela não se mantém de pé, não caminha. Sem verdade, a fé não salva, não torna seguros os nossos passos. Seria uma linda fábula, a projeção dos nossos desejos de felicidade, algo que nos satisfaz só na medida em que nos quisermos iludir; ou então reduzir-se-ia a um sentimento bom que consola e afaga, mas permanece sujeito às nossas mudanças de ânimo, à variação dos tempos, incapaz de sustentar um caminho constante na vida. (...) Lembrar esta ligação da fé com a verdade é hoje mais necessário do que nunca, precisamente por causa da crise de verdade em que vivemos" (n. 24-25).

Se não acreditamos ou não vivemos a doutrina, ela não alegra nem salva. 



Sábado, 25/04/2015 - Aleteia / Paulo Alves 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...