Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/11/2017

“Queridos filhos, olhando vocês em torno de Mim, em torno da sua Mãe, Eu estou vendo muitas almas puras, vejo muitos dos Meus filhos que estão procurando amor e consolação, mas ninguém está oferecendo isso a eles.

Também vejo aqueles que fazem o mal, porque não têm bons exemplos, não conheceram Meu Filho, aquele bem que é silencioso, que se difunde através das almas puras, que é a força que reforça o mundo.

Existem muitos pecados, mas também muito amor. o Meu Filho Me envia, como Mãe, a mesma igual para todos, para que Eu vos ensine o Amor, para que vocês compreendam que são irmãos.

Ele deseja vos ajudar. Apóstolos do Meu Amor, é suficiente o desejo vivo da fé e do Amor, o Meu Filho o aceitará.

Mas vocês têm que ser dignos, ter boa vontade e um coração aberto. O Meu Filho entra nos corações abertos. Eu, como Mãe, desejo que vocês conheçam o melhor possível o Meu Filho, Deus, nascido de Deus, para que vocês conheçam a grandeza do Seu Amor, o qual vocês tanto precisam.

Ele aceitou os seus pecados, conseguiu a Redenção para vocês, mas em troca procura que vocês amem-se uns aos outros. O Meu Filho é Amor. Ele ama todo ser humano, sem diferença, todas as pessoas de todos os povos e nações.

Se vocês, Meus Filhos, vivessem o Amor do Meu Filho, o Seu Reinado já estaria na Terra. Por isso, Apóstolos do Meu Amor, rezem, rezem para que o Meu Filho e Seu Amor estejam mais próximos de vocês, para que vocês sejam exemplos de Amor e possam ajudar àqueles que ainda não conhecem o Meu Filho.

Nunca esqueçam que o Meu Filho, Uno e Trino, Ama. Amem e rezem pelos seus sacerdotes. Obrigada.”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Se ter fé é confiar em alguém, então para que serve a doutrina?

Pergunta

Eu gostaria que me explicassem uma frase pronunciada há alguns dias pelo Papa Francisco, na qual ele dizia que "a alegria vem da , não da fria doutrina". Na infância, durante a catequese de preparação para a 1ª Comunhão, aprendi a "doutrina" sobre o que um cristão deve crer e viver. Não entendo por que o Papa separa a fé da doutrina, pois, se cremos, eu acho, cremos em algo, em uma doutrina, uma verdade...

Resposta

Entendemos por "fé" a doutrina assimilada e vivida, a doutrina fundamental, que não é outra coisa a não ser as palavras e ensinamentos de Jesus, cujas palavras são "espírito e vida". A fé e a doutrina da fé são inseparáveis. Em algum momento da vida, podem, de maneira provisória, estar separadas, mas sempre com a tendência a encontrar-se em uma mesma pessoa, o fiel cristão.

Explico: uma criança pequena, recém-batizada, recebe, de fato, o dom da fé como virtude teologal, ainda que não esteja ainda capacitada para professá-la, já que a Igreja faz isso em seu nome enquanto é criança; mas não há dúvida de que essa fé incipiente deva conformar-se com o conhecimento e adesão pessoal à doutrina da fé.

Você afirma que, "se cremos, cremos em algo, em uma doutrina". Isso é parcialmente verdadeiro. Nós cremos, em primeiro lugar, em Alguém cuja autoridade reconhecemos e em quem colocamos nossa confiança.

A fé é, em primeiro lugar, resposta a Deus, que vem ao nosso encontro e se dá a conhecer a nós. Lembre-se que o símbolo da fé começa dizendo "Creio em Deus...", e não simplesmente "Creio que Deus existe...".

É igualmente importante que esta adesão a Deus e à sua autoridade exija aceitar como verdade aquilo que Deus nos revela. A fé não pode se separar da verdade.

O Papa Francisco ensina na Lumen fidei: "O homem precisa de conhecimento, precisa de verdade, porque sem ela não se mantém de pé, não caminha. Sem verdade, a fé não salva, não torna seguros os nossos passos. Seria uma linda fábula, a projeção dos nossos desejos de felicidade, algo que nos satisfaz só na medida em que nos quisermos iludir; ou então reduzir-se-ia a um sentimento bom que consola e afaga, mas permanece sujeito às nossas mudanças de ânimo, à variação dos tempos, incapaz de sustentar um caminho constante na vida. (...) Lembrar esta ligação da fé com a verdade é hoje mais necessário do que nunca, precisamente por causa da crise de verdade em que vivemos" (n. 24-25).

Se não acreditamos ou não vivemos a doutrina, ela não alegra nem salva. 



Sábado, 25/04/2015 - Aleteia / Paulo Alves 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...