Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/09/2018

Queridos filhos,

As Minhas palavras são simples, mas repletas de amor materno e de preocupação. Filhos MEUS, sobre vocês se alargam sempre mais as sombras das trevas e do engano, Eu os chamo em direção a luz e a verdade, Eu os chamo na direção de Meu Filho. Somente Ele pode converter o desespero e a dor em paz e serenidade, somente ELE pode dar esperança nas dores mais profundas. O MEU FILHO é a VIDA do mundo, e quanto mais O conhecerem, mais se aproximarão DELE e mais O amarão porque o MEU FILHO é AMOR e o AMOR muda tudo.

ELE torna maravilhoso também aquilo que sem amor pareça para vocês insignificante. Por isso novamente os digo que vocês devem amar muito se desejarem crescer espiritualmente. EU sei, apóstolos do MEU AMOR, que não sempre fácil, porém, filhos MEUS, também as estradas dolorosas são caminhos que levam ao crescimento espiritual, à fé e ao MEU FILHO.

Filhos MEUS, rezem, pensem em MEU FILHO durante todos os momentos do dia, elevem as suas almas até ELE e EU recolherei as suas orações como flores do jardim mais belo e as darei de presente ao MEU FILHO.

Sejam realmente apóstolos do MEU AMOR, deem a todos o AMOR de MEU FILHO, sejam jardins com as flores mais belas.

Com a oração ajudem os seu sacerdotes para que possam ser pais espirituais cheios de amor para todos os homens.

Obrigada.

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Se queres, podes limpar-me...

EVANGELHO DO DIA 15/02/2015 - Marcos: Mc 1,40-45

Naquele tempo, um leproso chegou perto de Jesus e, de joelhos, pediu: “Se queres, tens o poder de curar-me”. Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão, tocou nele e disse: “Eu quero: fica curado!”. No mesmo instante a lepra desapareceu e ele ficou curado. Então Jesus o mandou logo embora, falando com firmeza: “Não contes nada disso a ninguém! Vai, mostra-te ao sacerdote e oferece, pela tua purificação, o que Moisés ordenou, como prova para eles!” Ele foi e começou a contar e a divulgar muito o fato. Por isso Jesus não podia mais entrar publicamente numa cidade; ficava fora, em lugares desertos. E de toda parte vinham procurá-lo.
 
- Palavra da salvação.

- Glória a vós, Senhor!    


COMENTÁRIO DO EVANGELHO

Querer é poder? Não para nós. Só para Deus. O que está ao nosso alcance é a atitude do leproso deste Evangelho, que faz uma aposta no querer de Deus e se abandona plenamente ao toque de suas mãos.
 
É fácil? Não. É difícil? Também não. É uma questão de fé, não de humano esforço. E existem vários níveis de fé. Se entro em um ônibus, faço um ato de fé no motorista. Se sofro uma cirurgia, faço um ato de fé no anestesista e no cirurgião. Trata-se de uma atitude de abandono que realizamos como algo inevitável.
 
É diferente a fé do leproso. No caso dele, a única inevitável era a certeza de seu mal, a realidade de sua exclusão social, a fatalidade de seu destino. No entanto, pulsa em seu íntimo uma força que supera toda limitação da natureza humana. Quando Jesus se referiu a esta força, afirmou que ela poderia transportar montanhas (cf. Mt 17,20).
 
No mínimo, este Evangelho poderia ensinar-nos o segredo da oração cristã. Levando em conta não as nossas forças, mas o poder e a bondade daquele a quem nos dirigimos, nossa oração se torna onipotente.
 
Eis a reflexão de Pascásio Radbert [785-860 d.C.]:
 
“Este leproso nos dá excelente conselho sobre a maneira de rezar. Ele não põe em dúvida a vontade de Senhor, como se recusasse crer em sua bondade, mas, consciente da gravidade de suas faltas, não quer presumir essa vontade. Quando diz que o Senhor, se o quiser, pode purificá-lo, ele faz bem em afirmar desse modo o poder que pertence ao Senhor, bem como sua fé inquebrantável. É que, para obter uma graça, requer-se a fé pura e verdadeira, tanto quanto a atuação do poder e da bondade do Criador.
 
A fé pura, vivida no amor, mantida pela esperança, paciente na espera, humilde em sua afirmação, firme na confiança, cheia de respeito em sua oração e de sabedoria naquilo que pede, está certa de ouvir, em toda circunstância, esta palavra do Senhor: ‘Eu o quero!’
 
Tendo presente ao espírito esta resposta admirável, nós devemos reagrupar as palavras segundo o seu sentido. Assim, o leproso disse para começar: ‘Senhor, se queres...’, e o Senhor: ‘Eu o quero’. Tendo o leproso acrescentado: ‘Tu podes limpar-me’, o Senhor ordenou com o poder de sua palavra: ‘Sê limpo!’ Verdadeiramente, tudo que o pecador proclamou em uma autêntica confissão de fé, a bondade e o poder divinos logo o realizaram por graça.”
 
Pausa para reconhecer: não é verdade que rezamos pouco? Não é verdade que não esperamos muito de Deus? Não é verdade que a certeza de nossa falta de méritos trava nossa oração, como se Deus fosse médico só para os sadios?
 
Bendito leproso, que acredita mais no Médico que em sua própria lepra!
 
Orai sem cessar: “Lava-me, Senhor, de toda a minha culpa!” (Sl 51,4)


Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...