Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/12/2017

“Queridos filhos, Me dirijo a vocês como sua Mãe, a Mãe dos justos, a Mãe daqueles que amam e sofrem, a Mãe dos santos.

Filhos Meus, também vocês podem ser santos: depende de vocês. Santos são aqueles que amam imensamente o Pai Celestial, aqueles que O amam acima de tudo.

Por isso, filhos Meus, procurem ser sempre melhores. Se procuraram ser bons, podem ser santos, também se não pensam isto de vocês. Se vocês pensam ser bons, não são humildes e a soberba os distancia da santidade.

Neste mundo inquieto, cheio de ameaças, as suas mãos, apóstolos do Meu amor, devem estar estendidas em oração e em misericórdia. Para mim, filhos Meus, presenteiem o Rosário, as rosas que tanto amo!

As Minhas rosas são as suas orações feitas com o coração e não somente recitadas com os lábios. As minhas rosas são as suas obras de oração, de fé e de amor.

Quando era pequeno, Meu Filho me dizia que os Meus filhos seriam numerosos e que me trariam muitas rosas.

Eu não compreendia, agora sei que vocês são aqueles filhos, que trazem rosas quando amam o Meu Filho acima de tudo, quando rezam com o coração, que ajudam os mais pobres. Estas são as Minhas rosas!

Esta é a fé, que faz que tudo na vida se faça por amor; que não conhece a soberba; que perdoa sempre prontamente, sem nunca julgar e procurando sempre compreender o próprio irmão.

Por isso, apóstolos do Meu amor, rezem por aqueles que não sabem amar, por aqueles que não os amam, por aqueles que os fizeram mal, por aqueles que não conheceram o Amor de Meu Filho. Filhos Meus, os peço isto para que lembrem que rezar significa amar e perdoar. Obrigada !”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Papa adverte: indiferença e egoísmo estão sempre à espreita

Na manhã desta segunda-feira (16/02), o Papa Francisco recebeu os membros da “Pro Petri Sede”, uma associação da Bélgica, Luxemburgo e Países Baixos, que oferece ajudas econômicas para as necessidades da Santa Sé.

A audiência foi a ocasião para o Papa falar da solidariedade e da caridade. “O número crescente de pessoas marginalizadas e que vivem em grande precariedade nos interpela e exige um ímpeto de solidariedade para dar a elas o amparo material e espiritual de que necessitam”, afirmou Francisco, acrescentando que, ao mesmo tempo, “temos muito a receber dos pobres”.

“Em meio às suas dificuldades, eles são com frequência testemunhas do essencial, dos valores familiares; são capazes de compartilhar com quem é mais pobre do que eles e são capazes de exultar, como pude constatar inclusive na minha recente viagem apostólica à Ásia.”

O Pontífice recordou que a indiferença e o egoísmo estão sempre à espreita. Por isso, a atenção aos pobres nos enriquece, colocando-nos no caminho da humildade e da verdade. Além disso, a presença deles evoca a nossa humanidade comum, a fragilidade da vida, a dependência de Deus e dos irmãos.

Por fim, Francisco agradeceu aos membros da Associação pelo trabalho que prestam aos mais necessitados em várias partes do mundo, convidando-os a rezarem com insistência pela paz, “para que os responsáveis políticos encontrem caminhos de diálogo e de reconciliação”. 


Segunda, 16/02/2015 - RV / Paulo Alves
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...