Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/07/2017

“Queridos filhos, os agradeço porque responderam ao Meu chamado e porque se reuniram em torno de Mim, em torno da Sua Mãe Celestial. Eu sei que pensam em Mim com amor e esperança. Eu sinto o amor de cada um de vocês, como também a sede do Meu Amadíssimo Filho, que por meio do Seu Amor Misericordioso, sempre e novamente Me envia até vocês. Ele que era homem e Deus Uno e Trino. Ele que por causa de vocês sofreu com o corpo e com a alma. Ele que se fez pão para dar pão às suas almas, para poder salvá-las.

Meus filhos, os ensino como serem dignos do Seu Amor, para poderem dirigir os seus pensamentos a Ele, para poderem viver o Meu Filho. Apóstolos do Meu Amor, os envolvo com o Meu Manto porque como Mãe desejo salvá-los.

Os peço: rezem pelo mundo inteiro. O Meu Coração sofre. Os pecados se multiplicam, são muitos. Mas com a ajuda de vocês, vocês que são humildes, cheios de amor, escondidos e santos, o Meu Coração triunfará. Amem o Meu Filho acima de tudo, e o mundo inteiro por meio Dele.

Não esqueçam nunca que cada irmão seu leva em si algo de precioso: a alma. Por isso, Meus filhos, amem a todos aqueles que não conhecem o Meu Filho, para que por meio da oração e do amor que vem da oração, eles possam tornarem-se melhores, a fim de que a bondade neles possa vencer, para poder salvarem as almas e terem a Vida Eterna.

Meus Apóstolos, Meus filhos, o Meu Filho pediu que amassem uns aos outros; que isto esteja escrito em seus corações e com a oração comecem a viver este amor.

Obrigada.

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

O papel da mulher na Igreja e na sociedade será tema de encontro no Vaticano

Refletir sobre o papel da mulher em diversos âmbitos da sociedade e da Igreja é o objetivo da Assembleia Plenária do Pontifício Conselho da Cultura deste ano que tratará sobre o tema “As culturas femininas: entre igualdades e diferença”, a ser realizada de 4 a 7 de fevereiro em Roma (Itália)

O programa do encontro foi apresentado na Sala de Imprensa da Santa Sé na manhã desta segunda-feira pelo Cardeal Gianfranco Ravasi, Presidente do Pontifício Conselho para a Cultura. Também estiveram presentes Anna Maria Tarantola, Presidente da RAI; Mónica Maggioni, Diretora Rai News 24, Consuelo Corradi, professora de sociologia geral e pró-reitora da Universidade LUMSA em Roma; e a atriz Nancy Brilli.

A assembleia se dividirá em quatro sessões que tratarão sobre “Entre igualdade e diferença: A busca de um equilíbrio”, “A geratividade como código simbólico”, “O corpo feminino: entre cultura e biologia” e “As mulheres e a religião: fuga ou novas formas de participação na vida da Igreja?'”.

Assim, se conversará sobre antropologia cultural e a análise sociológica da participação das mulheres nas diversas culturas de hoje, assim como a maternidade, característica própria da mulher.

A Plenária também se perguntará sobre o valor do corpo feminino, a força comunicativa e a capacidade relacional das mulheres. Deste modo se tratará sobre a participação das mulheres na vida da Igreja.

Nesse sentido, o documento de trabalho fará perguntas como: “Quais são os espaços que se propõem às mulheres na vida da Igreja? Nós as acolhemos levando em consideração as diferentes sensibilidades culturais, sociais e de identidade? Já nos perguntamos qual é o tipo de mulher que a Igreja atual precisa?”.

O texto fala também da cirurgia estética, enquadrada “como uma entre tantas possíveis manipulações do corpo que exploram os limites em relação ao conceito de identidade”. Também será abordado o uso da mulher na publicidade e nos meios de comunicação.

O maltrato e assassinato de mulheres, o aborto, o tráfico de mulheres, ou os casamentos de conveniências são outros temas que serão analisados nestas reuniões.

Na Assembleia participarão os 31 membros e 35 consultores deste Pontifício Conselho. Em 4 de fevereiro às 15h30 (hora de Roma) acontecerá o encontro chamado “O ponto de vista das mulheres”, com vídeos, testemunhos e música no Teatro Argentina da capital italiana.

Durante a apresentação do evento, o Cardeal Ravasi explicou que falar de “cultura feminina” não significa dividi-la da masculina, mas sim mostrar que existe uma visão diferente sobre o mundo e o que nos rodeia que é o das mulheres.

Assegurou também que está em fase de estudo a criação de um grupo de consulta feminino por parte do dicastério que preside.



Terça, 03/02/2015 - ACI / Paulo Alves
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...