Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/12/2017

“Queridos filhos, Me dirijo a vocês como sua Mãe, a Mãe dos justos, a Mãe daqueles que amam e sofrem, a Mãe dos santos.

Filhos Meus, também vocês podem ser santos: depende de vocês. Santos são aqueles que amam imensamente o Pai Celestial, aqueles que O amam acima de tudo.

Por isso, filhos Meus, procurem ser sempre melhores. Se procuraram ser bons, podem ser santos, também se não pensam isto de vocês. Se vocês pensam ser bons, não são humildes e a soberba os distancia da santidade.

Neste mundo inquieto, cheio de ameaças, as suas mãos, apóstolos do Meu amor, devem estar estendidas em oração e em misericórdia. Para mim, filhos Meus, presenteiem o Rosário, as rosas que tanto amo!

As Minhas rosas são as suas orações feitas com o coração e não somente recitadas com os lábios. As minhas rosas são as suas obras de oração, de fé e de amor.

Quando era pequeno, Meu Filho me dizia que os Meus filhos seriam numerosos e que me trariam muitas rosas.

Eu não compreendia, agora sei que vocês são aqueles filhos, que trazem rosas quando amam o Meu Filho acima de tudo, quando rezam com o coração, que ajudam os mais pobres. Estas são as Minhas rosas!

Esta é a fé, que faz que tudo na vida se faça por amor; que não conhece a soberba; que perdoa sempre prontamente, sem nunca julgar e procurando sempre compreender o próprio irmão.

Por isso, apóstolos do Meu amor, rezem por aqueles que não sabem amar, por aqueles que não os amam, por aqueles que os fizeram mal, por aqueles que não conheceram o Amor de Meu Filho. Filhos Meus, os peço isto para que lembrem que rezar significa amar e perdoar. Obrigada !”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Religiosa celebra 90 anos de Vida Consagrada

A Inspetoria Salesiana das Filhas de Maria Auxiliadora - Madre Mazzarello, em Belo Horizonte (MG), divulgou na terça-feira, dia 6, uma homenagem à irmã Irene Lanna, por ocasião de seus 90 anos de Vida Religiosa Consagrada. O texto destaca a serenidade e o testemunho da religiosa de 111 anos de idade. “Irmã Irene é forte sinal de doação da vida, de sentido dado à sua longa existência. Portanto torna-se para a sociedade, para o jovem, para as Irmãs, esperança-certeza de que, o duradouro tem grande valor – a vida bem vivida, a vida consagrada a uma grande causa: Jesus Cristo e seu Reino”, resume o tributo.

Nascida em 11 de junho de 1903, na cidade de Ponte Nova (MG), irmã Irene Lanna foi aluna interna da escola normal Nossa Senhora Auxiliadora, sediada em sua cidade natal. Aos 18 anos, após concluir o Magistério, ingressou no Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora. Em julho de 1922, iniciou o Postulado no Colégio Santa Inês (SP). No ano seguinte, entrou no Noviciado, em 06 de janeiro de 1923. Dois anos depois, após retiro espiritual, encerrado na Festa da Epifania do Senhor, foi celebrada a Primeira Profissão de Irene e de outras seis noviças.

Após a profissão, irmã Irene deu início ao seu trabalho como professora nos colégios Salesianos. Passou por São Paulo (SP), Corumbá (MS), Niterói (RJ), Campos (RJ) e Guaratinguetá (SP). Na cidade do interior paulista fez a Profissão Perpétua, em 1930. A religiosa ainda atuou como cronista, conselheira inspetorial, diretora de comunidade, de escola, além de conselheira provincial.

A partir da década de 1940, irmã Irene passou por cidades de Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Rio de Janeiro. Em 1973, foi vigária local na escola em que estudou. Aos 87 anos de idade, após mais de 60 anos de dedicação à educação católica, mudou-se para a Casa de Repouso Madre Mazzarello, onde se encontra até hoje. “Bastante lúcida, amavelmente, agradece a quem a visita ou lhe presta um serviço, como às enfermeiras pelos cuidados”, salienta o texto em sua homenagem.

As companheiras de congregação a consideram “esteio da Província”, por causa da colaboração da vida e da missão das Filhas de Maria Auxiliadora. As religiosas ainda ressaltam “seu modo de ser, sua fidelidade serena, sua tenacidade, coerência e delicadeza de coração”.


“111 anos de lucidez, embora já frágil, comunica a fortaleza cultivada na fé, na fraternidade e no trabalho cotidiano, na serenidade que testemunhou na comunidade e na missão e que continua como forte testemunho de fidelidade e de entrega ao Senhor, alicerçada na oração, no amor à Eucaristia e a Maria Auxiliadora”, considera a Inspetoria.


Quinta, 08/01/2015 - CNBB / Paulo Alves
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...