Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/12/2017

“Queridos filhos, Me dirijo a vocês como sua Mãe, a Mãe dos justos, a Mãe daqueles que amam e sofrem, a Mãe dos santos.

Filhos Meus, também vocês podem ser santos: depende de vocês. Santos são aqueles que amam imensamente o Pai Celestial, aqueles que O amam acima de tudo.

Por isso, filhos Meus, procurem ser sempre melhores. Se procuraram ser bons, podem ser santos, também se não pensam isto de vocês. Se vocês pensam ser bons, não são humildes e a soberba os distancia da santidade.

Neste mundo inquieto, cheio de ameaças, as suas mãos, apóstolos do Meu amor, devem estar estendidas em oração e em misericórdia. Para mim, filhos Meus, presenteiem o Rosário, as rosas que tanto amo!

As Minhas rosas são as suas orações feitas com o coração e não somente recitadas com os lábios. As minhas rosas são as suas obras de oração, de fé e de amor.

Quando era pequeno, Meu Filho me dizia que os Meus filhos seriam numerosos e que me trariam muitas rosas.

Eu não compreendia, agora sei que vocês são aqueles filhos, que trazem rosas quando amam o Meu Filho acima de tudo, quando rezam com o coração, que ajudam os mais pobres. Estas são as Minhas rosas!

Esta é a fé, que faz que tudo na vida se faça por amor; que não conhece a soberba; que perdoa sempre prontamente, sem nunca julgar e procurando sempre compreender o próprio irmão.

Por isso, apóstolos do Meu amor, rezem por aqueles que não sabem amar, por aqueles que não os amam, por aqueles que os fizeram mal, por aqueles que não conheceram o Amor de Meu Filho. Filhos Meus, os peço isto para que lembrem que rezar significa amar e perdoar. Obrigada !”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Crenças religiosas jamais devem ser usadas para justificar a guerra e a violência

 “Pelo bem da paz, nunca se deve permitir que as crenças religiosas sejam utilizadas para justificar a violência e a guerra”, disse o Papa Francisco em seu discurso aos líderes religiosos do Sri Lanka no Bandaranaike Memorial International Conference Hall da capital cingalesa. No encontro com os líderes budistas, muçulmanos, hindus e cristãos do Sri Lanka, o Santo Padre assinalou que “temos que exigir às nossas comunidades, com claridade e sem equívocos, que vivam plenamente os princípios da paz e da convivência encontrados em cada religião, e denunciar os atos de violência que se cometam”.

O Pontífice, que foi o último dos líderes religiosos em dirigir seu discurso, disse também às autoridades que “a Igreja Católica deseja cooperar com vocês, e com todos os homens de boa vontade, na busca da prosperidade de todos os cidadãos do Sri Lanka”. “Espero que minha visita ajude a impulsionar e aprofundar nas diversas formas de cooperação inter-religiosa e ecumênica que se empreenderam nos últimos anos”, afirmou.

“Estas iniciativas louváveis brindaram oportunidades para o diálogo, que é essencial se queremos conhecer, compreender e respeitar a outros. Mas, como demonstra a experiência, para que este diálogo e encontro seja eficaz, deve apoiar-se em uma apresentação completa e sincera de nossas respectivas convicções”.

O Santo Padre disse logo que “certamente, esse diálogo ressaltará a variedade de nossas crenças, tradições e práticas. Mas se formos honestos na apresentação de nossas convicções, seremos capazes de ver com mais claridade o que temos em comum. Abrir-se-ão novos caminhos para a mútua avaliação, a cooperação e, certamente, a amizade”.

“Esses desenvolvimentos positivos nas relações inter-religiosas e ecumênicas adquirem um significado particular e urgente no Sri Lanka. Durante muitos anos, os homens e mulheres deste país foram vítimas de conflitos civis e violência. O que se necessita agora é a recuperação e a unidade, não novos enfrentamentos e divisões”.

O Papa Francisco assegurou deste modo que “sem dúvida, o fomento da cura e da unidade é uma nobre tarefa que incumbe a todos os que se interessam pelo bem da nação e, no fundo, por toda a família humana. Espero que a cooperação inter-religiosa e ecumênica demonstre que os homens e as mulheres não têm que renunciar a sua identidade, já seja étnica ou religiosa, para viver em harmonia com seus irmãos e irmãs”.

“Quantos modos os crentes das diferentes religiões podem levar adiante este serviço. Quantas são as necessidades que devem ser atendidas com o bálsamo curativo da solidariedade fraterna. Penso particularmente nas necessidades materiais e espirituais dos pobres, dos indigentes, de quantos desejam uma palavra de consolo e esperança. Penso também nas tantas famílias que seguem chorando a perda de seus seres queridos”.

O Santo Padre disse ao concluir que “especialmente neste momento da história de sua nação, quantas pessoas de boa vontade estão tentando reconstruir os fundamentos morais da sociedade em seu conjunto! Que o crescente espírito de cooperação entre os líderes das diferentes comunidades religiosas se expresse no compromisso de colocar a reconciliação de todos os habitantes do Sri Lanka no centro dos esforços por renovar a sociedade e suas instituições”.


Terça, 13/01/2015 - ACI / Paulo Alves
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...