Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/08/2018

“Queridos filhos,

Com amor materno os convido a abrirem os seus corações à paz, a abrirem os seus corações ao MEU FILHO, a cantar em seus corações o amor ao MEU FILHO, porque somente através deste amor chega a paz da alma.

Filhos MEUS, EU sei que vocês tem a bondade, sei que vocês tem o amor, o amor misericordioso. Mas, muitos dos MEUS filhos ainda tem os corações fechados, pensam que podem agir sem colocar os seus pensamentos ao PAI CELESTIAL que ilumina, diante do MEU FILHO que está sempre e novamente com vocês na EUCARISTIA e que deseja ouvi-los.

Filhos Meus, porque não falam para eles ? A vida de cada um de vocês é importante e preciosa porque é um dom do PAI CELESTIAL para a ETERNIDADE, por isso nunca se esqueçam de agradecê-LO e falar com ELE.

Eu sei, filhos MEUS, que para vocês é desconhecido aquilo que virá depois, porém quando chegar o “depois” de vocês, terão todas as respostas. O MEU amor materno deseja que vocês estejam prontos.

Filhos MEUS, com a vida de vocês coloquem sentimentos bons nos corações das pessoas que vocês encontrarem, sentimentos de paz, de bondade, de amor e de perdão. Através da oração escutem o que lhes diz o MEU FILHO e assim o façam.

Novamente os convido a rezarem pelos seus sacerdotes, por aqueles a quem o MEU FILHO chamou; lembrem-se que eles tem necessidade de orações e de amor.

Obrigada.”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Rezar não é perder tempo, diz Papa Francisco

 No discurso aos participantes da assembleia plenária dos religiosos e consagrados na manhã de hoje, o Papa Francisco assegurou que “rezar não é perder tempo, adorar Deus não é perder tempo, louvar Deus não é perder tempo”.

Assim indicou o Santo Padre nas suas palavras aos participantes da plenária da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, a quem assinalou: “Digam aos novos membros, por favor, digam que rezar não é perder tempo, adorar Deus não é perder tempo, louvar Deus não é perder tempo. Se nós consagrados não paramos todos os dias diante de Deus na gratuidade da oração, o vinho será vinagre!”.

O Papa fez esta afirmação em relação ao tema da plenária “Vinho novo em odres novos”. Aos cerca de 80 participantes, o Santo Padre disse que “na parcela da vinha do Senhor representada pelos que escolheram imitar a Cristo mais de perto mediante a profissão dos conselhos evangélicos, amadureceu a uva nova e se espremeu o vinho novo”.

“Nestes dias se propôs discernir a qualidade e o sabor do ‘vinho novo’ colhido na longa temporada da renovação, e ao mesmo tempo avaliar se os odres que o contêm, representados pelas formas institucionais presentes hoje em dia na vida consagrada, são adequados para conter este ‘vinho novo’ e favorecer o seu pleno amadurecimento”.

“Como lhes recordei outras vezes não devemos ter medo de deixar os ‘odres velhos’: quer dizer, de renovar os hábitos e as estruturas que, na vida da Igreja e, portanto, também na vida consagrada já não respondem ao que Deus pede hoje para fazer avançar o seu Reino no mundo: As estruturas que nos dão falsa proteção e que condicionam o dinamismo da caridade; os hábitos que nos afastam do rebanho ao qual somos enviados e nos impedem de escutar o grito de quantos esperam a Boa Nova de Jesus Cristo”.

O Santo Padre exortou a não esconder “os pontos fracos que a vida consagrada pode ter nos nossos dias como a resistência de alguns setores à mudança, a menor força de atração, o importante número de abandonos, a fragilidade de alguns caminhos de formação, o afã pelas tarefas institucionais e ministeriais em detrimento da vida espiritual, a difícil integração da diversidade cultural e geracional, o problemático equilíbrio no exercício da autoridade e no uso de bens”.

“Preocupa-me também a pobreza... Santo Inácio dizia que a pobreza é a mãe e também o muro da vida consagrada. E é mãe também porque dá vida e como muro protege do mundanismo. Continuem querendo escutar os sinais do Espírito que abre novos horizontes e empurra a novos caminhos, sempre partindo da regra suprema do Evangelho e inspirados pela audácia criativa de seus fundadores e fundadoras”.

O Papa enumerou depois os critérios de orientação a seguir na “árdua tarefa de avaliar o vinho novo e comprovar a qualidade dos odres que devem contê-lo”, citando entre eles, a originalidade evangélica das opções, a fidelidade carismática, a primazia do serviço, a atenção aos menores e mais frágeis e o respeito pela dignidade de cada pessoa.

Antes de finalizar, animou os presentes a continuarem trabalhando com generosidade e engenho na vinha do Senhor, “para colher o vinho bom que revitaliza a vida da Igreja e alegra os corações de tantos irmãos e irmãs necessitados de sua atenção”.

Logo destacou que “nem a substituição dos odres velhos pelos novos é automática, requer o compromisso e a capacidade para proporcionar o espaço idôneo para acolher e fazer frutificar os dons com que o Espírito continua embelezando a Igreja, sua esposa”.

Para concluir o Papa disse: “não se esqueçam de continuar no caminho de renovação iniciado e, em grande medida, realizado nos últimos cinquenta anos, examinando toda novidade à luz da Palavra de Deus e escutando as necessidades da Igreja e do mundo contemporâneo e utilizando todos os meios que a Igreja põe a sua disposição para avançar no caminho da santidade pessoal e comunitária. E entre estes meios o mais importante é a oração”.


Quinta, 28/11/2014 - ACI / Paulo Alves
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...