Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/02/2018

Queridos filhos !

Vocês a quem o MEU FILHO ama, vocês a quem EU amo imensamente com o MEU AMOR MATERNO, não permitam que o egoísmo e o amar muito a si mesmo reinem no mundo. Não permitam que o amor e a bondade fiquem escondidos. Vocês que são amados, vocês que conheceram o AMOR do MEU FILHO, lembrem-se que ser amado significa amar. Filhos MEUS, tenham fé: quando vocês tem fé, vocês são felizes e difundem a paz. As suas almas exultam de alegria. Nestas almas está o MEU FILHO: quando se doam pela fé, quando se doam pelo amor, quando fazem o bem ao próximo, o MEU FILHO sorri em suas almas. Apóstolos do MEU AMOR, ME dirijo a vocês como MÃE, os reúno em torno de MIM porque desejo conduzí-los no caminho do AMOR e da FÉ, no caminho que leva até a LUZ DO MUNDO. EU estou aqui pelo AMOR e pela FÈ; porque desejo abençoá-los, porque EU desejo, com a MINHA BENÇÂO MATERNA, dar a vocês força e esperança no seu caminho. Porque a estrada que conduz ao MEU FILHO não é fácil, é cheia de renúncias, de dar-se, do sacrifício, do perdão e muito, muito amor mas este caminho conduz à paz e à alegria. Filhos MEUS, não acreditem nas vozes falsas que falam de coisas falsas e de luzes falsas: vocês, filhos MEUS, voltem para a SAGRADA ESCRITURA. Com imenso amor EU os vejo e, PELA GRAÇA DE DEUS, EU ME MANIFESTO A VOCÊS. Filhos Meus, caminham COMIGO. Que as almas de vocês exultem de alegria.

Obrigada.

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Papa lembra os 25 anos da queda do Muro de Berlim e pede o fim das perseguições

O Papa Francisco lembrou hoje no Vaticano o 25.º aniversário da queda do Muro de Berlim, na Alemanha, elogiando o papel de São João Paulo II na reunificação da Europa. “Há 25 anos, a 9 de novembro de 1989, caía o Muro de Berlim, que durante tanto tempo cortou em dois a cidade e foi símbolo da divisão ideológica da Europa e de todo o mundo. A queda aconteceu de repente, mas foi tornada possível pelo longo e cansativo compromisso de tantas pessoas que lutaram, rezaram e sofreram por isso, alguns até ao sacrifício da própria vida”, disse, perante dezenas de milhares de pessoas reunidas para a oração do ângelus, na Praça de São Pedro. Francisco recordou que, neste processo, o Papa São João Paulo II (1920-2005) teve “um papel de protagonista”, uma parte do discurso sublinhada com as palmas dos presentes, incluindo vários peregrinos poloneses. “Rezemos para que com a ajuda do Senhor e a colaboração de todos os homens de boa vontade, se difunda cada vez mais uma cultura do encontro, capaz de fazer cair todos os muros que ainda dividem o mundo”, destacou. O Papa pediu que “já não aconteça que pessoas inocentes sejam perseguidas e mesmo mortas por causa do seu credo e da sua religião”. “Onde há um muro, os corações fecham-se. São precisas pontes, não muros”, acrescentou. Francisco desafiou a Igreja e a humanidade a superar as barreiras da “inimizade” e “indiferença”, procurando construir “pontes de compreensão e de diálogo” para fazer de todo o mundo “uma família de povos reconciliados entre si, fraternos e solidários”: “A Igreja é sinal e antecipação desta nova humanidade, quando vive e difunde com o seu testemunho o Evangelho, mensagem de esperança e de reconciliação para todos os homens”, indicou.

No dia em que o calendário litúrgico católico celebra a dedicação da Basílica de São João de Latrão, a catedral do Bispo de Roma, o Papa assinalou a importância desta data como símbolo do seu ministério de “unidade” e do “edifício espiritual” que é a Igreja. “Ainda hoje a Igreja é chamada a ser no mundo a comunidade que, enraizada em Cristo por meio do batismo, professa com humildade e coragem a fé nele, testemunhando-a na caridade”, precisou. 


Domingo, 09/10/2014 -  SIR / Paulo Alves
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...