Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/08/2018

“Queridos filhos,

Com amor materno os convido a abrirem os seus corações à paz, a abrirem os seus corações ao MEU FILHO, a cantar em seus corações o amor ao MEU FILHO, porque somente através deste amor chega a paz da alma.

Filhos MEUS, EU sei que vocês tem a bondade, sei que vocês tem o amor, o amor misericordioso. Mas, muitos dos MEUS filhos ainda tem os corações fechados, pensam que podem agir sem colocar os seus pensamentos ao PAI CELESTIAL que ilumina, diante do MEU FILHO que está sempre e novamente com vocês na EUCARISTIA e que deseja ouvi-los.

Filhos Meus, porque não falam para eles ? A vida de cada um de vocês é importante e preciosa porque é um dom do PAI CELESTIAL para a ETERNIDADE, por isso nunca se esqueçam de agradecê-LO e falar com ELE.

Eu sei, filhos MEUS, que para vocês é desconhecido aquilo que virá depois, porém quando chegar o “depois” de vocês, terão todas as respostas. O MEU amor materno deseja que vocês estejam prontos.

Filhos MEUS, com a vida de vocês coloquem sentimentos bons nos corações das pessoas que vocês encontrarem, sentimentos de paz, de bondade, de amor e de perdão. Através da oração escutem o que lhes diz o MEU FILHO e assim o façam.

Novamente os convido a rezarem pelos seus sacerdotes, por aqueles a quem o MEU FILHO chamou; lembrem-se que eles tem necessidade de orações e de amor.

Obrigada.”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Papa Francisco a movimentos eclesiásticos: “Preservem a frescura do carisma”

 O Papa Francisco recebeu os mais de 300 participantes do III Congresso mundial de Movimentos e Novas Comunidades, organizado pelo Pontifício Conselho para os Leigos e que congregou os fundadores e responsáveis pelas diversas comunidades e movimentos espalhados pelo mundo. Durante as palavras que o Santo Padre dirigiu na Sala Clementina do Palácio Apostólico Vaticano, pediu que os membros dos diversos movimentos presentes “preservem a frescura do carisma” renovando sempre “o primeiro amor”. O Papa fez alusão à necessidade da conversão e a missão”, que estão “intimamente ligadas” porque “sem uma autêntica conversão do coração e da mente não se anuncia o Evangelho”.

Como já havia feito em outras ocasiões, Francisco quis dar uma série de conselhos a estas realidades eclesiásticas que agora se projetam “na fase da maturidade eclesiástica, que requer uma vigilância de conversão permanente, com o fim de fazer sempre mais viva e fecunda o impulso da evangelização”. Estes conselhos giraram sobre a ação do Espírito Santo, o acompanhamento às pessoas e sobre tudo aos jovens e, por último, a comunhão com o resto da Igreja.

Primeiramente, o Papa Francisco sublinhou que “com o tempo cresce a tentação de contentar-se, de tornar-se rígido em esquemas tranquilizantes mas estéreis”.

Por isso, o Papa os convidou a não permanecerem nos “método e formas”, mas a “responder com renovado entusiasmo à chamada do Senhor” já que “foi a coragem evangélica o que permitiu o nascimento dos movimentos” e porque “se os métodos forem defendidos radicalmente “se tornam ideológicos” e “fechados à novidade do Espírito e acabarão por sufocar o carisma que os gerou”.
“Sempre se deve voltar para as fontes dos carismas e encontrar o impulso missionário para confrontar os desafios de hoje”, destacou o Papa.

No segundo ponto o Papa se referiu ao modo “de acolher e acompanhar os homens do nosso tempo, em particular os jovens” e esclareceu que existe hoje uma humanidade ferida, “especialmente a família sofre graves dificuldades”.

Por último, o Papa Francisco pediu aos movimentos cultivar a comunhão com toda a Igreja, que é a graça suprema que Jesus conquistou na cruz”. “Para que o mundo creia que Jesus é o Senhor precisa ver a comunhão entre os cristãos, mas se virem divisões, rivalidades e maledicência, seja qual for a causa, como se pode evangelizar?”.

Portanto, prosseguiu, “a verdadeira comunhão não pode existir em um movimento ou em uma nova comunidade se não for integrada na comunhão maior que é nossa mãe, a Igreja Hierárquica”, alertou o Papa, e assegurou que “os movimentos e novas comunidades estão chamados a curar as feridas produzidas por uma mentalidade globalizada que põe no centro o consumo, esquecendo a Deus e os valores essenciais da existência”.

Para concluir, o Santo Padre assegurou a todos que é consciente dos frutos “para a Igreja e o mundo inteiro” destes carismas e desejou que “com a ajuda do Espírito Santo” os movimentos deem “outros ainda maiores”.


Domingo, 23/11/2014 - ACI / Paulo Alves
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...