Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/08/2018

“Queridos filhos,

Com amor materno os convido a abrirem os seus corações à paz, a abrirem os seus corações ao MEU FILHO, a cantar em seus corações o amor ao MEU FILHO, porque somente através deste amor chega a paz da alma.

Filhos MEUS, EU sei que vocês tem a bondade, sei que vocês tem o amor, o amor misericordioso. Mas, muitos dos MEUS filhos ainda tem os corações fechados, pensam que podem agir sem colocar os seus pensamentos ao PAI CELESTIAL que ilumina, diante do MEU FILHO que está sempre e novamente com vocês na EUCARISTIA e que deseja ouvi-los.

Filhos Meus, porque não falam para eles ? A vida de cada um de vocês é importante e preciosa porque é um dom do PAI CELESTIAL para a ETERNIDADE, por isso nunca se esqueçam de agradecê-LO e falar com ELE.

Eu sei, filhos MEUS, que para vocês é desconhecido aquilo que virá depois, porém quando chegar o “depois” de vocês, terão todas as respostas. O MEU amor materno deseja que vocês estejam prontos.

Filhos MEUS, com a vida de vocês coloquem sentimentos bons nos corações das pessoas que vocês encontrarem, sentimentos de paz, de bondade, de amor e de perdão. Através da oração escutem o que lhes diz o MEU FILHO e assim o façam.

Novamente os convido a rezarem pelos seus sacerdotes, por aqueles a quem o MEU FILHO chamou; lembrem-se que eles tem necessidade de orações e de amor.

Obrigada.”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

O verdadeiro cristão não tem medo de “sujar as mãos” com os pecadores

Papa Francisco na Missa da Casa Santa Marta
 Foto: L'Osservatore Romano
O verdadeiro cristão arrisca sua vida, sua fama e sua comodidade para que ninguém se perca, afirmou nesta quinta-feira o Papa Francisco durante a Missa na Casa Santa Marta, de onde chamou os sacerdotes e fiéis a não terem medo “de sujar as mãos” para ir ao encontro dos pecadores, e a não serem como os fariseus e escribas que para evitar o escândalo ficam “na metade do caminho”.

“O verdadeiro pastor, o verdadeiro cristão tem este zelo interior: que ninguém se perca. E por isso não tem medo de sujar as mãos. Não tem medo. Vai aonde tem que ir. Arrisca sua vida, sua fama, arrisca perder a sua comodidade, o seu status, perder também na carreira eclesiástica, mas é bom pastor. Também os cristãos devem ser assim”, assinalou o Santo Padre durante a sua homilia onde abordou a parábola da ovelha e a moeda perdidas.

Francisco recordou que os fariseus e escribas se escandalizaram porque Jesus “acolhe os pecadores e come com eles”.

“Era um verdadeiro escândalo naquele tempo, para estas pessoas”. “Imaginemos se naquele tempo tivessem existido os jornais”, expressou o Papa.

“Mas Jesus veio para isso: para ir buscar aqueles que se afastaram do Senhor”, afirmou o Papa, e indicou que ambas as parábolas “nos mostram como é o coração de Deus”, pois “Deus não para, não vai só até certo ponto, mas vai até o final, no limite; não para no meio do caminho da salvação. Não diz: ‘Eu fiz tudo, agora o problema é deles’. Ele vai, sai”.

“Os fariseus e os escribas, por sua vez, param na metade do caminho. Eles se importavam somente que o balanço das perdas e ganhos fosse mais ou menos favorável, e ficavam tranquilos. Isto não entrava na cabeça de Deus, Deus não é um negociante, Deus é Pai e salva até o fim, até o limite. O amor de Deus é isso”, assinalou o Papa.

“É triste o pastor que abre a porta da Igreja e fica ali, esperando. É triste o cristão que não sente dentro, no coração, a necessidade de contar aos outros que o Senhor é bom. Mas quanta perversão existe no coração daqueles que se crêem justos, como os escribas e os fariseus... É, eles não queriam sujar suas mãos com os pecadores. Lembram-se do que pensavam? ‘Se ele fosse profeta, saberia que ela é uma pecadora’. Usavam as pessoas e depois as desprezavam”, denunciou Francisco.

Por isso, advertiu que “ser um pastor ‘pela metade’ é uma derrota. Um pastor deve ter o coração de Deus, ir até o limite, porque não quer que ninguém se perca”.

“É tão fácil condenar os outros, como faziam os publicanos, os pecadores. É tão fácil, mas não é cristão, eh? Não é comportamento de filhos de Deus. O Filho de Deus vai ao limite, dá a vida pelo outros, como fez Jesus. Não pode ficar tranquilo, protegendo si mesmo: a sua comodidade, a sua fama, a sua tranquilidade. Lembrem-se disso: que jamais existam pastores e cristãos que ficam no meio do caminho!", expressou.

O Papa reiterou que “o bom pastor, o bom cristão sai, está sempre em saída: está em saída de si mesmo, em saída rumo a Deus, na oração, na adoração; está em saída rumo aos outros para levar a mensagem de salvação”.

“Esses escribas, fariseus não sabiam o que significa carregar a ovelha sobre os ombros, com ternura, e reconduzi-la a seu lugar, junto às outras. Essas pessoas não sabiam o que é alegria. O cristão e o pastor do meio do caminho talvez conheçam a diversão, a tranquilidade, mas não a verdadeira alegria que vem de Deus, que vem para salvar! É belo não sentir medo de quem fala mal de nós para encontrar os irmãos e irmãs que estão distantes do Senhor. Peçamos esta graça para cada um de nós e para a nossa Mãe, a Santa Igreja”, concluiu.



Quinta, 06/11/2014 - ACI/EWTN Noticias / Paulo Alves 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...