Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/09/2017

Queridos filhos !

Quem melhor do que EU poderia falar para vocês do Amor e da existência do MEU FILHO ?

Vivi com ELE, EU sofri com ele, vivendo a vida terrena, EU provei da dor porque era MÃE.

MEU FILHO amou com pensamentos e obras o PAI CELESTIAL, o DEUS VERDADEIRO, e como ME dizia veio para redimi-los. EU escondi a minha dor com o amor. Vocês, filhos MEUS, tem numerosas perguntas, não compreendem a dor, não compreendem que através do Amor de Deus devem aceitar a dor e suportá-la. Todas as pessoas provam-na em maior ou menor medida, mas com a paz na alma e em estado de graça a esperança existe.

Este é o MEU FILHO, DEUS, nascido de DEUS. As SUAS PALAVRAS são sementes de Vida Eterna e semeadas nas boas almas produzem muitos frutos.

MEU FILHO suportou a dor porque tomou para si os pecados de vocês.

Por isso vocês, filhos MEUS, Apóstolos do MEU Amor, vocês que sofrem, saibam que as suas dores se tornarão luz e glória.

Filhos MEUS, enquanto vocês suportam a dor o CÉU entra em vocês, e em todos em torno de vocês é dado um pouco de Céu e muita esperança !

Obrigada !

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Cristo veio levar as culturas à sua plenitude não para destrui-las, afirma o Papa

A atualização dos métodos catequéticos para a inculturação, a defesa da família, do papel da mulher e a necessidade do diálogo com as outras religiões em um país onde os católicos são minoria são os temas principais do discurso que o Papa Francisco entregou ontem aos bispos do Chade no final da visita “ad limina”.

O Santo Padre escreve que as comunidades católicas nesse país “crescem, não só numericamente, mas também na qualidade e na força de seu compromisso” alegrando-se do trabalho realizado nas esferas da educação, da saúde e do desenvolvimento.

“As autoridades civis estão muito agradecidas à Igreja Católica por sua contribuição a toda a sociedade do Chade. Alento-os a perseverarem neste caminho porque há um vínculo estreito entre a evangelização e a promoção humana, um vínculo que deve expressar-se e desenvolver-se em toda a obra da evangelização. O serviço aos pobres e mais carentes é um testemunho concreto de Cristo, que se fez pobre para se aproximar de nós e nos salvar. As congregações religiosas assim como os leigos que trabalham com elas, têm um papel importante neste âmbito, e precisamos agradecer-lhes por isso”.

“Entretanto, a ação evangelizadora não deve se esgotar exclusivamente no engajamento em obras sociais; aprofundar e fortalecer a fé no coração dos fiéis –que se traduz em uma autêntica vida espiritual e sacramental– é essencial para que sejam capazes de resistir às provações que são muito numerosas hoje em dia, e para que o comportamento dos fiéis esteja mais de acordo com as exigências do Evangelho”.

Isto, disse o Papa, “é especialmente necessário em um país onde o peso de certas tradições culturais é muito forte, onde as propostas religiosas mais fáceis em âmbito moral aparecem por toda parte, e onde o secularismo começa a fazer-se sentir”.

Portanto, “é necessário que os fiéis estejam solidamente formados tanto na doutrina como no espiritual. E o primeiro lugar da formação com certeza é a catequese. Convido-os, em um renovado espírito missionário, a atualizar os métodos catequéticos utilizados nas suas dioceses”.

Em primeiro lugar, disse o Santo Padre, “o que é bom em suas tradições deve ser considerado e valorizado porque Cristo não veio para destruir as culturas, mas para leva-las à plenitude, mas, o que não é cristão deve ser claramente evidenciado. Ao mesmo tempo, é indispensável garantir a exatidão e integridade do conteúdo doutrinal deste percurso”.

O Papa se refere a acompanhar as famílias que são a “célula vital da sociedade e da Igreja e que na atualidade são muito vulneráveis... E dentro da família, é importante que o papel e a dignidade da mulher sejam valorizados, para dar um testemunho eloquente do Evangelho. Neste âmbito, portanto, o comportamento dentro da Igreja deve ser um modelo para o conjunto da sociedade".

Depois de reiterar a necessidade da formação permanente do clero da proximidade dos bispos aos seus sacerdotes, Francisco observa que a Igreja em Chade, “apesar de sua vitalidade e desenvolvimento, é minoritária em meio de um povo cuja maioria é muçulmana e que ainda está parcialmente unido a suas religiões tradicionais”.

Por isso exortou os prelados a assegurarem “que a Igreja, que é respeitada e escutada ocupe o lugar que lhe corresponde na sociedade do Chade onde se converteu em um elemento estrutural, inclusive quando se trata de uma minoria”.

“Nesse contexto –prossegue o Papa– não posso menos que animá-los a fomentar o diálogo inter-religioso, que foi felizmente iniciado pelo falecido arcebispo de N'Djamena, Mathias N'Gartéri Mayadi, que tanto fez para promover a convivência entre as diferentes comunidades religiosas. Acredito que seja necessário seguir com este tipo de iniciativas para impedir a violência da qual os cristãos são vítimas nos países vizinhos ao seu”.

O Santo Padre recorda ao final a importância de manter as boas relações estabelecidas com as autoridades civis, e que levaram à recente assinatura de um Acordo Marco entre a Santa Sé e a República do Chade que uma vez ratificado, contribuirá muito à missão da Igreja.



Sexta, 03/10/2014 - ACI/EWTN Noticias / Paulo Alves
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...