Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/11/2017

“Queridos filhos, olhando vocês em torno de Mim, em torno da sua Mãe, Eu estou vendo muitas almas puras, vejo muitos dos Meus filhos que estão procurando amor e consolação, mas ninguém está oferecendo isso a eles.

Também vejo aqueles que fazem o mal, porque não têm bons exemplos, não conheceram Meu Filho, aquele bem que é silencioso, que se difunde através das almas puras, que é a força que reforça o mundo.

Existem muitos pecados, mas também muito amor. o Meu Filho Me envia, como Mãe, a mesma igual para todos, para que Eu vos ensine o Amor, para que vocês compreendam que são irmãos.

Ele deseja vos ajudar. Apóstolos do Meu Amor, é suficiente o desejo vivo da fé e do Amor, o Meu Filho o aceitará.

Mas vocês têm que ser dignos, ter boa vontade e um coração aberto. O Meu Filho entra nos corações abertos. Eu, como Mãe, desejo que vocês conheçam o melhor possível o Meu Filho, Deus, nascido de Deus, para que vocês conheçam a grandeza do Seu Amor, o qual vocês tanto precisam.

Ele aceitou os seus pecados, conseguiu a Redenção para vocês, mas em troca procura que vocês amem-se uns aos outros. O Meu Filho é Amor. Ele ama todo ser humano, sem diferença, todas as pessoas de todos os povos e nações.

Se vocês, Meus Filhos, vivessem o Amor do Meu Filho, o Seu Reinado já estaria na Terra. Por isso, Apóstolos do Meu Amor, rezem, rezem para que o Meu Filho e Seu Amor estejam mais próximos de vocês, para que vocês sejam exemplos de Amor e possam ajudar àqueles que ainda não conhecem o Meu Filho.

Nunca esqueçam que o Meu Filho, Uno e Trino, Ama. Amem e rezem pelos seus sacerdotes. Obrigada.”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

A Igreja Católica não mudou sua postura a respeito do “matrimônio” gay

Ontem e hoje os meios de comunicação seculares inundaram a imprensa com titulares falando de um documento do Sínodo sobre a Família, contendo o apoio dos bispos e do Papa às uniões de pessoas do mesmo sexo, algo que hoje foi desmentido pelo Vaticano.

As notas dos meios se referiam a um documento chamado “Relatio post disceptationem” (Relação após discussão) que foi apresentada na segunda-feira pelo Relator Geral do Sínodo da Família, Cardeal Peter Erdo. Este texto simplesmente recolhe os temas e comentários que realizados na semana passada durante os diálogos no Sínodo que se realiza até 19 de outubro no Vaticano.

O documento oficial do Sínodo não será publicado até depois do Sínodo de 2015. Habitualmente e logo depois de um evento como este, o Santo Padre escreve uma exortação apostólica pós-sinodal com suas conclusões a partir das reflexões dos bispos.

Em declaração, em Roma, o Bispo de Abomey (Benin), Dom Egène Cyrille Houndekon, assinalou que o documento apresentado ontem não gerou mudança alguma na doutrina e se refere à abertura da Igreja a todas as pessoas não aos homossexuais em particular.

“A Igreja abre suas portas a todas as pessoas – com suas debilidades e defeitos – e busca de ajudá-las, aos que têm virtudes mais fortes para aprofundá-las, e aos que têm debilidades para tentar superá-las”, disse o Prelado.

O Bispo se referia à parte da “Relatio” em que se destaca que as pessoas homossexuais têm dons e qualidades para oferecer à comunidade cristã”, e que “frequentemente desejam encontrar uma Igreja que seja casa acolhedora para eles”. Nesse sentido, levanta a pergunta: “estamos em grau de receber estas pessoas, garantindo-lhes um espaço de fraternidade em nossas comunidades?”. “Nossas comunidades estão em grau de sê-lo (acolhedoras), aceitando e avaliando sua orientação sexual, sem comprometer a doutrina católica sobre a família e o matrimônio?”

Outros prelados expressaram sua preocupação pela falta de claridade do documento. Em declarações ao grupo ACI, o Cardeal Raymond Burke disse que a “Relatio” usa uma linguagem “confusa” e “errônea”, e expressou sua esperança de que o documento final do Sínodo tenha uma linguagem bastante mais clara.

“Há uma confusão a respeito das pessoas que vivem em uniões de fato ou dos que sentem atração por pessoas do mesmo sexo com quem convivem; e uma inadequada explicação das relações da Igreja com essas pessoas”, disse.

O Cardeal assinalou logo que espera “que este documento seja feito completamente à parte e que haja um esforço para apresentar o verdadeiro ensinamento da Igreja e a prática pastoral, as duas coisas que sempre vão juntas em um novo documento”.

Por sua parte, o Presidente da Conferência Episcopal da Polônia, Dom Stanislaw Gadecki, disse que espera que o Sínodo final dialogue sobre o apoio às famílias e não só os casos de exceções. “Devemos falar sobre as exceções práticas, mas falar também sobre como apresentar a verdade”, asseverou o bispo em declarações à Rádio Vaticano.


A “Relatio”, assinala o próprio documento, “Não se trata de decisões tomadas, nem de perspectivas fáceis. Entretanto, o caminho colegial dos bispos e a implicação de todo o povo de Deus sob a ação do Espírito Santo, poderão nos guiar para encontrar vias de verdade e de misericórdia para todos. É a esperança que desde o começo de nossos trabalhos o Papa Francisco nos dirigiu convidando-nos à valentia da fé e à acolhida humilde e honesta da verdade na caridade”.


Terça, 14/10/2014 - ACI / Paulo Alves
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...