Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/09/2018

Queridos filhos,

As Minhas palavras são simples, mas repletas de amor materno e de preocupação. Filhos MEUS, sobre vocês se alargam sempre mais as sombras das trevas e do engano, Eu os chamo em direção a luz e a verdade, Eu os chamo na direção de Meu Filho. Somente Ele pode converter o desespero e a dor em paz e serenidade, somente ELE pode dar esperança nas dores mais profundas. O MEU FILHO é a VIDA do mundo, e quanto mais O conhecerem, mais se aproximarão DELE e mais O amarão porque o MEU FILHO é AMOR e o AMOR muda tudo.

ELE torna maravilhoso também aquilo que sem amor pareça para vocês insignificante. Por isso novamente os digo que vocês devem amar muito se desejarem crescer espiritualmente. EU sei, apóstolos do MEU AMOR, que não sempre fácil, porém, filhos MEUS, também as estradas dolorosas são caminhos que levam ao crescimento espiritual, à fé e ao MEU FILHO.

Filhos MEUS, rezem, pensem em MEU FILHO durante todos os momentos do dia, elevem as suas almas até ELE e EU recolherei as suas orações como flores do jardim mais belo e as darei de presente ao MEU FILHO.

Sejam realmente apóstolos do MEU AMOR, deem a todos o AMOR de MEU FILHO, sejam jardins com as flores mais belas.

Com a oração ajudem os seu sacerdotes para que possam ser pais espirituais cheios de amor para todos os homens.

Obrigada.

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Natividade da Virgem Maria: Deus caminha com justos e pecadores, afirma o Papa Francisco

Durante a Missa matutina na Casa Santa Marta, o Papa Francisco assegurou aos fiéis que Deus “caminha com justos e pecadores”, cumprindo a promessa que fez ao homem quando saiu do paraíso, ir ao encontro definitivo de seus filhos.

Em sua homilia, o Santo Padre meditou sobre a Criação e o caminho que Deus faz com os homens na história. Quando lemos o livro do Gênesis – observou – “corremos o risco de pensar que Deus tenha sido um mago” que fazia as coisas “com a varinha mágica”. Mas advertiu que “não foi assim”, porque Deus fez as coisas e as permitiu caminhar com as leis internas, interiores, que Ele deu a cada uma, para que se desenvolvessem, para que chegassem à plenitude. E acrescentou que o Senhor “deu autonomia às coisas do universo, mas não independência”.

“Porque Deus não é mago, é Criador! E quando no sexto dia, daquele relato, chega a criação do homem dá outra autonomia, um tanto diferente, mas não independente: uma autonomia que é a liberdade. E diz ao homem que vá adiante na história, torna-o responsável pela criação, também para que domine a criação, para que a leve adiante e para chegar assim à plenitude dos tempos”.

“E qual era a plenitude dos tempos? O que Ele tinha no coração: a chegada de seu Filho. Porque Deus – ouvimos São Paulo – nos predestinou, a todos, a ser conformes à imagem do Filho”, afirmou o Papa.

Francisco disse que este “é o caminho da humanidade, é o caminho do homem. Deus queria que nós fôssemos como seu Filho e que seu Filho fosse como nós”.

Nesse sentido, O Pontífice recordou que na genealogia do Jesus “estão os Santos e também os pecadores, mas a história segue adiante porque Deus quis que os homens fossem livres”.

É verdade que quando o homem “usou mal sua liberdade, Deus o expulsou do Paraíso”, mas também é verdade que “fez uma promessa e o homem saiu do Paraíso com esperança. Pecador, mas com esperanças!”.

O Papa reafirmou que “os homens não percorrem seu caminho sozinhos, mas Deus caminha conosco. Porque Deus fez uma opção: optou pelo tempo, não no momento. É o Deus do tempo, é o Deus da história, é o Deus que caminha com seus filhos”. E isto até a “plenitude dos tempos” quando seu Filho se faz homem.

Assim, assegurou que Deus “caminha com justos e pecadores”. Caminha “com todos, para chegar ao encontro, ao encontro definitivo do homem com Ele”. Francisco recordou ainda que a plenitude dos tempos se dá “em uma casa pequena, em uma localidade pequena” com José e Maria. “O Deus da grande historia e também da pequena história, está ali, porque quer caminhar com cada um”, afirmou.

Francisco citou deste modo Santo Tomás de Aquino, quando afirma: “Não se assombrem das coisas grandes, mas tenham também em conta as pequenas, porque isto é divino”. “E assim é Deus – disse o Papa – está nas coisas grandes”, mas também nas pequenas:

“O Senhor que caminha com Deus é também o Senhor da paciência. A paciência de Deus. A paciência que teve com todas estas gerações. Com todas estas pessoas que viveram sua história de graça e de pecado. Deus é paciente. Deus caminha conosco, porque Ele quer que todos nós cheguemos a ser conforme à imagem de seu Filho. E desde o momento em que nos deu a liberdade na criação – não a independência – até hoje segue caminhando”, assinalou.

Deste modo, assinalou o Papa, “chegamos a Maria”. Hoje “estamos no hall desta história: o nascimento da Virgem”. E “pedimos na oração que o Senhor nos dê unidade para caminhar juntos e paz no coração. É a graça de hoje”:


“Hoje podemos ver a Virgem, pequenina, Santa, sem pecado, pura, escolhida para converter-se na Mãe de Deus’”, concluiu.


Segunda, 08/09/2014 - ACI/EWTN Noticias / Paulo Alves
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...