Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/11/2017

“Queridos filhos, olhando vocês em torno de Mim, em torno da sua Mãe, Eu estou vendo muitas almas puras, vejo muitos dos Meus filhos que estão procurando amor e consolação, mas ninguém está oferecendo isso a eles.

Também vejo aqueles que fazem o mal, porque não têm bons exemplos, não conheceram Meu Filho, aquele bem que é silencioso, que se difunde através das almas puras, que é a força que reforça o mundo.

Existem muitos pecados, mas também muito amor. o Meu Filho Me envia, como Mãe, a mesma igual para todos, para que Eu vos ensine o Amor, para que vocês compreendam que são irmãos.

Ele deseja vos ajudar. Apóstolos do Meu Amor, é suficiente o desejo vivo da fé e do Amor, o Meu Filho o aceitará.

Mas vocês têm que ser dignos, ter boa vontade e um coração aberto. O Meu Filho entra nos corações abertos. Eu, como Mãe, desejo que vocês conheçam o melhor possível o Meu Filho, Deus, nascido de Deus, para que vocês conheçam a grandeza do Seu Amor, o qual vocês tanto precisam.

Ele aceitou os seus pecados, conseguiu a Redenção para vocês, mas em troca procura que vocês amem-se uns aos outros. O Meu Filho é Amor. Ele ama todo ser humano, sem diferença, todas as pessoas de todos os povos e nações.

Se vocês, Meus Filhos, vivessem o Amor do Meu Filho, o Seu Reinado já estaria na Terra. Por isso, Apóstolos do Meu Amor, rezem, rezem para que o Meu Filho e Seu Amor estejam mais próximos de vocês, para que vocês sejam exemplos de Amor e possam ajudar àqueles que ainda não conhecem o Meu Filho.

Nunca esqueçam que o Meu Filho, Uno e Trino, Ama. Amem e rezem pelos seus sacerdotes. Obrigada.”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Natividade da Virgem Maria: Deus caminha com justos e pecadores, afirma o Papa Francisco

Durante a Missa matutina na Casa Santa Marta, o Papa Francisco assegurou aos fiéis que Deus “caminha com justos e pecadores”, cumprindo a promessa que fez ao homem quando saiu do paraíso, ir ao encontro definitivo de seus filhos.

Em sua homilia, o Santo Padre meditou sobre a Criação e o caminho que Deus faz com os homens na história. Quando lemos o livro do Gênesis – observou – “corremos o risco de pensar que Deus tenha sido um mago” que fazia as coisas “com a varinha mágica”. Mas advertiu que “não foi assim”, porque Deus fez as coisas e as permitiu caminhar com as leis internas, interiores, que Ele deu a cada uma, para que se desenvolvessem, para que chegassem à plenitude. E acrescentou que o Senhor “deu autonomia às coisas do universo, mas não independência”.

“Porque Deus não é mago, é Criador! E quando no sexto dia, daquele relato, chega a criação do homem dá outra autonomia, um tanto diferente, mas não independente: uma autonomia que é a liberdade. E diz ao homem que vá adiante na história, torna-o responsável pela criação, também para que domine a criação, para que a leve adiante e para chegar assim à plenitude dos tempos”.

“E qual era a plenitude dos tempos? O que Ele tinha no coração: a chegada de seu Filho. Porque Deus – ouvimos São Paulo – nos predestinou, a todos, a ser conformes à imagem do Filho”, afirmou o Papa.

Francisco disse que este “é o caminho da humanidade, é o caminho do homem. Deus queria que nós fôssemos como seu Filho e que seu Filho fosse como nós”.

Nesse sentido, O Pontífice recordou que na genealogia do Jesus “estão os Santos e também os pecadores, mas a história segue adiante porque Deus quis que os homens fossem livres”.

É verdade que quando o homem “usou mal sua liberdade, Deus o expulsou do Paraíso”, mas também é verdade que “fez uma promessa e o homem saiu do Paraíso com esperança. Pecador, mas com esperanças!”.

O Papa reafirmou que “os homens não percorrem seu caminho sozinhos, mas Deus caminha conosco. Porque Deus fez uma opção: optou pelo tempo, não no momento. É o Deus do tempo, é o Deus da história, é o Deus que caminha com seus filhos”. E isto até a “plenitude dos tempos” quando seu Filho se faz homem.

Assim, assegurou que Deus “caminha com justos e pecadores”. Caminha “com todos, para chegar ao encontro, ao encontro definitivo do homem com Ele”. Francisco recordou ainda que a plenitude dos tempos se dá “em uma casa pequena, em uma localidade pequena” com José e Maria. “O Deus da grande historia e também da pequena história, está ali, porque quer caminhar com cada um”, afirmou.

Francisco citou deste modo Santo Tomás de Aquino, quando afirma: “Não se assombrem das coisas grandes, mas tenham também em conta as pequenas, porque isto é divino”. “E assim é Deus – disse o Papa – está nas coisas grandes”, mas também nas pequenas:

“O Senhor que caminha com Deus é também o Senhor da paciência. A paciência de Deus. A paciência que teve com todas estas gerações. Com todas estas pessoas que viveram sua história de graça e de pecado. Deus é paciente. Deus caminha conosco, porque Ele quer que todos nós cheguemos a ser conforme à imagem de seu Filho. E desde o momento em que nos deu a liberdade na criação – não a independência – até hoje segue caminhando”, assinalou.

Deste modo, assinalou o Papa, “chegamos a Maria”. Hoje “estamos no hall desta história: o nascimento da Virgem”. E “pedimos na oração que o Senhor nos dê unidade para caminhar juntos e paz no coração. É a graça de hoje”:


“Hoje podemos ver a Virgem, pequenina, Santa, sem pecado, pura, escolhida para converter-se na Mãe de Deus’”, concluiu.


Segunda, 08/09/2014 - ACI/EWTN Noticias / Paulo Alves
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...