Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/09/2017

Queridos filhos !

Quem melhor do que EU poderia falar para vocês do Amor e da existência do MEU FILHO ?

Vivi com ELE, EU sofri com ele, vivendo a vida terrena, EU provei da dor porque era MÃE.

MEU FILHO amou com pensamentos e obras o PAI CELESTIAL, o DEUS VERDADEIRO, e como ME dizia veio para redimi-los. EU escondi a minha dor com o amor. Vocês, filhos MEUS, tem numerosas perguntas, não compreendem a dor, não compreendem que através do Amor de Deus devem aceitar a dor e suportá-la. Todas as pessoas provam-na em maior ou menor medida, mas com a paz na alma e em estado de graça a esperança existe.

Este é o MEU FILHO, DEUS, nascido de DEUS. As SUAS PALAVRAS são sementes de Vida Eterna e semeadas nas boas almas produzem muitos frutos.

MEU FILHO suportou a dor porque tomou para si os pecados de vocês.

Por isso vocês, filhos MEUS, Apóstolos do MEU Amor, vocês que sofrem, saibam que as suas dores se tornarão luz e glória.

Filhos MEUS, enquanto vocês suportam a dor o CÉU entra em vocês, e em todos em torno de vocês é dado um pouco de Céu e muita esperança !

Obrigada !

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

A força da Igreja não está nas estruturas, mas no amor de Deus

Nesta primeira quarta-feira de outono em Roma, mais de 50 mil pessoas compareceram à Praça São Pedro para ver e ouvir o Papa Francisco. Apesar da chuva, o Pontífice deu a volta da Praça com o ‘papamóvel’, distribuindo sorrisos e gestos de carinho a todos. 

O tema da catequese foi a sua viagem apostólica à Albânia, realizada domingo, 21. O Papa se disse muito agradecido por ter mostrado a proximidade da Igreja a este povo que foi durante tanto tempo oprimido por um regime desumano e que vive agora uma experiência de convivência pacífica entre as religiões:

Por isso, o centro da viagem foi o encontro inter-religioso no qual constatei, com satisfação, que, com a pacífica e frutuosa convivência entre pessoas e comunidades de religiões diferentes, é possível estabelecer um diálogo frutuoso entre as religiões, sem que isto signifique dar espaço ao relativismo ou ao menosprezo da identidade de cada um”.

O Pontífice contou aos fiéis presentes na Praça São Pedro que nas ruas da capital albanesa, Tirana, viu fotos de 40 sacerdotes assassinados durante a ditadura comunista para os quais está em andamento uma causa de beatificação:

Eles se somam às centenas de religiosos cristãos e muçulmanos assassinados, torturados, presos e deportados somente porque acreditavam em Deus. Foram anos sombrios, nos quais foi pisoteada a liberdade religiosa e era proibido crer em Deus, milhares de igrejas e mesquitas foram destruídas e transformadas em lojas e cinemas da propaganda marxista. Livros religiosos foram queimados e os pais proibidos de dar aos filhos nomes de santos ou antepassados. A recordação destes eventos é essencial para o futuro de um povo. A memória dos mártires que resistiram na fé é a garantia do destino da Albânia, pois seu sangue não foi derramado inutilmente, mas é uma semente que trará frutos de paz e de colaboração fraterna”.

Francisco lembrou também o encontro com os sacerdotes, pessoas consagradas, seminaristas e movimentos laicais e a comovente recordação das vítimas de perseguições e dos mártires albaneses:

Eles não são os vencidos, mas os vencedores. Seu heróico testemunho reflete o poder absoluto de Deus, que sempre consola seu povo, abrindo novos caminhos e horizontes de esperança. Isto tudo nos confirma que a força da Igreja não vem da sua capacidade organizativa nem das estruturas, mas do amor de Cristo. Este amor nos sustenta nas dificuldades e nos inspira a bondade e o perdão, e demonstra a misericórdia de Deus”.

Terminando a catequese, o Papa renovou o convite à coragem do bem, para construir o presente e o amanhã da Albânia e da Europa:

Que a lembrança de um passado duro se converta numa maior abertura aos irmãos, especialmente aos mais fracos, para assim dar testemunho do dinamismo da caridade, tão necessária no mundo de hoje”.

A este ponto, Francisco pediu aos fiéis que encorajassem o povo albanês, tão corajoso, trabalhador e pacífico na busca da unidade, e foi atendido com um aplauso da Praça.

No final do encontro, o Papa concedeu a todos a sua bênção apostólica, mas antes, cumprimentou os brasileiros vindos de Novo Hamburgo, Jundiaí, Santo André e da Bahia, com votos de que sua peregrinação “seja uma oportunidade de contemplar a beleza da fé e da união com Cristo, para viver plenamente a vossa vocação cristã”.

Dirigindo-se aos fiéis de língua árabe, Francisco admitiu que por vezes, em certos lugares do mundo, o testemunho de Cristo é difícil e perigoso, podendo até custar a vida. “Mas, se o vivermos com fidelidade, perseverança e fé, ele se transforma numa fonte inesgotável de alegria e bem-aventurança. Cristo não se esquece de seus discípulos: sejam causa de reconciliação e unidade - exortou -; sejam sempre testemunhas autênticas da verdade, da justiça, da paz e da caridade”, completou.

Na audiência, estava também presente um grupo de cidadãos colombianos vítimas e guerrilheiros que combateram o conflito que há quase 50 anos devasta material e socialmente a Colômbia. O grupo recebeu uma benção especial do Papa como um convite à reconciliação e ao diálogo.

No grupo, liderado por Alejandro Eder, diretor da Agência Colombiana para a Reintegração, estavam um ex-refém, um ex-guerrilheiro e um ex-paramilitar, testemunhas da campanha nacional “Sou capaz de viver em harmonia”. A iniciativa – segundo o site “Sismografo", conta com o engajamento da Igreja colombiana, que sugeriu cinco passos concretos que os cidadãos podem realizar em favor de uma paz estável, verdadeira e duradoura.



Quarta, 24/09/2014 - Rádio Vaticano / Paulo Alves 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...