Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/11/2017

“Queridos filhos, olhando vocês em torno de Mim, em torno da sua Mãe, Eu estou vendo muitas almas puras, vejo muitos dos Meus filhos que estão procurando amor e consolação, mas ninguém está oferecendo isso a eles.

Também vejo aqueles que fazem o mal, porque não têm bons exemplos, não conheceram Meu Filho, aquele bem que é silencioso, que se difunde através das almas puras, que é a força que reforça o mundo.

Existem muitos pecados, mas também muito amor. o Meu Filho Me envia, como Mãe, a mesma igual para todos, para que Eu vos ensine o Amor, para que vocês compreendam que são irmãos.

Ele deseja vos ajudar. Apóstolos do Meu Amor, é suficiente o desejo vivo da fé e do Amor, o Meu Filho o aceitará.

Mas vocês têm que ser dignos, ter boa vontade e um coração aberto. O Meu Filho entra nos corações abertos. Eu, como Mãe, desejo que vocês conheçam o melhor possível o Meu Filho, Deus, nascido de Deus, para que vocês conheçam a grandeza do Seu Amor, o qual vocês tanto precisam.

Ele aceitou os seus pecados, conseguiu a Redenção para vocês, mas em troca procura que vocês amem-se uns aos outros. O Meu Filho é Amor. Ele ama todo ser humano, sem diferença, todas as pessoas de todos os povos e nações.

Se vocês, Meus Filhos, vivessem o Amor do Meu Filho, o Seu Reinado já estaria na Terra. Por isso, Apóstolos do Meu Amor, rezem, rezem para que o Meu Filho e Seu Amor estejam mais próximos de vocês, para que vocês sejam exemplos de Amor e possam ajudar àqueles que ainda não conhecem o Meu Filho.

Nunca esqueçam que o Meu Filho, Uno e Trino, Ama. Amem e rezem pelos seus sacerdotes. Obrigada.”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Precisamos nos devotar a Cristo!

Hei você: Você se considera uma pessoa devota? Sabe o que é devoção?

Infelizmente, nos dias de hoje a palavra devoção perdeu não só o seu sentido, mas também seu espaço na vivência e no testemunho de fé dos cristãos. Ao pensar em uma pessoa devota, a maioria de nós já se remete à imagem de uma senhorinha piedosa com o rosário nas mãos, ou nas grandes procissões dedicadas a algum santo com uma multidão de pessoas se comprimindo para tocar na imagem, ou ainda em medalhinhas, correntes, fitinhas amarradas nos pulsos… E logo pensamos ser a devoção, uma prática puramente cultural ou um sentimentalismo religioso que já não cabe mais em nosso mundo moderno.

Porém, longe de ser apenas prática externa, superficial e ultrapassada, a palavra devoção, do latim devotu, corresponde à dedicação. A pessoa devota é a dedicada a Deus em uma disposição interior de total entrega e abandono à vontade de Deus, a quem se dedica. Pensemos em uma pessoa dedicada a alguma atividade humana, como por exemplo, aos estudos, ao trabalho ou até a algum motivo mais nobre como a família, ou ao cuidado de um enfermo. Essa pessoa tudo fará e se doará integralmente, seu tempo, seus pensamentos e suas energias, ao objeto de sua dedicação, pois lhe é devotada.

Mas, ainda que seja forte e intensa, a dedicação às criaturas tem necessariamente seus limites. Já a dedicação a Deus não os tem, nem os pode ter. Se tiver a mínima reserva, a mais leve exceção, não será mais devoção. Em seu livro “Manual das almas interiores”, Pe. Grou, sacerdote jesuíta do século XVIII, nos diz que “A verdadeira e sólida devoção é a disposição da alma pela qual se está pronto a agir e sofrer em tudo, sem exceção nem reserva, ao bel-prazer de Deus. Tal disposição é o mais excelente dom do Espírito Santo. Nunca serão demais o ardor e  a constância em pedi-la; ninguém deve ufanar-se de tê-la inteira e perfeita, porque pode sempre crescer, ou em si mesma, ou em seus efeitos”.

Não pensemos, portanto, ser a devoção a Deus, um resumo de práticas exteriores, nem tampouco um ativismo desenfreado onde me perco realizando “obras” e “trabalhos” em nome de Deus, achando que sou devotado a Ele, mas com o coração cheio de vaidade e egoísmo por não contar com a Sua graça.  A devoção de que falamos e que provém como fruto da permanência no Espírito Santo, é antes algo de interior, de muito íntimo, pois afeta o fundo da alma e seu ponto mais elevado: a inteligência e a vontade, onde faço a Deus o sacrifício de minha autonomia e concedo a Ele o governo de minha vida. A devoção não consiste na capacidade pessoal de servir a Deus com as próprias forças e virtudes, mas na livre e total abertura de coração para que Ele me faça seu servo, da maneira como Ele quiser. No reconhecimento de Deus como única fonte e único autor da santidade, devemos aderir a Deus do mais íntimo de nosso ser, constantemente atentos a ouvi-LO e a realizar somente o que Ele nos pede, a cada momento.

Maria é nosso modelo de devoção, pois foi inteiramente, de corpo e alma, entregue ao curso da graça. Como um templo santo, onde tudo o que há em seu interior e exterior, é dedicado à glória de Deus, Ela docemente O pertence.
Urge em nosso tempo a necessidade de sermos como Maria! Urge a necessidade de devotarmo-nos a Cristo para sermos testemunhas da Verdade e da ação de sua graça na humanidade!



Doce Mãe de Deus, rogai por nós!


Terça, 22/07/2014 - Nicole Gonçalves – Oblata Corpus Christi / Paulo Alves
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...