Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/02/2018

Queridos filhos !

Vocês a quem o MEU FILHO ama, vocês a quem EU amo imensamente com o MEU AMOR MATERNO, não permitam que o egoísmo e o amar muito a si mesmo reinem no mundo. Não permitam que o amor e a bondade fiquem escondidos. Vocês que são amados, vocês que conheceram o AMOR do MEU FILHO, lembrem-se que ser amado significa amar. Filhos MEUS, tenham fé: quando vocês tem fé, vocês são felizes e difundem a paz. As suas almas exultam de alegria. Nestas almas está o MEU FILHO: quando se doam pela fé, quando se doam pelo amor, quando fazem o bem ao próximo, o MEU FILHO sorri em suas almas. Apóstolos do MEU AMOR, ME dirijo a vocês como MÃE, os reúno em torno de MIM porque desejo conduzí-los no caminho do AMOR e da FÉ, no caminho que leva até a LUZ DO MUNDO. EU estou aqui pelo AMOR e pela FÈ; porque desejo abençoá-los, porque EU desejo, com a MINHA BENÇÂO MATERNA, dar a vocês força e esperança no seu caminho. Porque a estrada que conduz ao MEU FILHO não é fácil, é cheia de renúncias, de dar-se, do sacrifício, do perdão e muito, muito amor mas este caminho conduz à paz e à alegria. Filhos MEUS, não acreditem nas vozes falsas que falam de coisas falsas e de luzes falsas: vocês, filhos MEUS, voltem para a SAGRADA ESCRITURA. Com imenso amor EU os vejo e, PELA GRAÇA DE DEUS, EU ME MANIFESTO A VOCÊS. Filhos Meus, caminham COMIGO. Que as almas de vocês exultem de alegria.

Obrigada.

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

O Papa recebe Meriam Ibrahim, a jovem cristã condenada à pena de morte pela lei islâmica no Sudão

O Papa Francisco recebeu hoje 24/07 na Casa Santa Marta a jovem cristã Meriam Ibrahim, recentemente absolvida da pena de morte no Sudão, após ter sido acusada de blasfêmia contra o Islã e ter dado à luz o seu bebê na prisão acorrentada pelas pernas.

Meriam de 27 anos, tinha sido condenada à morte depois de ser acusada de ter renunciado ao Islã por três pessoas que fraudulentamente asseguraram ser seus irmãos e sua mãe. As autoridades islâmicas a condenaram ainda a 100 chicotadas pelo delito de adultério, pois seu matrimônio com o Daniel Wani, cidadão do Sudão do sul e que também possui nacionalidade norte-americana, não era reconhecido como tal sob a lei muçulmana.

Meriam passou vários meses na prisão e teve que dar a luz à sua segunda filha, Maia, em um centro médico dentro da penitenciária, e durante o parto foi mantida acorrentada pelas pernas.

O Santo Padre recebeu Meriam, que chegou junto a seu marido Daniel e a seus filhos Martin, de 1 ano e meio, e Maia, por volta de 13:00h (hora de Roma), expressando sua proximidade, atenção e oração, especialmente para com os cristãos de todo o mundo que são perseguidos por causa de sua fé, indicou o Diretor do Escritório de Imprensa da Santa Sede, Pe. Federico Lombardi.

A Rádio Vaticano informou que Francisco agradeceu a Meriam e sua família pelo valente testemunho de perseverança na fé que mostraram.

Meriam foi advertida por um clérigo muçulmano que poderia perder a vida se continuasse professando a fé cristã, mas a jovem não se deixou persuadir: “Sou cristã e seguirei sendo”, afirmou.

Por sua parte, Meriam agradeceu ao Papa pelo grande apoio e o ânimo recebido, tanto por sua oração como a dos numerosos católicos e pessoas de boa vontade.

Depois de uma longa batalha judicial que incluiu uma campanha internacional –que recolheu mais de 304.000 assinaturas-, a mulher foi libertada no dia 23 de junho. Entretanto, no dia seguinte foi detida no aeroporto quando tentava sair do país com sua família com destino aos Estados Unidos. Desta vez as autoridades sudanesas a acusavam de falsificar os documentos com os quais viajaria.

Devido à nacionalidade americana do marido, o departamento de estado dos Estados Unidos interveio no caso. Logo depois de ser liberada sob fiança, Meriam se refugiou com sua família na embaixada dos Estados Unidos no Sudão.

Posteriormente, instalada em uma casa onde estava segura, a mulher contou à rede CNN o drama que viveu ao dar a luz a sua filha no cárcere. “Só conseguia pensar nos meus filhos e em como ia ser o parto. O que mais me assustava era a ideia de dar à luz na prisão”. “Eu dei à luz acorrentada pelas pernas”, disse Meriam em sua entrevista.

Seu marido é cidadão do Sudão do Sul, país de maioria cristã que se separou do Sudão –de maioria muçulmana-, logo depois de uma longa guerra civil. “A embaixada do Sudão do Sul assumiu a responsabilidade e entregou-me os documentos. É meu direito usá-los e ter um passaporte do Sudão do Sul porque meu marido é um cidadão desse país. Ele tem um passaporte americano e um de Sudão do Sul”, relatou Meriam à CNN.

A princípios de julho, o primeiro-ministro italiano Matteo Renzi mencionou o caso do Ibrahim em seu discurso ao inaugurar a presidência semestral da União Européia. "Se não haver uma reação européia não podemos nos sentir dignos de nos chamar 'Europa'", expressou.


Quinta, 24/07/2014 - ACI/EWTN Noticias / Paulo Alves




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...