Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/09/2017

Queridos filhos !

Quem melhor do que EU poderia falar para vocês do Amor e da existência do MEU FILHO ?

Vivi com ELE, EU sofri com ele, vivendo a vida terrena, EU provei da dor porque era MÃE.

MEU FILHO amou com pensamentos e obras o PAI CELESTIAL, o DEUS VERDADEIRO, e como ME dizia veio para redimi-los. EU escondi a minha dor com o amor. Vocês, filhos MEUS, tem numerosas perguntas, não compreendem a dor, não compreendem que através do Amor de Deus devem aceitar a dor e suportá-la. Todas as pessoas provam-na em maior ou menor medida, mas com a paz na alma e em estado de graça a esperança existe.

Este é o MEU FILHO, DEUS, nascido de DEUS. As SUAS PALAVRAS são sementes de Vida Eterna e semeadas nas boas almas produzem muitos frutos.

MEU FILHO suportou a dor porque tomou para si os pecados de vocês.

Por isso vocês, filhos MEUS, Apóstolos do MEU Amor, vocês que sofrem, saibam que as suas dores se tornarão luz e glória.

Filhos MEUS, enquanto vocês suportam a dor o CÉU entra em vocês, e em todos em torno de vocês é dado um pouco de Céu e muita esperança !

Obrigada !

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Festa a Padroeira de Gravatá, Sant’Ana 2014

Por mais um ano, a paróquia de Sant’Ana celebrará a festa de sua padroeira. É um momento especial da religiosidade popular pois teremos a possibilidade de honrar aquela que é a padroeira da cidade de Gravatá.

Padre João Paulo da Matriz de Sant'ana, fala:  

O que é uma padroeira?
O costume de confiar a proteção de uma cidade a um padroeiro ou padroeira, não tem origem religiosa, mas como na antiguidade existiam muitas guerras, era costume confiar a senhores potentes a proteção de uma cidade ou região, essa pessoa era chamado de padroeira ou patrona. Com o tempo, por uma feliz inspiração, as pessoas foram vendo que Deus é a verdadeira segurança e por isso, ao invés de chamar de padroeiros pessoas, era melhor confiar aos santos: surgiram assim os padroeiros religiosos. Em nossa cidade, Sant’Ana se tornou padroeira de modo espontâneo, quando aqui foi se formando um conjunto de casas, foi construída uma pequena capela dedicada a Sant’Ana. Quando o povoado cresceu, a santa da capelinha se tornou a padroeira da cidade nascente.

Quem foi Sant’Ana?
Não existem referencias bíblicas à mãe de Maria. Logicamente assim como todos nós temos avós, também Jesus teve a sua. Um texto do II século chamado proto-evangelho de Tiago atribuiu o nome de Ana à mãe de Maria, que seria então a avó de Jesus. Segundo esse texto Ana era filha de um sacerdote hebraico que vivia em Belém e que tinha mais duas filhas, além de Ana. Joaquim seria dono de numerosos rebanhos e se casa com Ana. Passaram anos e não conseguiam ter filhos, o que naquela época era sinal de preconceito e discriminação social e religiosa, porque a infertilidade era erroneamente interpretada como maldição de Deus. Desesperado com a situação, Joaquim vai ao deserto e passa 40 dias orando. Deus teria atendido o apelo de suas preces e enviou um anjo que comunicou aos dois que eles teriam a tão sonhada descendência. Dessa união, com efeito nasceu Maria, aquela que seria a mãe de Jesus.

E por que Sant’Ana seria tão importante?
Mesmo sendo uma figura escondida e não mencionada nas escrituras, os fieis reconheceram sobretudo a partir do século X a importância de recordar que Jesus quando assumiu a condição humana, também assumiu uma família humana. E como a Palavra de Deus recorda: Pelos frutos conhecereis a arvore, podemos somente imaginar a qualidade daqueles que de modo mais imediato criaram o ambiente familiar necessário aonde nasceu Maria de quem nasceu Jesus. As imagens que a devoção popular foram criando da Mãe de Maria, retratam-na ensinando Maria, sempre com um livro na mão. Evidentemente que essa representação artística somente quer recordar aquilo que tornou Sant’Ana uma grande mulher: o fato de educar a sua filha. Naturalmente nela se encontram tantas semelhanças com as realidade das pessoas comuns: a simplicidade de ser dona de casa, de ser mãe de família, de ter passado por problemas e dificuldades de todo tipo.

Por que Sant’Ana é padroeira de Gravatá?
A nossa cidade cresceu de modo natural e sem planejamento prévio. De uma fazenda, se tornou lugar de parada para comerciantes e viajantes entre a capital e o interior. Assim, transformou-se em povoado, depois em cidade. Desde a época da fazenda, foi construída uma capela e esta foi dedicada a Sant’Ana, certamente por devoção dos proprietários e como também era uma devoção muito popular no Brasil Colonial, aonde a figura da mãe que ensina os filhos e transmite os conteúdos da fé eram muito comuns e muitas famílias se colocavam sobre a proteção de Sant’Ana.

Por que fazer uma festa para Sant’Ana?
É um costume da Igreja Católica, dedicar um dia do ano para recordar cada santo, é um modo de manter viva a memória desses homens e mulheres que por motivos diversos conseguiram fazer o bem e agradar a Deus. No caso de Sant’Ana o dia escolhido pela Igreja foi 26 de julho (que foi o dia no qual foi inaugurada uma das primeiras igrejas dedicada à santa na cidade de Constantinopla, na atual Turquia), que neste ano de 2014 cairá num sábado. No passado, como o mês de julho era muito chuvoso e os meios de transporte muito mais precários, a festa de Sant’Ana era celebrada no mês de janeiro (o que foi a semente daquela que depois será a festa do comercio), hoje, a paróquia possui duas datas quando recorda sua padroeira: a primeira em janeiro (sempre no segundo domingo) e aquela mais solene no dia 26 de julho.


PAROQUIA DE SANT’ANA – GRAVATA – PERNAMBUCO
PROGRAMAÇÃO DA FESTA DE SANT’ANA
De 17 a 26 de julho de 2014


Dia 17 de julho (quinta)
                                       Tema: «Evangelizar saindo de si mesmo»
19h Solene Concelebração Eucarística presidida por Padre Paulo Fernando da Costa, pároco da Paróquia de Nossa Senhora das Graças
                Quermesse

Dia 18 de julho (sexta)
                                                 Tema: «Evangelizar com entusiasmo»
7h Oração da Manhã

19h Solene Concelebração Eucarística presidida padre Edmilson José dos Santos, Vigário Paroquial e responsável pela área pastoral São João Paulo II.
20h30 Festival de música com a Orquestra e o espetáculo «uma noite na Espanha»
Quermesse

Dia 19 de julho (sábado)
Tema: «Evangelizar com alegria»
7h Oração da Manhã
9h Missa com Momento Mariano

19h Solene Concelebração Eucarística presidida pelo Padre João Paulo de Araujo Gomes, pároco da Paróquia de Sant’Ana e com a pregação do diácono Alexsandro Jorge da Silva, da diocese de Caruaru.
20h30 Festival de Música com Victor Asuncion, piano
Quermesse

Dia 20 de julho (domingo)
Tema: «Evangelizar com esperança»
6h30 Missa dominical
9h Missa dominical
11h Festival de música com Edicson Ruiz, contrabaixo e Victor Asuncion, piano

17h Missa dominical
19h Solene Concelebração Eucarística presidida pelo Padre João Paulo de Araujo Gomes, pároco da Paróquia de Sant’Ana com a pregação do diácono Gilvan F. da Costa Filho.
Quermesse

Dia 21 de julho (segunda)
Tema: «Evangelizar com a comunidade»
7h Oração da Manhã
8h Aula de dança para a Terceira Idade na Praça da Matriz

19h Solene Concelebração Eucarística presidida pelo padre José Alexandre Ramos G. Pontes, administrador da área pastoral da Sagrada Família em Caruaru.
20h30 Festival de música com Duo de piano, Gastasi-Bezerra
Quermesse

Dia 22 de julho (terça)
Tema: «Evangelizar com o Evangelho»
7h Oração da Manhã
8h Momentos de oração e dinâmicas para a Terceira Idade no Salão 3S

19h Solene Concelebração Eucarística presidida pelo padre Mário Alves de Torres, administrador da área pastoral Nossa Senhora de Lourdes (Gravatá)
20h30 Festival de Música com Tamila Salimdjanova
Quermesse

Dia 23 de julho (quarta)
Tema: «Evangelizar com amor»
7h Oração da Manhã
8h Momentos de Oração, palestras e formação para a Terceira Idade no Salão 3S

19h Solene Concelebração Eucarística presidida pelo padre Erasmo Deodato, vigário paroquial e responsável pela área pastoral São Paulo e São Pedro (Gravatá)
20h30 Festival de Música com Adrian Daurov, cello e Di Wo, piano.
Quermesse

Dia 24 de julho (quinta)
Tema: «Evangelizar com força missionária»
7h Oração da Manhã
8h Curso de Artesanato no Salão 3S com Teresinha Ribeiro

19h Solene Concelebração Eucarística presidida pelo padre Roberto Ribeiro da Silva, pároco da Paróquia Nossa Senhora Aparecida (Caruaru)
20h30 Festival de Música com apresentações de obras de Brahms e Schubert
21h30 Quermesse com apresentações de música regional e popular

Dia 25 de julho (sexta)
Tema: «Evangelizar com a caridade»
7h Oração da Manhã
8h Curso de Artesanato no Salão 3S com associação de artesãos de Gravatá

19h Solene Concelebração Eucarística presidida pelo padre João Paulo de Araujo Gomes, pároco da Paróquia de Sant’Ana e com a pregação do diácono Emerson Mozart da Silva (Caruaru)
20h30 Festival de música com apresentações de obras de Bottesini e Piazzolla
21h30 Quermesse com apresentações de música regional e popular

Dia 26 de julho (sábado)
Solenidade de São Joaquim e Sant’Ana, padroeira de Gravatá
7h Oração da Manhã
10h Solene Concelebração Eucarística presidida pelo bispo diocesano Dom Bernardino Marchiò

16h Procissão da Padroeira saindo da Igreja Matriz de Gravatá percorrendo as ruas do centro da cidade e retornando para a Igreja Matriz aonde será celebrada a Missa de encerramento das festividades, presidida pelo Padre João Paulo de Araujo Gomes, pároco.

18h Quermesse com apresentações de música regional e popular.


Terça, 15/07/2014 - Pe. João Paulo (Por e-mail) / Paulo Alves
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...