Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/02/2018

Queridos filhos !

Vocês a quem o MEU FILHO ama, vocês a quem EU amo imensamente com o MEU AMOR MATERNO, não permitam que o egoísmo e o amar muito a si mesmo reinem no mundo. Não permitam que o amor e a bondade fiquem escondidos. Vocês que são amados, vocês que conheceram o AMOR do MEU FILHO, lembrem-se que ser amado significa amar. Filhos MEUS, tenham fé: quando vocês tem fé, vocês são felizes e difundem a paz. As suas almas exultam de alegria. Nestas almas está o MEU FILHO: quando se doam pela fé, quando se doam pelo amor, quando fazem o bem ao próximo, o MEU FILHO sorri em suas almas. Apóstolos do MEU AMOR, ME dirijo a vocês como MÃE, os reúno em torno de MIM porque desejo conduzí-los no caminho do AMOR e da FÉ, no caminho que leva até a LUZ DO MUNDO. EU estou aqui pelo AMOR e pela FÈ; porque desejo abençoá-los, porque EU desejo, com a MINHA BENÇÂO MATERNA, dar a vocês força e esperança no seu caminho. Porque a estrada que conduz ao MEU FILHO não é fácil, é cheia de renúncias, de dar-se, do sacrifício, do perdão e muito, muito amor mas este caminho conduz à paz e à alegria. Filhos MEUS, não acreditem nas vozes falsas que falam de coisas falsas e de luzes falsas: vocês, filhos MEUS, voltem para a SAGRADA ESCRITURA. Com imenso amor EU os vejo e, PELA GRAÇA DE DEUS, EU ME MANIFESTO A VOCÊS. Filhos Meus, caminham COMIGO. Que as almas de vocês exultem de alegria.

Obrigada.

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Craque argentino em artigo no L´Osservatore romano propõe reedição pró-fundos do jogo entre os finalistas da Copa do Mundo 2014

O jornal do Vaticano, L’Osservatore Romano, convidou o ex-jogador da seleção argentina de futebol e durante 19 anos capitão do Inter de Milão na Itália, o católico Javier Zanetti, para analisar as semifinais da Copa do Mundo 2014.

Em seu artigo, o conhecido “Pupi” Zanetti propõe que as equipes que cheguem para a final voltem a enfrentar-se em uma partida amistosa cuja arrecadação sirva depois para ajudar os pobres das favelas do Brasil.

No texto publicado na edição de 8 de julho por ocasião das semifinais, Zanetti comenta que as lágrimas, como as dos jogadores que se lesionaram, como Neymar ou Di María, que perderam a chance de continuar a jogar, “converteram-se por direito em protagonistas do torneio”.

“Apesar de tantos interesses e de tanto dinheiro em seu entorno, o futebol é um jogo e um espetáculo, é feito de emoções: para quem o vê e para os protagonistas. Somos pessoas e mostrar com sinceridade as próprias emoções não é sinal de debilidade”.

“Por isso –assinala Javier Zanetti– até o momento a imagem mais bonita deste mundial não foi um chute, um drible ou uma defesa; mas a do zagueiro brasileiro David Luiz convidando o público a aplaudir ao jovem colombiano James Rodríguez em lágrimas após a derrota (contra o Brasil nas quartas de final). O esporte às vezes ensina também isso: saber perder e saber ganhar. Em qualquer um dos casos a pessoa se torna mais forte”.

Depois de comentar isso, o “Pupi” Zanetti diz que não quer “esquecer lágrimas bem mais importantes, as de fora dos estádios, e até propor uma ideia a quem jogar a final deste mundial”.

“Por que não pensar, num futuro próximo, em jogar um amistoso, cuja receita ajude as famílias e os que vivem nas favelas do Brasil?”.

“É o mesmo princípio –prossegue– pelo qual o vaticano vai promover no dia 1º de setembro, a pedido do Papa Francisco, um “jogo inter-religioso pela paz” em Roma. Poderia ser um jogo para enxugar algumas lágrimas”.



ROMA, 09 Jul. 14 - ACI/EWTN Noticias / Paulo Alves
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...