A Mini Miss Universo, Letícia Gabrielle, convida para o Festival Kino Minuto.

Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 25/09/2017

Queridos filhos! EU estou chamando vocês para serem generosos na renúncia, no jejum e na oração por todos aqueles que estão em tentação e que são seus irmãos e irmãs. De um modo especial, EU estou implorando a vocês para rezarem pelos sacerdotes e por todos os consagrados, que eles possam amar JESUS ainda mais fervorosamente, que o ESPÍRITO SANTO possa preencher seus corações com alegria, que eles possam testemunhar o Céu e os mistérios celestiais. Muitas almas estão em pecado porque não há aqueles que se sacrificam e rezam pela sua conversão. EU estou com vocês e estou rezando para que seus corações possam ser preenchidos com alegria. Obrigada por terem respondido ao MEU Chamado.

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Na Integra a Homilia do Papa na Solenidade do Corpus Christi

Na Basílica de São João de Latrão, repleta de fiéis em seu interior e seu pátio externo, o Santo Padre presidiu a Eucaristia pela Solenidade do Corpo e Sangue do Senhor e logo, participou em carro fechado da procissão para que os fiéis se centrassem na presença de Jesus e não na figura do Papa. Segue a Íntegra da homilia do Santo Padre, disponível pela Rádio Vaticano:

"O Senhor, teu Deus, (...) te alimentou com o maná, que tu não conhecias", disse o Papa Francisco no início de sua homilia citando uma passagem do Livro do Deuteronômio.

"Estas palavras de Moisés fazem referência à história de Israel, que Deus fez sair do Egito, da condição de escravidão, e por quarenta anos o guiou no deserto para a terra prometida. Uma vez estabelecido na terra, o povo eleito atingiu uma autonomia, um bem-estar, e correu o risco de esquecer as tristes vicissitudes do passado, superadas graças à intervenção de Deus e à sua infinita bondade", frisou o Santo Padre.

As Escrituras exortam a fazer memória de todo o caminho feito no deserto, no tempo da carestia e do desconforto. Moisés convida a voltar ao essencial, à experiência de total dependência de Deus, quando a sobrevivência foi colocada em suas mãos, para que o homem compreenda que "não vive somente de pão, mas de tudo aquilo que procede da boca do Senhor".

"Além da fome material o homem leva consigo outra fome, uma fome que não pode ser saciada com comida comum. É a fome de vida, fome de amor, fome de eternidade. O sinal do maná – como toda experiência do êxodo – continha em si também esta dimensão: era figura de uma comida que sacia esta fome mais profunda que existe no homem. Jesus nos dá este alimento, assim, é Ele mesmo o pão vivo que dá vida ao mundo. Seu Corpo é verdadeira comida sob a espécie de pão; seu Sangue é verdadeira bebida sob a espécie de vinho. Não é um simples alimento com o qual sacia nossos corpos, como o maná; o Corpo de Cristo é o pão dos últimos tempos, capaz de dar vida, e vida eterna, porque a substancia deste pão é Amor."
Viver a experiência da fé significa deixar-se alimentar pelo Senhor e construir a própria existência não sobre bens materiais, mas sobre a realidade que não perece: os dons de Deus, sua Palavra e seu Corpo.

"Se olharmos ao nosso redor, daremos conta de que existem tantas ofertas de alimento que não vem do Senhor e que aparentemente satisfazem mais. Alguns se nutrem com o dinheiro, outros com o sucesso e com a vaidade, outros com o poder e com o orgulho. Mas a comida que nos alimenta verdadeiramente e que nos sacia é somente aquela que nos dá o Senhor! O alimento que nos oferece o Senhor é diferente dos outros e talvez não nos pareça assim saboroso como certas iguarias que nos oferecem o mundo. Agora sonhamos com outros alimentos, como os hebreus no deserto que choravam a carne e as cebolas que comiam no Egito, mas esqueciam que aqueles alimentos eram comidos na mesa da escravidão. Eles, naqueles momentos de tentação, tinham memória, mas uma memória doente, uma memória seletiva."

O Papa concluiu a homilia pedindo a Jesus para nos defender das tentações do alimento mundano que nos faz escravos, para purificar a nossa memória a fim de que não se torne prisioneira da seletividade egoísta e mundana, mas seja memória viva da presença de Deus na história.


Vaticano, 19 Jun. 14 - ACI/EWTN Noticias 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...