Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/09/2017

Queridos filhos !

Quem melhor do que EU poderia falar para vocês do Amor e da existência do MEU FILHO ?

Vivi com ELE, EU sofri com ele, vivendo a vida terrena, EU provei da dor porque era MÃE.

MEU FILHO amou com pensamentos e obras o PAI CELESTIAL, o DEUS VERDADEIRO, e como ME dizia veio para redimi-los. EU escondi a minha dor com o amor. Vocês, filhos MEUS, tem numerosas perguntas, não compreendem a dor, não compreendem que através do Amor de Deus devem aceitar a dor e suportá-la. Todas as pessoas provam-na em maior ou menor medida, mas com a paz na alma e em estado de graça a esperança existe.

Este é o MEU FILHO, DEUS, nascido de DEUS. As SUAS PALAVRAS são sementes de Vida Eterna e semeadas nas boas almas produzem muitos frutos.

MEU FILHO suportou a dor porque tomou para si os pecados de vocês.

Por isso vocês, filhos MEUS, Apóstolos do MEU Amor, vocês que sofrem, saibam que as suas dores se tornarão luz e glória.

Filhos MEUS, enquanto vocês suportam a dor o CÉU entra em vocês, e em todos em torno de vocês é dado um pouco de Céu e muita esperança !

Obrigada !

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

O Papa Francisco e a cruz de Pe. Aristi: como faz bem um padre misericordioso!

No encontro desta quinta-feira com o clero romano, Francisco voltou no tempo com a memória para falar sobre Pe. Aristi, Sacramentino, a quem todo o clero de Buenos Aires, ele inclusive, ia se confessar. O religioso, recordou, morreu numa manhã de Páscoa com mais de 90 anos de idade. O então vigário-geral Bergoglio decidiu homenagear Pe. Aristi, cujos restos mortais encontravam-se na cripta de uma igreja, antes do funeral.

O Santo Padre contou que ali "se encontravam o caixão, somente duas idosas que rezavam, mas nenhuma flor". Para este homem, comentou, "que perdoou os pecados de todo o clero de Buenos Aires, a mim inclusive, nem mesmo uma flor". Portanto, o futuro Papa tomou a iniciativa.

Eis como contou o ocorrido, partilhando com os sacerdotes do clero de Roma:

"Subi e fui a uma floricultura – porque em Buenos Aires nos cruzamentos temos floriculturas, nas ruas, nos lugares onde tem muita gente – e comprei flores, rosas... Voltei e comecei a preparar o caixão, com flores... Olhei para o Terço que tinha na mão... e logo me veio em mente – aquele ladrão que todos temos dentro de nós, não? –, e enquanto arrumava as flores peguei a cruz do Terço, com um pouco de força a arranquei. E naquele momento olhei para ele e disse: 'Dá-me a metade da tua misericórdia'. Senti uma coisa forte que me deu a coragem de fazer isso e de fazer essa oração! E depois, aquela cruz a coloquei aqui, no bolso. As vestes do Papa não têm bolsos, mas sempre tenho comigo um pequeno invólucro de tecido, e daquele momento até hoje, aquela cruz está comigo. E quando me vem em mente um pensamento ruim contra alguma pessoa, levo a mão a essa cruz. E sinto a graça! Sinto que me faz bem. Como faz bem o exemplo de um padre misericordioso, de um padre que se aproxima das feridas!..."


Cidade do Vaticano, 06/03/2014 - Rádio Vaticano 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...