Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/08/2018

“Queridos filhos,

Com amor materno os convido a abrirem os seus corações à paz, a abrirem os seus corações ao MEU FILHO, a cantar em seus corações o amor ao MEU FILHO, porque somente através deste amor chega a paz da alma.

Filhos MEUS, EU sei que vocês tem a bondade, sei que vocês tem o amor, o amor misericordioso. Mas, muitos dos MEUS filhos ainda tem os corações fechados, pensam que podem agir sem colocar os seus pensamentos ao PAI CELESTIAL que ilumina, diante do MEU FILHO que está sempre e novamente com vocês na EUCARISTIA e que deseja ouvi-los.

Filhos Meus, porque não falam para eles ? A vida de cada um de vocês é importante e preciosa porque é um dom do PAI CELESTIAL para a ETERNIDADE, por isso nunca se esqueçam de agradecê-LO e falar com ELE.

Eu sei, filhos MEUS, que para vocês é desconhecido aquilo que virá depois, porém quando chegar o “depois” de vocês, terão todas as respostas. O MEU amor materno deseja que vocês estejam prontos.

Filhos MEUS, com a vida de vocês coloquem sentimentos bons nos corações das pessoas que vocês encontrarem, sentimentos de paz, de bondade, de amor e de perdão. Através da oração escutem o que lhes diz o MEU FILHO e assim o façam.

Novamente os convido a rezarem pelos seus sacerdotes, por aqueles a quem o MEU FILHO chamou; lembrem-se que eles tem necessidade de orações e de amor.

Obrigada.”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

O Papa Francisco acorda às 4h30 e ainda usa a sua máquina de escrever

Quando muito cedo de manhã se escuta na Casa Santa Marta o barulho das teclas de uma máquina de escrever, é sinal de que o Papa Francisco já iniciou o seu trabalho. O Santo Padre “acorda às quatro e meia da manhã, prepara-se, reza até as sete na Santa Marta e logo celebra a missa. Depois, o café da manhã, e recebe em audiência no Palácio Apostólico até meio-dia”. Assim assinala ao jornal L’Osservatore Romano (LOR), seu ex-porta-voz em Buenos Aires, Guillermo Marcó.

O Pontífice não usa nenhum tipo de aparelhos eletrônicos para realizar seu trabalho, faz os seus escritos através de uma máquina de escrever antiga. O Papa não deixou seu estilo austero que continua surpreendendo o mundo, sobretudo, os jornalistas.

Marcó disse que o Santo Padre trabalha muito “passa a tarde na Santa Marta, até as nove, quando vai dormir. Santa Marta é uma residência construída originalmente para que os cardeais possam estar cômodos durante o conclave. Francisco mora lá com os seus secretários. No seu quarto há uma escrivaninha e um banheiro”.

Indicou que “no Vaticano estão surpreendidos por sua capacidade de trabalho. Lembro-me de uma frase que me disse há um ano quando foi embora daqui: ‘Nunca perdi a paz’”.

Marcó destacou a maneira de trabalhar do Santo Padre, já que ele por oito anos trabalhou junto com Jorge Mario Bergoglio quando era Arcebispo de Buenos Aires. Disse também que “o Papa tem essa autoridade e sabe impô-la. Por exemplo, quando designou os novos cardeais, disse-lhes que recordem que não são príncipes, mas servidores. Ser cardeal não é um privilégio, mas um compromisso maior, com maior responsabilidade e trabalho”.

Recordou também que “eu estava com ele quando foi criado cardeal (em 2001). Havia grandes delegações que chegavam com um grande séquito. E depois as festas, que eram majestosas. Mas este Papa está marcando o fim da corte pontifícia”.

Sobre o pensamento do Papa Francisco disse que “insiste muito sobre a misericórdia. Não quer mudar a doutrina, é um homem conservador, mas mudará a forma de aproximar-se a um problema. A condenação em si mesma não serve, é preciso aproximar-se às pessoas sem ser muito rígidos nem permissivos”.

Ao referir-se ao encontro que teve com o Papa Francisco no dia 27 de fevereiro deste ano, respeito à viagem a Terra Santa no próximo mês de maio, Marcó indicou que “fomos uma delegação de 45 pessoas composta por 15 judeus, 15 muçulmanos e 15 católicos que tínhamos visitado os mesmos lugares onde estará ele: Belém, Jerusalém e Jordânia”.

Marcó estimou que o Pontífice tenha o mesmo objetivo quanto ao diálogo, porque realiza “ações conjuntas que não são para discutir teologia. O Papa Francisco sabe bem que as relações não costumam dar certo se se discute de política ou de teologia”.


ROMA, 19 Mar. 2014 - ACI
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...