Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/10/2017

Queridos filhos,

Falo a vocês como MÃE, com palavras simples mas cheias de amor e de preocupação, que ME foram confiados por MEU FILHO. É ELE que, do ETERNO PRESENTE, fala a vocês com palavras de vida e semeia o amor nos corações abertos, Por esta razão os peço, apóstolos do MEU AMOR, tenham os corações abertos, sempre prontos à misericórdia e ao perdão.

Pelo MEU FILHO, perdoem sempre ao próximo porque assim vocês terão a paz. Filhos MEUS, preocupem-se com a alma de vocês porque é a única coisa que pertence a vocês realmente. Vocês se esqueceram da importância da família.

A família não deveria ser lugar de sofrimento e de dor mas local de compreensão e de ternura. As famílias que vivem segundo o MEU FILHO, vivem em amor recíproco.

Quando o MEU FILHO era ainda pequeno, ELE ME dizia que todos os homens são SEUS irmãos; por isso lembrem-se, apóstolos do MEU AMOR, que todos os homens que vocês encontrarem são família, irmãos pelo MEU FILHO.

Meus filhos, não gastem seu tempo pensando sobre o futuro, se preocupando. Que sua única preocupação seja viver bem cada momento de acordo com MEU FILHO. Lá está – paz para vocês!

Filhos MEUS, não esqueçam nunca de rezar pelos seus sacerdotes. Rezem para que possam aceitar todos os homens como seus próprios filhos e segundo o MEU FILHO, sejam pais espirituais. Obrigada.


OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Façamos o esforço de abrir-nos ao amor de Deus na Quaresma

O Papa Francisco celebrou hoje uma missa na Basílica de São Pedro com a presença de mais de 500 parlamentares italianos, dos presidentes do Senado e da Câmara e de nove ministros da Itália. O Santo Padre refletiu sobre a necessidade que cada pessoa tem na Quaresma de abrir-se ao amor e à salvação de Deus para não terminar sendo um corrupto.

Na primeira leitura, extraída do livro de Jeremias, o profeta apresenta o “lamento de Deus” por uma geração que, assinala o Papa, não acolheu seus mensageiros e que, em vez disso, justifica-se por seus pecados. “Deram-me as costas”, citou o Papa Francisco, acrescentando logo que: “Este é a dor do Senhor, a dor de Deus”. Esta realidade está presente também no Evangelho do dia, a de uma cegueira para Deus, sobretudo, dos líderes do povo.

“O coração daquelas pessoas com o tempo se endureceu tanto, tanto, tanto, que ficou impossível ouvirem a voz do Senhor. E de pecadores que eram, regrediram até tornarem-se corruptos”.

O Santo Padre disse logo que “é muito difícil um corrupto voltar atrás. Os pecadores sim, porque o Senhor é misericordioso e os espera, nos espera a todos. Mas os corruptos ficam presos em suas coisas, e estes eram corruptos. E por isso se justificam, por que Jesus, com a sua simplicidade, mas com a força de Deus os incomodava”.

“Pessoas que seguiram por um caminho errado e que fizeram resistência à salvação de amor do Senhor, e assim se desviaram da fé, de uma teologia de fé a uma teologia do dever”.

O Papa Francisco indicou deste modo que “recusaram o amor do Senhor e esta negação os levou a um caminho que não era o da dialética da liberdade que o Senhor oferecia, mas o da lógica da necessidade, onde não há lugar para o Senhor. Na dialética da liberdade, existe o Senhor bom, que nos ama tanto!”.

“Ao contrário, na lógica da necessidade não há lugar para Deus: a ordem é ‘fazer’, ‘dever’... é uma ordem comportamental: são homens de boas maneiras, mas de péssimos costumes”.

O Santo Padre assinalou também que “neste caminho de Quaresma, fará bem a todos nós pensar no convite do Senhor ao amor e nos questionarmos se estamos caminhando neste sentido, ou estamos ‘correndo o risco de nos justificar e escolhermos outro caminho?’”.

“Rezemos ao Senhor para que nos dê a graça de seguirmos sempre pelo caminho da salvação, de nos abrirmos à salvação que vem apenas de Deus, da fé. Peçamos a Deus que nos dê a graça da fé, e não daquilo que propunham esses ‘doutores do dever’, os quais, sem fé, regiam o povo com a teologia pastoral do dever”.

Para concluir, o Papa exortou cada um de nós a pedir “esta graça: Dá-me Senhor a graça de abrir-me à tua salvação. A Quaresma é para isto. Deus ama todos. Ama todos! Fazer o esforço de abrir-nos: pede-nos somente isto: ‘Abra-me a porta. Eu faço o resto’. Deixemos que Ele entre em nós, nos acolha e nos dê a salvação. Que assim seja”.


VATICANO, 27 Mar. 14 - ACI/EWTN Noticias
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...