Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/11/2017

“Queridos filhos, olhando vocês em torno de Mim, em torno da sua Mãe, Eu estou vendo muitas almas puras, vejo muitos dos Meus filhos que estão procurando amor e consolação, mas ninguém está oferecendo isso a eles.

Também vejo aqueles que fazem o mal, porque não têm bons exemplos, não conheceram Meu Filho, aquele bem que é silencioso, que se difunde através das almas puras, que é a força que reforça o mundo.

Existem muitos pecados, mas também muito amor. o Meu Filho Me envia, como Mãe, a mesma igual para todos, para que Eu vos ensine o Amor, para que vocês compreendam que são irmãos.

Ele deseja vos ajudar. Apóstolos do Meu Amor, é suficiente o desejo vivo da fé e do Amor, o Meu Filho o aceitará.

Mas vocês têm que ser dignos, ter boa vontade e um coração aberto. O Meu Filho entra nos corações abertos. Eu, como Mãe, desejo que vocês conheçam o melhor possível o Meu Filho, Deus, nascido de Deus, para que vocês conheçam a grandeza do Seu Amor, o qual vocês tanto precisam.

Ele aceitou os seus pecados, conseguiu a Redenção para vocês, mas em troca procura que vocês amem-se uns aos outros. O Meu Filho é Amor. Ele ama todo ser humano, sem diferença, todas as pessoas de todos os povos e nações.

Se vocês, Meus Filhos, vivessem o Amor do Meu Filho, o Seu Reinado já estaria na Terra. Por isso, Apóstolos do Meu Amor, rezem, rezem para que o Meu Filho e Seu Amor estejam mais próximos de vocês, para que vocês sejam exemplos de Amor e possam ajudar àqueles que ainda não conhecem o Meu Filho.

Nunca esqueçam que o Meu Filho, Uno e Trino, Ama. Amem e rezem pelos seus sacerdotes. Obrigada.”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Exercícios Espirituais ao Papa e Cúria: os frutos da fé nascem do encontro entre Deus e o homem

Prosseguem em Ariccia, nos Castelos Romanos – a cerca de 40 quilômetros de Roma –, em seu terceiro dia, os Exercícios Espirituais propostos ao Papa e à Cúria Romana. Iniciados no domingo, os exercícios se concluirão na próxima sexta-feira.

O homem é como uma romã: dentro tem muitas sementes carnosas, tantas quantas os elementos da criação. Deus colocou-as todas juntas envolvidas em arilo polposo, sobre o qual infundiu o sopro da vida.

De fato, na manhã desta terça-feira – na abertura do terceiro dia de Exercícios Espirituais para o Papa e a Cúria Romana na casa Divin Maestro em Ariccia –, enquanto o pregador Mons. Angelo De Donatis oferecia essa imagem da criação do homem, mostrou uma bonita romã, madura e compacta, quase dando a idéia da beleza da criatura humana.

Uma beleza que, porém – disse –, é destinada a desfazer-se se se impede artificiosamente o sopro de Deus, ou seja, o amor misericordioso que Ele nos dá, de penetrar em profundidade. Então ocorre que cada uma daquelas pequenas sementes – explicou –, tomada pela vontade de auto-afirmação, procura expandir-se num confronto despótico com as outras, até provocar a explosão e, consequentemente, a desintegração do fruto.

Tratou-se, naturalmente, de uma metáfora que o pregador usou para explicar o efeito do mal que toma conta do homem.

Inicialmente, o pároco da paróquia romana de São Marcos Evangelista, no Capitólio, referiu-se à passagem do encontro de Jesus com o endemoninhado narrada pelo evangelista Marcos (5, 1-20), do qual repropôs os momentos salientes:

O diálogo, a súplica do demônio para não ser expulso e, consequentemente, obrigado a vagar; a pergunta de Jesus para saber qual era o nome dele; o definir-se "legião" por parte do demônio, a indicar um número enorme daqueles que tinham possuído aquele homem e que o governavam; o pedido deles a serem ao menos transferidos todos para a manada de porcos que estava ali nas proximidades e que, uma vez recebido o consenso de Jesus, enlouqueceram os porcos a ponto de provocar o suicídio deles em massa por afogamento no mar.

Um episódio – explicou Mons. De Donatis – que pela reação dos proprietários dos porcos nos aproxima do que acontece hoje no mundo. De fato, ninguém, narra São Marcos, deu-se conta daquele jovem que, libertado do demônio, voltava à vida, porque estavam mais preocupados com o dano econômico provocado pela morte daqueles dois mil porcos, a ponto de expulsarem Jesus, o qual se retirou sem dizer nada. Efetivamente, uma ideologia econômica impediu que aqueles homens encontrassem Jesus.

Diante da ideologia econômica pagã põe-se a religião. Jesus expulsa o demônio. E o homem encontra-se livre, libertado por Cristo. Não tem medo, está livre do medo. Deus o salvou. E o salvou não porque tivesse feito algo de extraordinário, mas porque tinha chegado ao amor misericordioso de Deus.

E para chegar a esse amor – observou Mons. De Donatis – precisamos da ajuda do Espírito Santo. Sem Ele seria impossível. De fato, não servem as nossas obras para chegar a Deus, explicou ainda. O necessário é a essencialidade do amor em Cristo.

O pregador já havia dedicado grande parte da meditação de segunda-feira à tarde à relação entre obras do homem e graça de Deus.

Referindo-se à passagem da Carta de São Paulo aos Efésios (2, 1-10), Mons. De Donatis recordara em particular que nossa tarefa não é mostrar ao mundo o que a Igreja faz, o que fazem os padres, os cristãos, mas mostrar o que Deus faz através de nós.

Quando, ao invés, colocamos em primeiro plano nosso empenho, nossas obras, então corremos o risco de tornar-nos mundanos.

Por isso, devemos nos empenhar a reconhecer que somos todos simplesmente "pecadores perdoados". Somos salvos <
>, como mais vezes recorda São Paulo, não <>. Portanto, devemos libertar-nos da tentação de querer sempre fazer algo esquecendo que, na realidade, fomos salvos gratuitamente. Hoje é muito difusa essa fome de aparecer com nossas obras. Mas a verdadeira "boa obra" é Cristo, observou.

Daí, o exame de consciência ao qual o pregador convidou os católicos, exortando-os a se perguntarem: como é possível que as pessoas, vendo o volume trabalho e obras que a Igreja realiza, não louvam o Senhor? Evidentemente, algo não está certo.

Portanto, não se deve continuamente buscar aplausos, nem alimentar invejas clericais. A pastoral hodierna – constatou o pregador – é em boa parte um esforço do fazer: na realidade, tudo deveria brotar como fruto do Espírito Santo.

Em suma – sentenciou –, somos por demais habituados a fazer projetos e depois a pedir ao Senhor que faça alguma coisa para que a missão não fracasse. Ao invés, é indispensável mudar a perspectiva: se começa a capinar, depois se lança a semente, se irriga e por fim o grão chega. Desse modo – concluiu Mons. De Donatis –, os frutos da fé nascem realmente do encontro entre Deus e o homem.



Ariccia, 11/03/2014 - Rádio Vaticano 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...