Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/07/2017

“Queridos filhos, os agradeço porque responderam ao Meu chamado e porque se reuniram em torno de Mim, em torno da Sua Mãe Celestial. Eu sei que pensam em Mim com amor e esperança. Eu sinto o amor de cada um de vocês, como também a sede do Meu Amadíssimo Filho, que por meio do Seu Amor Misericordioso, sempre e novamente Me envia até vocês. Ele que era homem e Deus Uno e Trino. Ele que por causa de vocês sofreu com o corpo e com a alma. Ele que se fez pão para dar pão às suas almas, para poder salvá-las.

Meus filhos, os ensino como serem dignos do Seu Amor, para poderem dirigir os seus pensamentos a Ele, para poderem viver o Meu Filho. Apóstolos do Meu Amor, os envolvo com o Meu Manto porque como Mãe desejo salvá-los.

Os peço: rezem pelo mundo inteiro. O Meu Coração sofre. Os pecados se multiplicam, são muitos. Mas com a ajuda de vocês, vocês que são humildes, cheios de amor, escondidos e santos, o Meu Coração triunfará. Amem o Meu Filho acima de tudo, e o mundo inteiro por meio Dele.

Não esqueçam nunca que cada irmão seu leva em si algo de precioso: a alma. Por isso, Meus filhos, amem a todos aqueles que não conhecem o Meu Filho, para que por meio da oração e do amor que vem da oração, eles possam tornarem-se melhores, a fim de que a bondade neles possa vencer, para poder salvarem as almas e terem a Vida Eterna.

Meus Apóstolos, Meus filhos, o Meu Filho pediu que amassem uns aos outros; que isto esteja escrito em seus corações e com a oração comecem a viver este amor.

Obrigada.

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Cuba: Opositores criam “grupo representativo” para dialogar com organismos internacionais

Líderes da oposição cubana criaram nesta quarta-feira, 26, “um grupo representativo que atuará como canal de diálogo com as instituições internacionais e outros possíveis interlocutores”, entre eles está a União Europeia (UE), cujo Conselho de Ministros de Exterior aprovou no dia 10 de fevereiro a negociação de um acordo de diálogo e cooperação com o regime de Raul Castro.

Em um comunicado os opositores pediram perante o Governo de Cuba e a comunidade internacional a libertação incondicional de todos os presos políticos, incluindo aqueles que estão cumprindo pena em regime semi-aberto e os que foram detidos por protestar contra a violenta repressão política na ilha ou por participar em manifestações pacíficas pelo respeito aos direitos humanos no país.

O ato foi realizado na Casa da América de Madri (Espanha). Entre os assinantes estão Guillermo Fariñas, representante da União Patriótica Cubana (UNPACU); Juan Felipe Medina, do Movimento Cristão de Liberação (MCL); Elizardo Sánchez, da Comissão Cubana de Direitos humanos; Manuel Custa Morua, do grupo Arco Progressista; Berta Soler, líder das Damas de Branco, o jornalista Reinaldo Escobar e a blogueira Yoani Sánchez.

Em declarações recolhidas pelo site Eldiario.es, Juan Felipe Medina assinalou que nas negociações internacionais de Cuba "a temática até o momento foi não falar do que incomoda o governo", e apontou que a oposição não pretende "apresentar uma agenda" à UE mas que há temas que "não podem ser excluídos".

Por sua parte, Berta Soler recordou que as Damas de Branco lutam "não por uma mudança econômica e migratória, mas principalmente pelo respeito aos direitos humanos", por isso as negociações entre a UE e Cuba geram "preocupação".

Durante o evento, os dissidentes cubanos expressaram seu apoio aos "democratas pacíficos" que marcham na Venezuela. Indicaram que "seguem com atenção" os acontecimentos no país sul-americano devido às relações históricas entre o chavismo e o regime cubano.

Em um comunicado nesta quarta-feira, o MCL expressou a necessidade de elevar o nível de exigências ao regime cubano.

“O MCL apoia o fortalecimento da sociedade civil na ilha, mas deixou claro durante a reunião organizada pelo AIL na Casamerica em Madri, que não se pode falar de sociedade civil sem direito à liberdade de associação e à liberdade de expressão”, assinala a nota.

Juan Felipe Medina, membro do Conselho Diretivo do MCL, que participou do evento, assegurou que “sem o reconhecimento a estes direitos (...) não é possível concretizar e avançar rumo a estas liberdades”.

O movimento fundado pelo falecido líder opositor Oswaldo Payá assinalou que “espera que o diálogo entre membros da sociedade civil possa avançar rumo a formas de unidade e representatividade em consulta com toda a oposição”.

“Juan F. Medina pediu aos participantes, para que seja recolhido no texto da declaração do encontro, o apoio a uma investigação das mortes de Oswaldo Payá e Harold Cepero, proposta que foi desprezada pela maioria”, advertiu o MCL.


HAVANA, 27 Fev. 14 - ACI
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...