Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/12/2017

“Queridos filhos, Me dirijo a vocês como sua Mãe, a Mãe dos justos, a Mãe daqueles que amam e sofrem, a Mãe dos santos.

Filhos Meus, também vocês podem ser santos: depende de vocês. Santos são aqueles que amam imensamente o Pai Celestial, aqueles que O amam acima de tudo.

Por isso, filhos Meus, procurem ser sempre melhores. Se procuraram ser bons, podem ser santos, também se não pensam isto de vocês. Se vocês pensam ser bons, não são humildes e a soberba os distancia da santidade.

Neste mundo inquieto, cheio de ameaças, as suas mãos, apóstolos do Meu amor, devem estar estendidas em oração e em misericórdia. Para mim, filhos Meus, presenteiem o Rosário, as rosas que tanto amo!

As Minhas rosas são as suas orações feitas com o coração e não somente recitadas com os lábios. As minhas rosas são as suas obras de oração, de fé e de amor.

Quando era pequeno, Meu Filho me dizia que os Meus filhos seriam numerosos e que me trariam muitas rosas.

Eu não compreendia, agora sei que vocês são aqueles filhos, que trazem rosas quando amam o Meu Filho acima de tudo, quando rezam com o coração, que ajudam os mais pobres. Estas são as Minhas rosas!

Esta é a fé, que faz que tudo na vida se faça por amor; que não conhece a soberba; que perdoa sempre prontamente, sem nunca julgar e procurando sempre compreender o próprio irmão.

Por isso, apóstolos do Meu amor, rezem por aqueles que não sabem amar, por aqueles que não os amam, por aqueles que os fizeram mal, por aqueles que não conheceram o Amor de Meu Filho. Filhos Meus, os peço isto para que lembrem que rezar significa amar e perdoar. Obrigada !”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

O verdadeiro conhecimento brota da fé unida ao amor, afirma Papa Francisco a membros das Academias Pontifícias

 O Papa Francisco dirigiu uma mensagem às Academias Pontifícias que celebraram nesta terça-feira a sua 18º Sessão Pública com o tema “Oculata Fides. Ler a realidade com os olhos de Cristo”; em seu texto, o Santo Padre recordou que “é nesta ligação entre fé e amor que se compreende a forma de conhecimento próprio da fé, a sua capacidade de iluminar os nossos passos”.

O texto, lido pelo Secretário de Estado, Dom Pietro Parolin, recorda que o tema deste ano remete a uma frase de Santo Tomás de Aquino, citada na encíclica Lumen Fidei e que as Pontifícias Academias debatem a relação entre este documento e a recente exortação apostólica “Evangelii Gaudium”.

“Em ambos os documentos convido a refletir sobre a dimensão 'luminosa' da fé e a ligação entre fé e verdade ... à luz da perspectiva do amor. É nesta ligação entre fé e amor que se compreende a forma de conhecimento próprio da fé, a sua capacidade de iluminar os nossos passos. A compreensão da fé nasce quando recebemos o grande amor de Deus que nos transforma interiormente e nos dá olhos novos para ver a realidade”, expressou o Papa.

Indicou que “daqui se derivam importantes consequências tanto para o atuar dos crentes, como para o método de trabalho dos teólogos: 'A verdade fica hoje reduzida à autenticidade subjetiva do indivíduo, válida só para a vida de cada um. Uma verdade comum nos dá medo, porque a identificamos com a imposição intransigente dos totalitarismos”.

“Entretanto, se é a verdade do amor, se é a verdade que se desvela no encontro pessoal com o Outro e com os outros, então se liberta de sua clausura no âmbito privado para fazer parte do bem comum... Em lugar de nos fazer intolerantes, a segurança da fé nos põe em caminho e faz possível o testemunho e o diálogo com todos”.

“Esta perspectiva, a de uma Igreja toda a caminho e toda missionária é aquela que se desenvolve na Exortação Apostólica sobre o anúncio do Evangelho no mundo atual. O ‘sonho de uma escolha missionária capaz de renovar todas as coisas’ diz respeito a toda a Igreja e a todas as suas partes”, acrescentou.

Nesse sentido, Francisco disse que “também as Academias Pontifícias são chamadas a esta transformação, para que não falte a sua contribuição ao corpo eclesial. Não se trata, porém, de fazer operações exteriores, de ‘fachada’. Trata-se, ao invés disto, também para vocês, de concentrar-se ainda mais ‘no essencial, naquilo que é mais bonito, maior, mais atraente, mas também necessário”.

O Santo Padre conclui sua mensagem com o nome dos homenageados este ano com o Prêmio das Pontifícias Academias aos jovens estudiosos de teologia que oferecem a sua contribuição à promoção de um novo humanismo cristão. Trata-se, nesta ocasião, do reverendo prof. Alessandro Clemenzia por sua obra “Na Trindade como Igreja. Em diálogo com Heribert Mühlen” e a professora Maria Silvia Vaccarezza pela obra “As razões do contingente. A sabedoria prática entre Aristóteles e Santo Tomás de Aquino”.

VATICANO, 30 Jan. 14 - ACI/EWTN Noticias
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...