Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/07/2017

“Queridos filhos, os agradeço porque responderam ao Meu chamado e porque se reuniram em torno de Mim, em torno da Sua Mãe Celestial. Eu sei que pensam em Mim com amor e esperança. Eu sinto o amor de cada um de vocês, como também a sede do Meu Amadíssimo Filho, que por meio do Seu Amor Misericordioso, sempre e novamente Me envia até vocês. Ele que era homem e Deus Uno e Trino. Ele que por causa de vocês sofreu com o corpo e com a alma. Ele que se fez pão para dar pão às suas almas, para poder salvá-las.

Meus filhos, os ensino como serem dignos do Seu Amor, para poderem dirigir os seus pensamentos a Ele, para poderem viver o Meu Filho. Apóstolos do Meu Amor, os envolvo com o Meu Manto porque como Mãe desejo salvá-los.

Os peço: rezem pelo mundo inteiro. O Meu Coração sofre. Os pecados se multiplicam, são muitos. Mas com a ajuda de vocês, vocês que são humildes, cheios de amor, escondidos e santos, o Meu Coração triunfará. Amem o Meu Filho acima de tudo, e o mundo inteiro por meio Dele.

Não esqueçam nunca que cada irmão seu leva em si algo de precioso: a alma. Por isso, Meus filhos, amem a todos aqueles que não conhecem o Meu Filho, para que por meio da oração e do amor que vem da oração, eles possam tornarem-se melhores, a fim de que a bondade neles possa vencer, para poder salvarem as almas e terem a Vida Eterna.

Meus Apóstolos, Meus filhos, o Meu Filho pediu que amassem uns aos outros; que isto esteja escrito em seus corações e com a oração comecem a viver este amor.

Obrigada.

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

O verdadeiro conhecimento brota da fé unida ao amor, afirma Papa Francisco a membros das Academias Pontifícias

 O Papa Francisco dirigiu uma mensagem às Academias Pontifícias que celebraram nesta terça-feira a sua 18º Sessão Pública com o tema “Oculata Fides. Ler a realidade com os olhos de Cristo”; em seu texto, o Santo Padre recordou que “é nesta ligação entre fé e amor que se compreende a forma de conhecimento próprio da fé, a sua capacidade de iluminar os nossos passos”.

O texto, lido pelo Secretário de Estado, Dom Pietro Parolin, recorda que o tema deste ano remete a uma frase de Santo Tomás de Aquino, citada na encíclica Lumen Fidei e que as Pontifícias Academias debatem a relação entre este documento e a recente exortação apostólica “Evangelii Gaudium”.

“Em ambos os documentos convido a refletir sobre a dimensão 'luminosa' da fé e a ligação entre fé e verdade ... à luz da perspectiva do amor. É nesta ligação entre fé e amor que se compreende a forma de conhecimento próprio da fé, a sua capacidade de iluminar os nossos passos. A compreensão da fé nasce quando recebemos o grande amor de Deus que nos transforma interiormente e nos dá olhos novos para ver a realidade”, expressou o Papa.

Indicou que “daqui se derivam importantes consequências tanto para o atuar dos crentes, como para o método de trabalho dos teólogos: 'A verdade fica hoje reduzida à autenticidade subjetiva do indivíduo, válida só para a vida de cada um. Uma verdade comum nos dá medo, porque a identificamos com a imposição intransigente dos totalitarismos”.

“Entretanto, se é a verdade do amor, se é a verdade que se desvela no encontro pessoal com o Outro e com os outros, então se liberta de sua clausura no âmbito privado para fazer parte do bem comum... Em lugar de nos fazer intolerantes, a segurança da fé nos põe em caminho e faz possível o testemunho e o diálogo com todos”.

“Esta perspectiva, a de uma Igreja toda a caminho e toda missionária é aquela que se desenvolve na Exortação Apostólica sobre o anúncio do Evangelho no mundo atual. O ‘sonho de uma escolha missionária capaz de renovar todas as coisas’ diz respeito a toda a Igreja e a todas as suas partes”, acrescentou.

Nesse sentido, Francisco disse que “também as Academias Pontifícias são chamadas a esta transformação, para que não falte a sua contribuição ao corpo eclesial. Não se trata, porém, de fazer operações exteriores, de ‘fachada’. Trata-se, ao invés disto, também para vocês, de concentrar-se ainda mais ‘no essencial, naquilo que é mais bonito, maior, mais atraente, mas também necessário”.

O Santo Padre conclui sua mensagem com o nome dos homenageados este ano com o Prêmio das Pontifícias Academias aos jovens estudiosos de teologia que oferecem a sua contribuição à promoção de um novo humanismo cristão. Trata-se, nesta ocasião, do reverendo prof. Alessandro Clemenzia por sua obra “Na Trindade como Igreja. Em diálogo com Heribert Mühlen” e a professora Maria Silvia Vaccarezza pela obra “As razões do contingente. A sabedoria prática entre Aristóteles e Santo Tomás de Aquino”.

VATICANO, 30 Jan. 14 - ACI/EWTN Noticias
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...