Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/07/2017

“Queridos filhos, os agradeço porque responderam ao Meu chamado e porque se reuniram em torno de Mim, em torno da Sua Mãe Celestial. Eu sei que pensam em Mim com amor e esperança. Eu sinto o amor de cada um de vocês, como também a sede do Meu Amadíssimo Filho, que por meio do Seu Amor Misericordioso, sempre e novamente Me envia até vocês. Ele que era homem e Deus Uno e Trino. Ele que por causa de vocês sofreu com o corpo e com a alma. Ele que se fez pão para dar pão às suas almas, para poder salvá-las.

Meus filhos, os ensino como serem dignos do Seu Amor, para poderem dirigir os seus pensamentos a Ele, para poderem viver o Meu Filho. Apóstolos do Meu Amor, os envolvo com o Meu Manto porque como Mãe desejo salvá-los.

Os peço: rezem pelo mundo inteiro. O Meu Coração sofre. Os pecados se multiplicam, são muitos. Mas com a ajuda de vocês, vocês que são humildes, cheios de amor, escondidos e santos, o Meu Coração triunfará. Amem o Meu Filho acima de tudo, e o mundo inteiro por meio Dele.

Não esqueçam nunca que cada irmão seu leva em si algo de precioso: a alma. Por isso, Meus filhos, amem a todos aqueles que não conhecem o Meu Filho, para que por meio da oração e do amor que vem da oração, eles possam tornarem-se melhores, a fim de que a bondade neles possa vencer, para poder salvarem as almas e terem a Vida Eterna.

Meus Apóstolos, Meus filhos, o Meu Filho pediu que amassem uns aos outros; que isto esteja escrito em seus corações e com a oração comecem a viver este amor.

Obrigada.

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

O Papa Francisco tem a palavra final sobre Medjugorje, recorda perito vaticano

Devido às especulações de certa imprensa sobre o relatório final da Comissão Internacional de investigação sobre Medjugorje, o Prefeito Emérito da Congregação para a Causa dos Santos, o Cardeal português José Saraiva Martins, recordou que o Papa Francisco tem a última palavra sobre este caso.

Na sexta-feira, 17 de janeiro, realizou-se a última reunião da comissão, estabelecida pela Congregação para a Doutrina da Fé em março de 2010, sob a presidência do Cardeal Camillo Ruini. Segundo a agência AICA, o documento nascido desta reunião estaria sendo submetido às “instâncias competentes” da mesma Congregação no Vaticano.

Em declarações neste 21 de janeiro, o Cardeal Martins, considerou que “essas autoridades competentes às que se referem, são o mesmo Papa. O Papa tem sempre a última palavra”.

“Assim ocorreu com as aparições da Virgem de Lourdes e assim ocorreu com Fátima”, recordou.

O Cardeal Saraiva Martins considerou que provavelmente passará algum tempo até que a Igreja chegue a uma conclusão definitiva, porque conforme assinala, costumam passar “muitos anos para chegar a uma opinião oficial”.

Além disso, esclareceu que o Papa Francisco não tem um limite de tempo determinado para pronunciar-se a respeito, de maneira que não se pode estabelecer uma data para conhecer o veredicto. Conforme estabelece o Código de Direito Canônico, o Santo Padre, como Pontífice de Roma, tem pleno direito de tomar o tempo que ele considere necessário para emitir uma decisão final.

Por outro lado, o Cardeal Saraiva expressou sua confiança nos resultados da investigação.

Conforme se lê em uma carta do Cardeal Gerhard Müller, Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, enviada aos bispos norte-americanos em novembro de 2013, a Igreja não autoriza participar de reuniões, conferências ou celebrações públicas durante as quais se dê por válidas as aparições de Medjugorje.

“Como vocês sabem bem, a Congregação para a Doutrina da Fé está no processo de investigar certos aspectos doutrinais e disciplinares do fenômeno de Medjugorje. Por esta razão, a Congregação afirmou que, com respeito à credibilidade da ‘aparição’ -e sobre as bases da investigação feita- não é possível estabelecer que aconteceram aparições ou revelações sobrenaturais’”, dizia a carta.

No dia 17 de março de 2010, durante os inícios da Comissão, a Santa Sé informou que o trabalho da Comissão se desenvolveria em rigorosa reserva e suas conclusões seriam apresentadas às instâncias da Congregação para a Doutrina da Fé.

“Os trabalhos da Comissão que presidi, devem permanecer totalmente reservados”, disse o Cardeal Ruini em declarações no dia 20 de janeiro, depois de concluir a última reunião que daria por dissolvida a Comissão.

O relatório final é o resultado de quase quatro anos de investigação da equipe formada por teólogos, médicos, psicólogos, mariólogos e líderes da Igreja na Bósnia e Croácia.

O objetivo da equipe de investigação foi esclarecer os acontecimentos do pequeno povo da Bósnia e Herzegovina, onde segundo seis de seus habitantes, a Virgem Maria se aparece desde 1981, dando uma série de mensagens com diferentes destinatários: os próprios videntes, a paróquia de Medjugorje, a Igreja e a humanidade.

O trabalho da Comissão também incluiu entrevistas pessoais e exames médicos aos seis supostos videntes de Medjugorje, que se apresentaram separadamente a Roma, assim como com outras pessoas próximas à história.

O trabalho da Comissão teria terminado faz mais de um ano, conforme assinalam diferentes fontes. Entretanto, uma série de acontecimentos não previstos, como a renúncia do Papa Bento XVI e o conclave posterior, frearam por um tempo vários assuntos na Santa Sé.


VATICANO, 22 Jan. 14 - ACI/EWTN Noticias
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...