Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/08/2018

“Queridos filhos,

Com amor materno os convido a abrirem os seus corações à paz, a abrirem os seus corações ao MEU FILHO, a cantar em seus corações o amor ao MEU FILHO, porque somente através deste amor chega a paz da alma.

Filhos MEUS, EU sei que vocês tem a bondade, sei que vocês tem o amor, o amor misericordioso. Mas, muitos dos MEUS filhos ainda tem os corações fechados, pensam que podem agir sem colocar os seus pensamentos ao PAI CELESTIAL que ilumina, diante do MEU FILHO que está sempre e novamente com vocês na EUCARISTIA e que deseja ouvi-los.

Filhos Meus, porque não falam para eles ? A vida de cada um de vocês é importante e preciosa porque é um dom do PAI CELESTIAL para a ETERNIDADE, por isso nunca se esqueçam de agradecê-LO e falar com ELE.

Eu sei, filhos MEUS, que para vocês é desconhecido aquilo que virá depois, porém quando chegar o “depois” de vocês, terão todas as respostas. O MEU amor materno deseja que vocês estejam prontos.

Filhos MEUS, com a vida de vocês coloquem sentimentos bons nos corações das pessoas que vocês encontrarem, sentimentos de paz, de bondade, de amor e de perdão. Através da oração escutem o que lhes diz o MEU FILHO e assim o façam.

Novamente os convido a rezarem pelos seus sacerdotes, por aqueles a quem o MEU FILHO chamou; lembrem-se que eles tem necessidade de orações e de amor.

Obrigada.”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Como à espera de um parto

No Natal vivem-se as «percepções interiores no feminino» próprias da «espera de um parto». Uma atitude espiritual que prevê um estilo de «abertura»: por isso nunca devemos afixar na porta da nossa alma «um anúncio educado» com a frase: «Por favor, não perturbe».
Foi uma forte evocação do significado mais verdadeiro do Natal a que o Papa Francisco propôs durante a missa celebrada na manhã de segunda-feira, 23 de Dezembro, na capela de Santa Marta. «Nesta última semana» que precede o Natal – recordou o Pontífice - «a Igreja repete a oração: Vem, Senhor!». E fazendo assim, «chama o Senhor com muitos nomes diferentes, cheios de uma mensagem sobre o próprio Senhor»: «ó Sabedoria, ó Juízo, ó raiz de Jessé, ó sol, ó rei das nações, ó Emanuel hoje».
A Igreja faz isto, explicou o Santo Padre, porque «está à espera de um parto». De facto «também a Igreja, nesta semana, está como Maria: à espera do parto». No seu coração a Virgem «sentia o que sentem todas as mulheres naquele estado» tão particular: as «percepções interiores no seu corpo e na sua alma» das quais compreende que o filho já está para nascer. E «certamente no seu coração dizia» ao menino que trazia no ventre: «Vem, quero ver o teu rosto porque me disseram que tu serás grandioso!».
É uma experiência espiritual que vivemos também «nós, como Igreja», porque «acompanhamos Nossa Senhora neste caminho de expectativa». E «queremos apressar este nascimento do Senhor». Este é o motivo da oração: «Vem, ó chave de David, ó sol, ó sabedoria, ó Emanuel. Vem!». Uma invocação que ressoa também dos últimos versículos da Bíblia quando, no final do livro do Apocalipse, a Igreja repete: «Vem, Senhor Jesus». Fá-lo com «a palavra aramaica – maranathá – que pode significar um desejo ou uma certeza: o Senhor vem».
Na realidade, «o Senhor vem duas vezes». A primeira, explicou o bispo de Roma, é «esta que comemoramos agora, o nascimento físico». Depois «virá no final, para encerrar a história». Mas, acrescentou, «são Bernardo diz-nos que haverá uma terceira vinda do Senhor: aquela de cada dia». Com efeito «o Senhor visita a sua Igreja todos os dias. Visita cada um de nós. E também a nossa alma entra nesta semelhança: a nossa alma assemelha-se com a Igreja; a nossa alma assemelha-se com Maria». Nesta perspectiva o Papa Francisco recordou que «os padres do deserto dizem que Maria, a Igreja e a nossa alma são femininas». Assim «o que se diz de uma, analogamente se pode dizer da outra».
«O mundo não acaba connosco», afirmou o Papa e «não somos mais importantes do que o mundo». Assim, prosseguiu, «juntamente com Nossa Senhora e com a mãe Igreja far-nos-á bem repetir hoje em oração estas invocações: ó sabedoria, ó chave de David, ó rei das nações, vem, vem!». E, insistiu, será bom «repetir muitas vezes: vem!». Uma oração que se torna exame de consciência, para verificar «como está a nossa alma» e fazer de modo «que não haja uma alma que diga» aos outros que não quer ser incomodada, mas «uma alma aberta, uma alma grande para receber o Senhor nestes dias». Uma alma, concluiu o Santo Padre, «que comece a sentir o que amanhã na antífona a Igreja nos dirá: sabei que hoje vem o Senhor e amanhã vereis a sua glória».

Terça, 24/12/2013 - L’Osservatore Romano
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...