Mensagens de Nossa Senhora em Medjugorje no dia 02/12/2017

“Queridos filhos, Me dirijo a vocês como sua Mãe, a Mãe dos justos, a Mãe daqueles que amam e sofrem, a Mãe dos santos.

Filhos Meus, também vocês podem ser santos: depende de vocês. Santos são aqueles que amam imensamente o Pai Celestial, aqueles que O amam acima de tudo.

Por isso, filhos Meus, procurem ser sempre melhores. Se procuraram ser bons, podem ser santos, também se não pensam isto de vocês. Se vocês pensam ser bons, não são humildes e a soberba os distancia da santidade.

Neste mundo inquieto, cheio de ameaças, as suas mãos, apóstolos do Meu amor, devem estar estendidas em oração e em misericórdia. Para mim, filhos Meus, presenteiem o Rosário, as rosas que tanto amo!

As Minhas rosas são as suas orações feitas com o coração e não somente recitadas com os lábios. As minhas rosas são as suas obras de oração, de fé e de amor.

Quando era pequeno, Meu Filho me dizia que os Meus filhos seriam numerosos e que me trariam muitas rosas.

Eu não compreendia, agora sei que vocês são aqueles filhos, que trazem rosas quando amam o Meu Filho acima de tudo, quando rezam com o coração, que ajudam os mais pobres. Estas são as Minhas rosas!

Esta é a fé, que faz que tudo na vida se faça por amor; que não conhece a soberba; que perdoa sempre prontamente, sem nunca julgar e procurando sempre compreender o próprio irmão.

Por isso, apóstolos do Meu amor, rezem por aqueles que não sabem amar, por aqueles que não os amam, por aqueles que os fizeram mal, por aqueles que não conheceram o Amor de Meu Filho. Filhos Meus, os peço isto para que lembrem que rezar significa amar e perdoar. Obrigada !”

OBS: Esta mensagem é um carinho de Nossa Senhora para você... As matérias do blog seguem abaixo, aproveite!

Pontifícia Comissão para a América Latina debate desafios da Nova Evangelização

Uma comitiva da CNBB participou, no Santuário de Nossa Senhora de Guadalupe, no México, da peregrinação e encontro “Nossa Senhora de Guadalupe, Estrela da Nova Evangelização no Continente Americano”. O evento, promovido pela Pontifícia Comissão para a América Latina (CAL) entre os dias 16 e 19 de novembro, refletiu sobre os desafios da nova evangelização no continente.
Estavam presentes mais 300 convidados de 17 países, entre bispos, presbíteros, religiosos e leigos, além de outras 300 pessoas da arquidiocese mexicana. Integraram a comitiva da CNBB o secretário geral, dom Leonardo Steiner; o arcebispo do Rio de Janeiro, dom Orani João Tempesta; o bispo de Caruaru (PE), dom Bernardino Marchió; e o bispo de Camaçari (BA), dom João Carlos Petrini.
Em vídeo exibido na abertura do encontro, o papa Francisco recordou a proposta do Documento de Aparecida de uma Igreja em estado permanente de missão. “A intimidade da Igreja com Jesus é uma intimidade itinerante e pressupõe sair de si mesmo e caminhar, semeando novamente e sempre até onde for possível. Logo, a Igreja não se deve fechar, mas sair das suas comunidades e ter a audácia de chegar até as periferias, que precisam da presença de Deus”, disse o pontífice.

Missão Permanente

Com o tema “Anunciar transbordando de gratidão e alegria. Principais prioridades e acentuações da Missão Continental para a Igreja no Brasil”, dom Leonardo proferiu palestra em que apresentou o projeto “O Brasil na Missão Continental”, que desde 2008 promove inúmeras iniciativas para dinamizar a missão permanente.
Entre estas iniciativas, o secretário geral destacou a realização das semanas missionárias, retiros, encontros de formação nas dioceses; a contribuição das Santas Missões Populares; a campanha “Um milhão de Bíblias”; a disseminação da “capelinha missionária”, além dos vários subsídios produzidos. Dom Leonardo recordou também a realização de seminários sobre temáticas próprias da Missão Continental.
Na palestra, dom Leonardo lembrou que a Assembleia Geral da CNBB de 2011, ao aprovar as novas Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora, confirmou a continuidade da proposta da Missão Continental, indicando cinco urgências na evangelização. “As Diretrizes têm dinamizado a ajuda às Igrejas particulares, incentivando a missão popular, a pastoral da visitação, ao planejamento pastoral. Uma atenção especial vem sendo dada à realidade urbana, à pastoral ambiental, e principalmente ao tema da paróquia missionária”, explicou o bispo.
Dom Leonardo destacou ainda que a Missão Continental tem despertado as Igrejas particulares para a missão. Desta forma, os leigos assumem o compromisso batismal de serem discípulos missionários. “As Diretrizes para Evangelização buscam expressar a Missão Continental que ajuda no processo de amadurecimento da Igreja no seu caminhar para um ‘estado permanente de missão’ em todo o Brasil”, explicou o bispo.

Missão e Ano da Fé


Durante o encontro, o arcebispo do Rio, dom Orani Tempesta, proferiu a conferência “A Missão Continental à luz do novo pontificado do papa Francisco e dos conteúdos do magistério pontifício no Ano da Fé”.  Inspirado na encíclica Lumem Fidei, ele recordou que, ao final do Ano da Fé, a Igreja deve renovar sua consciência de que o seguimento de Jesus Cristo deve ser essencialmente missionário. “A nossa missão primordial é transmitir a fé por meio do testemunho eficaz de nossa vida cristã, proporcionado ao nosso próximo, pelo contato pessoal, um encontro com Cristo”, frisou o arcebispo.

Quarta, 20 de Novembro de 2013 - CNBB
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...